Versão Beta

Cerca

Vatican News
Distribuição de água potável em Durga Nagar, região de Bhopal, Índia Distribuição de água potável em Durga Nagar, região de Bhopal, Índia  (AFP or licensors)

Dia Mundial da Água: a cada minuto morre uma criança por patologia ligada à água

Neste dia 22 de março recorre o Dia Mundial da Água. A organização "Save the Children" denuncia que entre as principais causas de mortalidade infantil, encontram-se as doenças contraídas pela água e um escasso acesso a este precioso recurso e a serviços higiênico-sanitários inadequados.

Cidade do Vaticano

Entre as principais causas de mortalidade infantil encontram-se as doenças contraídas pela água e um escasso acesso a este precioso recurso e a serviços higiênico-sanitários inadequados.  A denúncia é da ONG  “Save the Children”, na véspera do Dia Mundial da Água, celebrado neste 22 de março.

Se em nível global quase 1 pessoa em cada 3 - o que representa 2,1 bilhões - não tem acesso a uma fonte segura de água e 1 em cada 9 a serviços higiênicos, a água contaminada é, de fato,  um dos maiores vetores de doenças como o cólera, a disenteria, o tifo, a poliomielite e a diarreia.

Somente esta última – revela a organização que desde 1919 luta para salvar a vida das crianças e garantir a elas um futuro – provoca a cada dia a morte de 1.000 crianças com idade abaixo dos cinco anos.

“Atualmente, 159 milhões de pessoas coletam água de lagos, poços e rios, e até 2025 metade da população mundial viverá em áreas onde ela é escassa. É necessário portanto, realizar o máximo de esforços para garantir ao maior número possível de pequenos o acesso com condições de segurança a este essencial recurso e a serviços higiênico-sanitários de base. É inadmissível que a cada ano, centenas de milhares de crianças morram devido a patologias  que podem ser facilmente prevenidas, contraídas por meio da água”, declarou Daniela Fatarella, vice-diretora geral da “Save the Children”.

Ao risco ligado ao consumo direto de água contaminada, somam-se também aqueles ligados à falta de práticas de higiene que, onde a água é escassa, não são considerados uma prioridade, como por exemplo, lavar as mãos, uma prática que se levada em consideração poderia diminuir a diarreia infantil em 53% e a pulmonite em 50%.

No sul da África, em particular, a seca – unida aos conflitos endêmicos da região – fez com que em 2017 fosse registrada a maior carestia dos últimos anos.

A impossibilidade de cultivar e a morte da criação pela falta de água, levaram a uma gravíssima insegurança alimentar que atingiu 21 milhões de pessoas na Somália (1,2 milhões de desnutridos), Etiópia  (com 3 milhões de crianças e mulheres grávidas ou em fase de amamentação desnutridas, das quais 333.500 crianças com desnutrição aguda), Quênia (cerca de 483.000 crianças desnutridas) e Sudão do Sul (1,8 milhões de crianças e mulheres grávidas ou em fase aleitamento, desnutridas).

Em 2017, foram registrados mais de 131.200 casos de diarreia aguda e cólera na Etiópia, Somália e Quênia.

“Os efeitos da seca nas crianças são devastadores e não se limitam aos riscos sanitários: nos países atingidos de modo mais intenso por este fenômeno – como a Somália – o nível de stress ao qual a população é submetida, faz crescer o nível de violência e de abusos”.

“A exigência de contribuir de todas as maneiras à subsistência da família, ademais, leva muitas vezes à separação das famílias, à exploração dos menores e à sua saída do sistema educativo. O futuro destas crianças, assim, estaria comprometido”, concluiu Daniela Fatarella.

Photogallery

2,1 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável
21 março 2018, 14:57