Versão Beta

Cerca

Vatican News
Mais de 40 mil venezuelanos migraram para o Brasil em poucos meses Mais de 40 mil venezuelanos migraram para o Brasil em poucos meses 

Roraima: Igreja é presença que alimenta a esperança

Irmã Telma Lage coordena o Centro de Migrações e Direitos Humanos (CMDH) da Diocese de Boa Vista, que provê às necessidades iniciais dos migrantes: roupas, alimentos, remédios e o processo de regularização no Brasil.

Cristiane Murray – Boa Vista, Roraima

Desde o final de 2015, Roraima tem recebido um crescente número de imigrantes venezuelanos que ingressam no Brasil pela cidade de Paracaima. Eles fogem da fome, do desemprego e da falta de serviços de saúde no país e sua primeira meta é a capital do estado brasileiro, Boa Vista.

O Município de Boa Vista não está preparado para acolher milhares de pessoas numa imigração considerada ‘intensa, ilimitada e desordenada’ e que as equipes estaduais têm dificuldades para acolher.  

“ São alojados em ginásios de esportes e acabam aceitando qualquer tipo de trabalho por poucos trocados ”

Irmã Telma Lage é a religiosa missionária de Nossa Senhora das Dores em Boa Vista, coordena o Centro de Migrações e Direitos Humanos (CMDH) da Diocese de Boa Vista, em Roraima.

Depois de 200 km de caminhada desde a cidade fronteiriça de Paracaima, em que condições chegam estes migrantes e o que encontram na cidade?

“Esta grande massa vem caminhando porque o transporte da Venezuela até Roraima custa aproximadamente 2 salários mínimos venezuelanos e eles não têm dinheiro para pagar. Por isso eles vêm caminhando, arrastando suas malas, carregando suas bagagens e acreditando que podem conseguir ‘dar a volta por cima’. Aqui em Boa Vista temos 2 ginásios que estão servindo de abrigo, mas não comportam a demanda”.

“ Chegam com fome, cansados, sem nenhum ponto de referência ”

“Chegam com os pés e as pernas muito maltratados. Muitos não vêm com calçado adequado para esta caminhada tão longa”.

“É muito difícil. Aqui em Boa Vista o município não está preparado para esta demanda que chega. O estado não tem infraestrutura, o mercado de trabalho não tem espaço para tantas pessoas, para esta quantidade de mão de obra oferecida. Cai muito a qualidade das ofertas de trabalho, mas eles vão aceitando”.

Ouça a reportagem e compartilhe

 

Photogallery

Venezuelanos sofrem crise econômica, social e política
01 fevereiro 2018, 11:41