Busca

Vatican News
Assembleia Eclesial - trabalhos Assembleia Eclesial - trabalhos  (Comunicaciones CELAM)

Sinodalidade: "Uma sinfonia cantada em uma infinita possibilidade de variações"

Quatro pesos pesados de uma Igreja que quer ser sinodal, diferentes formas de viver a fé, de diferentes ministérios e serviços eclesiais. Tudo isso esteve presente em um dos destaques da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe.

Padre Modino - CELAM

A reflexão do longo painel realizado na manhã desta quinta-feira, 25 de novembro, que girou em torno do tema: "Da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe em direção ao Sínodo da Sinodalidade", contou com a presença de dois cardeais da Cúria Vaticana, Marc Ouellet e Mario Grech, a presidente da Vida Religiosa no continente, Liliana Franco, e Mauricio López, leigo mexicano e coordenador do Centro de Redes e Ação Pastoral do Celam.

Como Secretário Geral do Sínodo, "quase todos os dias tenho que falar sobre a sinodalidade e o Sínodo da sinodalidade", disse o cardeal Grech, acrescentando sentir-se honrado por poder dirigir-se à Assembleia Eclesial, a continuação de uma história de "comunhão eclesial, que poderia ser um exemplo para muitas Conferências Episcopais". O cardeal definiu este encontro como "uma expressão da visão pastoral do Papa Francisco", e uma ponte entre o Sínodo sobre a Amazônia e o Sínodo sobre a Sinodalidade.

Sinodalidade e missão

O cardeal Grech refletiu sobre "a estreita relação entre sinodalidade e missão", presente na Evangelii Gaudium, "um documento sobre a dimensão missionária da Igreja", sobre o avanço da Igreja. A partir daí ele refletiu sobre a "comunidade sinodal", que "tem um desejo inesgotável de oferecer misericórdia", que "sabe dar frutos", que "sabe celebrar". Para o Secretário do Sínodo dos Bispos, "a Igreja cresce em sinodalidade, assume uma forma cada vez mais sinodal, quanto mais ela vive e pratica um estilo sinodal". Diante disso, ele convidou a "pensar sobre o cenário da missão de uma Igreja não-sinodal".

Para o cardeal Grech, "um projeto missionário só pode emergir do processo sinodal de escuta-discernimento, que é também um exercício de discipulado". Neste sentido, ele lembrou o conceito de "sinodalidade missionária", que aparece no Documento Final do Sínodo para a Amazônia. A partir daí ele lançou um desafio aos presentes: "O aprofundamento da ligação entre estas duas dimensões da Igreja poderia ser uma das contribuições mais significativas desta Assembleia e do caminho sinodal das Igrejas da América Latina e do Caribe". É uma questão de dar continuidade a uma "caminhada conjunta" presente na história da Igreja no continente.

Assembleia Eclesial
Assembleia Eclesial

O Secretário Geral do Sínodo também destacou a contribuição da Igreja da América Latina e do Caribe no método de escuta, esperando "uma contribuição que abra perspectivas sobre como tornar operativas as instâncias intermediárias da sinodalidade". Junto com isto, alertou sobre as divisões na Igreja, que exigem uma conversão sinodal, e sobre "aqueles grupos e seitas cristãs que promovem uma compreensão individualista e íntima da fé". Diante disso, "a resposta mais confiável é a da comunhão", afirmou o cardeal, em uma Igreja onde "a tradição não é um canto em uníssono", mas "uma sinfonia, onde cada voz, cada registro, cada timbre vocal enriquece o único Evangelho, cantado em uma infinita possibilidade de variações".

Igreja sinodal 

Já o cardeal Ouellet iniciou fazendo algumas perguntas: "Qual é o sonho de uma Igreja sinodal? Uma nova moda? Uma estratégia de comunicação? Uma ideologia disfarçada de programa pastoral? Um método para a conversão missionária da Igreja?”

O sonho do Papa Francisco de uma Igreja sinodal provoca reações diferentes, embora o cardeal quis deixar claro que "o Papa acredita no Espírito Santo e quer que aprendamos a ouvi-lo melhor em todos os níveis da Igreja". Isto significa "escutar a todos e a cada um com atenção, sem pressa, sem ideias preconcebidas ou preconceitos". O que importa ao Papa, segundo o Prefeito da Congregação para os Bispos, não é "um novo modelo de Igreja", mas "a fé dos batizados e daqueles a serem batizados".

O cardeal canadense insistiu que o que é fundamental é a certeza da fé, algo muito presente na Bíblia. Por esta razão, "uma Igreja sinodal é uma Igreja que caminha na fé", algo que se reflete no Magistério continental e no do Papa Francisco, e presente ao longo da história da evangelização no continente, o que lhe deu uma unidade "que foi forjada no sangue de muitos mártires". Uma Igreja sinodal na América Latina e no Caribe que deve ser necessariamente mariana.

Olhando para o próximo Sínodo, ele destacou a importância da participação, da comunhão, da missão, refletindo sobre cada uma dessas dimensões. O presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina agradeceu a oportunidade de participar da Assembleia, parabenizando o Celam "pelo esforço empregado nesta organização complexa e criativa em tempos de pandemia". Algo que encorajará o próximo processo sinodal, afirmou o cardeal, que concluiu seu discurso refletindo sobre as vocações em uma Igreja sinodal.

Assembleia Eclesial
Assembleia Eclesial

Um novo olhar contemplativo

A irmã Liliana Franco, em nome da Vida Religiosa do Continente, começou afirmando que estamos "enfrentando um processo, um itinerário de encontro e conversão", no qual é necessário "sermos humildes, reconhecer nosso pecado", e mudar os modos de nos relacionarmos. Estamos diante de "um novo olhar contemplativo, mais teológico e encarnado", que deveria nos levar a "aguçar nosso olhar para contemplar a realidade e aguçar nosso ouvido para escutar o Espírito que nunca cessa de gemer".

A partir daí, a comunhão é tecida, a partir da escuridão e da luz do humano, entre fragilidade e graça. Estamos diante de uma época de testemunhas, porque somente desta forma "nossa narrativa se torna credível". Para isso, o caminho é "o discernimento, a atenção à realidade, a capacidade de ouvir o grito de Deus", enfatizou a presidente da CLAR. É uma experiência tornada possível pelo Espírito, "que nos encoraja a tecer o vínculo, o relacionamento, a amizade, o afeto em nossa vida diária e nos exorta a amar, acreditar e cuidar um do outro, a dar um lugar um ao outro, a não nos excluirmos um do outro".

Tudo isso em uma dinâmica eclesial de continuidade e progresso, concretizada na diversidade de dons, carismas e estilos. Mas sem esquecer que "no mais autêntico dos encontros, as identidades pessoais não são eliminadas". A Vida Religiosa no continente diz estar convencida "da necessidade de reforma", algo que se tornará realidade em "um laboratório de encontro", onde a Igreja tem que descobrir que está "comprometida com um novo modo relacional mais contextualizado, encarnado na realidade, capaz de escutar e ressoar".

É uma questão de estabelecer, de ter a certeza de que, "como Povo de Deus, somos chamados a trilhar novos caminhos". Isto só "será possível com nossos olhos fixos em Jesus", convencidos de que "este é o momento da escuta e do discernimento", lembrou a religiosa colombiana, que concluiu dizendo que "como mulher, crente e consagrada, proponho que optemos mais uma vez pelo Caminho para sair de toda nossa inércia, que o percorramos juntos, que tecamos novos tecidos, que não tenhamos medo um do outro e que não tenhamos medo das sombras desta história... A Páscoa nos chama, nos convoca, nos mobiliza".

Sinodalidade

Com base nas intervenções anteriores e em todo o processo vivido na Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe nos últimos meses, Mauricio López começou afirmando que "a sinodalidade é inerente ao ser da Igreja", citando um dos documentos fundamentais para entender o que é uma Igreja sinodal, a Comunhão Episcopal, que tanto insiste em escutar a Deus para escutar o povo e para escutar o povo para entender o que Deus nos chama a fazer.

"A sinodalidade não depende de nós, é uma experiência de graça", que se baseia na escuta, na escuta de Deus que precisa da colaboração humana para que possamos abraçar o grito do povo, e na escuta do povo para compreender a vontade de Deus. O povo revela no “sensus fidei” o pensamento de Deus. Isto é algo que se aprende em Filipenses, onde São Paulo compreende sua vida a partir de Cristo, o que gera uma comunhão de sentimentos e o mesmo amor no Senhor.

Mauricio López se referiu à “Statio Orbis” do Papa Francisco em 27 de março de 2020, o que nos fez ver que estamos no mesmo barco e somos desafiados a remar juntos, não apenas para nos salvarmos, mas para escolhermos o que é realmente importante. Naquele momento, ele denunciou duas doenças que dificultam a sinodalidade, uma é a esclerose farisaica, que nos endurece, e a outra a misofobia sinodal, o medo de me contaminar, típico dos essênios que desprezavam aqueles que não pertenciam ao seu grupo, com a tentação da imposição ideológica. Duas doenças que tornam impossível caminhar juntos.

Sobre o próximo Sínodo, ele refletiu sobre sua bidimensionalidade baseada na universalidade e particularidade. Ao falar de temporalidade, ele se referiu à tensão entre Kairos e chronos, e uma terceira dimensão foi a reforma em andamento. É uma questão de entrar em tensão entre o diálogo de fé e o “sensus fidei”. Finalmente, ele refletiu sobre as chaves sinodais: a periferia é o centro, não perder o foco e a perspectiva de transbordamento, elementos fundamentais que nunca podem ser deixados de lado.

25 novembro 2021, 23:49