Busca

Vatican News
Cardeal Gracias na Assembleia Eclesial Cardeal Gracias na Assembleia Eclesial 

Cardeal Gracias à Assembleia Eclesial: "vocês são líderes na Igreja em sinodalidade"

O arcebispo de Bombaim, que disse não se sentir competente para falar sobre a Igreja na América Latina e no Caribe, quis compartilhar alguma perspectiva a partir da realidade da Índia e da Ásia.

Vatican News

Um cardeal que cruza o mundo para vir e aprender com a Igreja na América Latina e o Caribe o que é sinodalidade. Assim poderíamos resumir o testemunho do Cardeal Oswald Gracias, que agradeceu a oportunidade de participar da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe. O arcebispo de Bombaim, que disse não se sentir competente para falar sobre a Igreja na América Latina e no Caribe, quis compartilhar alguma perspectiva a partir da realidade da Índia e da Ásia.

Para começar, o cardeal afirmou que a missão da Igreja é evangelizar, tornar os valores do Reino e do Evangelho presentes e capazes de funcionar na sociedade". Segundo o cardeal Gracias, "nestes tempos, os governos desempenham um grande papel, em termos de políticas e formas de governo e modos de pensar, mesmo nas melhores democracias". Em sua opinião, "a Igreja latino-americana tem desempenhado o papel de oposição ao governo em muitos lugares, sem sequer estar em um parlamento".

Ele enfatizou que o fez "com firmeza e coragem, tendo como bandeira o bem do povo". Para o cardeal indiano, "a vida da Igreja, a vida do povo não pode não ser valorizada", lembrando a força e o compromisso neste campo, especialmente dos jovens, cujos talentos ele destacou. Por esta razão, ele encorajou "identificar aqueles que podem ser os líderes do futuro da sociedade, não apenas da Igreja", apontando a necessidade de ajudá-los "a desenvolver estas capacidades, na liderança, na ética e na Doutrina Social da Igreja".

Para o cardeal, "a política não é algo sujo, muitas vezes permitimos que fosse assim, devido à falta de ação e à falta de perspectiva para o futuro". Neste ponto, cuidar dos futuros líderes pode garantir que "dentro de alguns anos eles terão um batalhão de líderes, que formarão um governo que pode transformar a sociedade". Para o Arcebispo de Bombaim, na América Latina e no Caribe, "eles têm o pessoal, as forças, a estrutura, as fontes, eles têm os recursos. Eles só têm que acreditar que vão ter sucesso e serão bem sucedidos".

Assembleia Eclesial
Assembleia Eclesial

Sínodo da Amazônia

Referindo-se aos assuntos internos da Igreja, ele lembrou que teve o privilégio de participar do Sínodo para a Amazônia, "e aprendi muito com o que observei e ouvi, e com minhas conversas com os participantes". Entre as lições aprendidas, ele destacou "a importância do papel que as mulheres têm na sociedade", afirmando que "elas são as pensadoras, as animadoras, as organizadoras, são as que desenvolvem movimentos importantes, especialmente na Igreja". No entanto, ele ressaltou que "mesmo assim, muitas vezes não são eles que tomam as decisões".

Para o cardeal Gracias, isto não é algo forçado pelas estruturas da Igreja, mas "uma práxis que se desenvolveu". Por esta razão, ele pediu que as religiosas, "que podem pensar que seu compromisso religioso as obriga a permanecer no anonimato do convento", possam assumir responsabilidades. Também virgens consagradas, que "precisam ter sua vocação reconhecida pela Igreja, assim como mulheres solteiras, que sentem o chamado para serem solteiras".

Outro desafio para a Igreja no qual ele insistiu é "a falta de Eucaristia frequente para as pessoas, como consequência da falta de cuidado pastoral", uma situação que para o cardeal "não pode ser ignorada". Sobre este ponto, ele assegurou que "uma teologia, uma lei, uma doutrina na Igreja, não é um obstáculo que não possa ser superado". Ele afirmou que existem de fato dificuldades, grandes dificuldades, "mas elas não são obstáculos intransponíveis". Para eles, disse ele, "o que é necessário é um pouco de reflexão, isto está fazendo a Igreja sangrar".

Sinodalidade

Finalmente, falando de sinodalidade, ele lembrou que "estamos reunidos no meio de um chamado feito pelo Papa Francisco, que nos chama à sinodalidade, já que vai haver um Sínodo sobre a sinodalidade". O cardeal definiu a Igreja na América Latina e no Caribe como "líderes da Igreja nisto. Vocês estão à frente da Ásia, da África e até mesmo da Europa”. Algo que ele disse ter visto no Sínodo da Amazônia e na preparação desta Assembleia Eclesial.

É por isso que ele insistiu que "devemos nos desafiar, desafiar a nós mesmos, sentir-nos confortáveis por termos feito o suficiente, por termos cumprido nossa missão". O cardeal Gracias lembrou o chamado do Papa Francisco para "ir às periferias, já o ouvimos dizer, mesmo nestes dias, que devemos sair ao encontro dos pobres e daqueles que foram esquecidos, e estou certo de que o estão fazendo".

Finalmente, ele falou de periferias em outro sentido, "aqueles que já deixaram a Igreja e aqueles que estão pensando em partir". Reconhecendo que esta é uma questão difícil, e reconhecendo que ele não sabe o que está fazendo em sua própria diocese e na conferência dos bispos sobre o assunto, ele lembrou o apelo do Papa Francisco a isto. O cardeal indiano diz estar convencido de que "este convite que o Papa Francisco nos faz vem do Espírito Santo, não apenas de sua própria experiência teológica ou de seus estudos intelectuais, ou recomendações de amigos, vem de Deus, do Espírito Santo".

Segundo o arcebispo de Mumbai, "não há dúvida de que temos muito a aprender, com essas pessoas, com esses povos, com essas reflexões, com essas sugestões e com as circunstâncias que os levaram a buscar Deus em outro lugar". Ele se perguntava "onde falhamos com eles, de que forma falhamos com eles", chamando a não os ignorar e a pensar que temos todas as respostas. Finalmente ele insistiu que "a Igreja na América Latina e no Caribe está viva, e o desafio agora é torná-la ainda mais vibrante, e colocar o Senhor Jesus Cristo como Rei de nossas vidas, de nossas famílias, de nossos povos".

25 novembro 2021, 15:35