Busca

Vatican News
Escavação arqueológica revela complexo de antiga igreja em Rihab, 70km a norte de Amã Escavação arqueológica revela complexo de antiga igreja em Rihab, 70km a norte de Amã 

Jordânia: como cidade de tolerância, Sal é declarada Patrimônio da Humanidade

“A solidariedade social entre as famílias locais e seus visitantes, bem como a ausência de bairros separados por motivos religiosos, é uma das características claras da cidade”, explicou o ministro do Turismo da Jordânia. “A cidade de Sal está entre as principais prioridades da Jordânia por seu significado em mostrar as características de tolerância, convivência e cuidado social entre seus moradores”.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

“Lugar de tolerância e de hospitalidade civil”: com essa motivação, a cidade de Sal, na Jordânia, foi inscrita pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) na lista do Patrimônio Mundial da Humanidade.

É a sexta localidade do país a receber este reconhecimento, depois dos sítios arqueológicos de Petra, Amra e Umm Al Rassas, do deserto de Wadi Rum e de Betânia, além do Jordão, local do batismo de Jesus.

Conhecida na antiguidade como Gadara, Sal assumiu seu nome atual na Idade Média e é a sede da primeira paróquia do Patriarcado Latino que foi fundada na Jordânia pelo Patriarca Vincent Bracco em 1866.

Na época, o território era confiado aos cuidados pastorais do padre Auguste de Actis, pároco de Nablus. Em 1866, um trabalhador de Belém que estava construindo uma casa para um homem idoso em Sal, adoeceu. O padre Auguste visitou o homem e administrou-lhe os sacramentos, estabelecendo assim boas relações com os habitantes locais. Na sequência deste acontecimento, muitos fiéis aderiram à Igreja Católica e, assim, no mesmo ano, foi formada a paróquia de Sal. A estrutura original foi então ampliada ao longo do tempo até chegar, em 1886, a uma igreja maior.

Como afirma o diretor do Centro Católico de Estudos e Mídia da Jordânia, padre Rifaat Bader, “Sal como cidade da tolerância, reflete a imagem jordaniana na sua totalidade, que é um modelo de convivência entre cristãos e muçulmanos, solidários no bem e no mal, em todas as circunstâncias que o país viveu nas últimas décadas”.

Namesma linha o ministro do Turismo e Antiguidades da Jordânia, Nayef Al Fayez, que afirma que “a cidade de Sal está entre as principais prioridades da Jordânia por seu significado em mostrar as características de tolerância, convivência e cuidado social entre seus moradores”.

“A solidariedade social entre as famílias locais e seus visitantes, bem como a ausência de bairros separados por motivos religiosos - explica o ministro - é uma das características claras da cidade”. Al Fayez, por fim, enfatiza que a inclusão de Sal na Lista do Patrimônio Mundial da Humanidade apoiará "uma cultura da tolerância e da harmonia inter-religiosa".

A recordar que o reconhecimento de Sal ocorreu no dia 27 de julho, por ocasião da 44ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, realizado em modo virtual de Fuzhou, China, de 16 a 31 de julho.

Vatican News Service - IP

31 julho 2021, 11:07