Busca

Vatican News
Padre Luigi Maccalli ficou sequestrado 2 anos no Niger e libertado em 2020 Padre Luigi Maccalli ficou sequestrado 2 anos no Niger e libertado em 2020 

Padre Maccalli faz apelo pela libertação da missionária colombiana em Mali

“Não a esqueçamos! Faço um apelo à atenção da opinião pública e peço a todos os cristãos que orem por sua libertação, recordando e agradecido pela oração incessante de todos pela minha libertação”. São palavras do Padre Gigi Maccalli que foi libertado em 2020. O missionário recordou que hoje (07/06) completam quatro anos e meio do sequestro da Irmã Glória Narvaez Agoti, missionária colombiana em Mali

Vatican News

"Desde que fui libertado, não deixo de rezar e convidar todos a manter viva a memória e a oração pelos outros reféns presos no Sahel". São palavras escritas à Agência Fides pelo padre Gigi Maccalli, sacerdote da Sociedade para Missões Africanas, que foi sequestrado no Níger em 17 de setembro de 2018 e libertado em 9 de outubro de 2020. "Entre eles - continua o missionário- é-me caro recordar hoje, 7 de junho de 2021, a Irmã Gloria Cecilia Narvaez Agoti, sequestrada em Mali em 7 de fevereiro de 2017. Neste dia em que completam quatro anos e meio de cativeiro para ela, levanto meu sincero apelo: não a esqueçamos"!

Ouça e compartilhe!

Padre Maccalli conta que recolheu pessoalmente o testemunho de Sophie Pétronin e Edith Blais que compartilharam com a Irmã Gloria o destino de reféns antes de serem libertadas. "Ambas me confirmaram sua preocupação em saber que ela estava sozinha para superar a dura provação do sequestro".

"Faço um apelo à atenção da opinião pública e peço a todos os cristãos que orem por sua libertação, recordando e agradecido pela oração incessante de todos vocês pela minha libertação”, continuou o sacerdote italiano.

Irmã Gloria, religiosa de nacionalidade colombiana da Congregação das Irmãs Franciscanas de Maria Imaculada, foi sequestrada na noite de 7 de fevereiro de 2017, quando um grupo de homens armados invadiu a paróquia de Karangasso, em Koutiala. Depois de sequestrar a religiosa do centro missionário eles fugiram com a ambulância do centro médico da missão para retomar as motocicletas com as quais tinham chegado.

(Agência Fides)

 

 

 

07 junho 2021, 12:07