Busca

Vatican News
Núcleo de Reflexões Pluriétnicas em Manaus Núcleo de Reflexões Pluriétnicas em Manaus 

Núcleo de Reflexões Pluriétnicas em Manaus: presença de seminaristas indígenas

Núcleo de Reflexões Pluriétnicas do Seminário São José de Manaus: “construir a nossa integralidade formativa tendo em conta a nossa cultura”.

Padre Modino - CELAM

O Sínodo para a Amazônia abriu novos caminhos na Igreja da Amazônia, também no campo da formação sacerdotal. O Documento Final faz um chamado a fazer realidade uma formação inculturada, “para oferecer aos futuros presbíteros das Igrejas da Amazônia uma formação de rosto amazônico, inserida e adaptada à realidade, contextualizada e capaz de responder aos numerosos desafios pastorais e missionários”.

Aos poucos, estão sendo dados passos nesse sentido, com iniciativas de formação “que responda aos desafios das Igrejas locais e a realidade amazônica”. No Seminário São José de Manaus, que acolhe os seminaristas das 9 dioceses e prelazias do Regional Norte 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) uma quarta parte dos seminaristas são indígenas, de 9 povos diferentes.

Os seminaristas indígenas, junto com outros seminaristas não indígenas, têm formado o Núcleo de Reflexões Pluriétnicas, nascido no dia 19 de abril de 2021, dia em que é comemorado o Dia dos Povos Indígenas. Segundo os seminaristas, o objetivo é “valorizar as culturas indígenas dentro da cultura da Igreja e do Seminário”, tendo como fundamento a Querida Amazônia, no propósito de “sonhar junto com o Papa Francisco”.

Processo formativo do Seminário São José
Processo formativo do Seminário São José

Para refletir sobre a realidade indígena o grupo se reuniu no último sábado, 19 de junho, com a presença do arcebispo de Manaus, dom Leonardo Steiner, o reitor do Seminário São José, padre Zenildo Lima, e o padre Roberto Valicourt, da Pastoral Indigenista da Arquidiocese de Manaus. Segundo Eliomar Sarmento, do povo Tukano, o grupo pretende “construir a nossa integralidade formativa tendo em conta a nossa cultura”. Segundo o seminarista da diocese de São Gabriel da Cachoeira, “cada cultura tem sua cosmovisão, e isso enriquece”, insistindo em que pretendem desenvolver “uma vivência e não só uma reflexão teórica que não se encarna”.

Dentro do processo formativo do Seminário São José, como mergulhar no Evangelho sem deixar de lado as culturas milenares? A partir dessa pergunta surgem três eixos: memória, identidade e projeto. A memória é a origem da vida, algo que está presente na cultura bíblica e nas culturas indígenas. Isso deve levar a transformar a Teologia a partir do conhecimento memorial, sendo necessário uma ligação entre o mundo indígena e não indígena.

Para os indígenas é o passado que sustenta o presente, sem passado o individuo não tem presente. Isso se traduz numa visão da vida e numa educação circular, não linear. Durante muito tempo, na Igreja ninguém entendeu o comportamento do indígena, o que mostra a importância desta iniciativa. Não podemos esquecer que no universo indígena tudo tem a ver com a espiritualidade cósmica e religiosa.

O encontro foi momento para partilhar elementos que fazem parte da cultura e da vida de diferentes povos: macuxi, tikuna, maraguá, kokama, tukano. Foi explicitado o significado da terra e da água, como elementos que governam a vida e dão continuidade, que fazem presentes os antepassados, que dialogam com seu povo através da natureza. Na cultura macuxi, a terra representa a vida do povo e está ligada ao céu, o que os leva a descobrir Deus como força.

Processo formativo do Seminário São José
Processo formativo do Seminário São José

Na cultura indígena são importantes as festas rituais, os materiais espirituais, as danças rituais, as bebidas cerimoniais, elementos que não podem acabar, pois constituem a identidade dos povos, são um valor precioso para cada indígena, que mostram a interligação presente nas diferentes cosmovisões de cada povo. Tudo isso sem esquecer as dificuldades que muitos indígenas, diante da falta de compreensão, encontram quando eles saem do ambiente da própria cultura. Isso acontece em Manaus, onde muitos indígenas que vivem na cidade, têm vergonha de dizer que são indígenas, segundo o padre Roberto Valicourt. Segundo ele se faz necessário um resgate da cultura entre os indígenas que vivem na cidade, onde muitos jovens não falam mais a língua materna.

Dom Leonardo animou os seminaristas indígenas a recolher as riquezas identitárias, como modo de fazer memória. Segundo o arcebispo de Manaus, é importante “perceber que existem elementos de fundo, pensamentos originários que se juntam”. Nesse sentido, ele destacou que entre os povos originários se desenvolve uma visão desde a totalidade, e não desde o sujeito-objeto, próprio da cultura ocidental.

De um lado nos deparamos com um pensamento circular, relacional, enquanto do outro temos um pensamento informativo, segundo o arcebispo. Isso nos mostra a necessidade das culturas ancestrais, afirmou dom Leonardo Steiner, que agradeceu aos seminaristas pelo momento de encontro e reflexão, que ele considerou muito rico.

21 junho 2021, 11:50