Busca

Vatican News
Papa Francisco com Tawadros II Papa Francisco com Tawadros II  (Vatican Media)

Tawadros II quer episódio da Sagrada Família como festa nacional para todos egípcios

Em 2019, o governo egípcio havia preparado o fascículo "Estações da viagem da Sagrada Família", como parte das iniciativas para inserir o "Caminho" da Sagrada Família na lista de locais reconhecidos como "Patrimônio Mundial" da UNESCO.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

Ao definir a ida da Sagrada Família ao Egito como "uma bênção" e um motivo de orgulho para a nação e o povo egípcio, o Patriarca copta-ortodoxo Tawadros II defendeu que o dia em que as Igrejas no país no norte da África recordam esse episódio se torne uma festividade nacional. A fuga para o Egito de José, Maria e o recém-nascido - após o aviso do anjo de que Herodes queria matar o Menino Jesus - é narrada no Evangelho de São Mateus 2, 13-23.

A proposta do Patriarca teve lugar no dia 1° de junho na igreja dedicada à Virgem Maria no Distrito do Cairo de El Ma'adi, durante a celebração da ida da Sagrada Família ao Egito, organizada pela Fundação "Martiria" para a cultura e o desenvolvimento.

Resgate da memória nacional

 

No pronunciamento em que fez a proposta, Tawadros II também manifestou seu apreço pelo intenso empenho com que as autoridades egípcias vêm promovendo há anos o "Caminho da Sagrada Família", um grande projeto para abrir aos peregrinos estrangeiros o itinerário que une os lugares percorridos, segundo tradições milenares, por Maria, José e o Menino Jesus durante sua estada na terra do Egito.

 

O estudo do "Caminho" e a participação em iniciativas educativas realizadas ao longo das várias etapas do itinerário - acrescentou o Primaz da Igreja Copta Ortodoxa - poderiam ser incluídos nos currículos escolares elaborados pelo Ministério da Educação, para assim incentivar as jovens gerações a redescobrir a fuga para o Egito da Sagrada Família como parte integrante da memória nacional.

O "Caminho da Sagrada Família" reúne 25 locais muito queridos à memória dos cristãos egípcios, percorrendo um itinerário de 3500 quilômetros, que atravessa 11 Governatoratos, desde o delta do Nilo até o Alto Egito.

A crise pandêmica que também paralisou o turismo em todo o planeta não impediu o grande projeto promovido pelas autoridades egípcias para abrir o "Caminho da Sagrada Família" às peregrinações internacionais.

Fomentar peregrinações internacionais

 

No início de 2021, segundo informou a Agência Fides, o diretor geral de relações internacionais junto à Autoridade para o Desenvolvimento do Turismo e coordenador do projeto, o engenheiro Adel al Gindy, detalhou em uma longa entrevista relançada por wataninet.com o andamento da iniciativa, fornecendo informações sobre os trabalhos já realizados ou iniciados para tornar cada etapa do roteiro acessível aos turistas e peregrinos de acordo com as normas de acolhimento correspondentes aos critérios (incluindo os de sustentabilidade ambiental) definidos pela Organização Mundial do Turismo.

Uma vez totalmente implementado, o "Caminho" representará uma das maiores rotas de peregrinação religiosa do mundo. A expectativa de ver acabar os efeitos devastadores da Covid -19 no Egito também se funde com a esperança de receber no futuro um fluxo crescente de turistas e peregrinos estrangeiros, atraídos ao país pelo desejo de seguir os rastros da passagem de São José, a Virgem Maria e o Menino Jesus em terras egípcias.

Papa Francisco

 

Antes de visitar o Egito em abril de 2017, o Papa Francisco afirmou em uma mensagem em vídeo dirigida ao povo egípcio sua satisfação em visitar “como amigo, como mensageiro de Paz e como peregrino, o país que deu, dois mil anos atrás, refúgio e hospitalidade à Sagrada Família quando fugiu das ameaças do rei Herodes”. 

Na Audiência Geral de 4 de outubro de 2017, o Santo Padre também havia saudado uma numerosa delegação egípcia presente em Roma para promover as peregrinações ao longo do "Caminho da Sagrada Família", em colaboração com L'Opera Romana Pellegrinaggi, instituição do Vicariato de Roma, órgão da Santa Sé, submetida diretamente ao Vigário do Papa, cardeal Angelo De Donatis.

Com Agência Fides

04 junho 2021, 11:57