Busca

Vatican News

Sako na mensagem para o Ramadã: remover de textos didáticos ofensas aos cristãos

A mensagem do cardeal Sako não se limita a considerações gerais em favor da coexistência entre diferentes componentes da sociedade iraquiana, mas faz um pedido muito concreto: "Nesta ocasião", escreve o primaz da Igreja caldeia no iraque, "peço a adoção da denominação dos cristãos como 'Povo do Livro', que deve ser incluída nos livros didáticos utilizados nas escolas nacionais em substituição de outras definições errôneas e inaceitáveis". Em alguns livros escolares, no país, os cristãos ainda são indicados como "infiéis" ou "politeístas"

Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

"Por ocasião do início do mês sagrado do Ramadã, estendo minhas sinceras felicitações e bênçãos aos nossos irmãos e irmãs muçulmanos, pedindo a Deus Todo-Poderoso que abençoe seu jejum e os faça desfrutar de saúde, segurança e os livre a eles e a toda a humanidade do perigo da pandemia da Covid-19."

É o que escreve o patriarca de Babilônia dos Caldeus, no Iraque, cardeal Louis Raphael I Sako, numa breve e intensa mensagem de felicitações dirigida a seus concidadãos de fé islâmica no início do mês sagrado do Ramadã, o tempo especial que as comunidades islâmicas do mundo inteiro dedicam ao jejum, à oração e à esmola.

Aprofundar os laços de fraternidade, amizade e respeito

No texto da mensagem, recebido pela Fides - agência missionária da Congregação para a Evangelização dos Povos -, o patriarca espera que este momento especial para os muçulmanos "se torne uma oportunidade para se aproximar de Deus e das pessoas através do jejum, oração, atos de caridade, misericórdia, perdão e reconciliação, e para aprofundar os laços de fraternidade, amizade e respeito que o Papa Francisco evocou durante sua visita ao nosso país realizada de 5 a 8 de março", lê-se.

O primaz da Igreja caldeia espera que o Ramadã se torne também uma oportunidade para "promover os princípios da paz, estabilidade e convivência, de modo a abrir uma nova página positiva na vida dos iraquianos, para que todos possam desfrutar de alegria e felicidade depois de todos os males que sofreram".

Uma solicitação muito concreta

A mensagem não se limita a considerações gerais em favor da coexistência entre diferentes componentes da sociedade iraquiana, mas se conclui com um pedido muito concreto:

"Nesta ocasião", escreve o patriarca Sako, "peço a adoção da denominação dos cristãos como 'Povo do Livro', que deve ser incluída nos livros didáticos utilizados nas escolas nacionais em substituição de outras definições errôneas e inaceitáveis".

Definição sugerida a ser adotada é também de origem islâmica

Em alguns livros escolares, mesmo no Iraque, os cristãos ainda são indicados como "infiéis" ou "politeístas" (takfir, kafir), expressões típicas da polêmica anticristã de origem islâmica.

A definição que o patriarca de Babilônia dos Caldeus e primaz da Igreja caldeia no Iraque sugere que seja adotada para indicar os cristãos nos livros escolares é também de origem islâmica, pois se encontra no Alcorão.

(Fides)

14 abril 2021, 12:20