Busca

Vatican News
Vigília Pascal na  Sé Cathedral do Porto Vigília Pascal na Sé Cathedral do Porto 

Portugal: Páscoa abre nova fase de desconfinamento

As restrições sanitárias devido à pandemia marcaram as celebrações pascais em Portugal. Nesta segunda-feira, dia 5 de abril, o país entra em nova fase de retoma gradual das atividades.

Rui Saraiva - Porto

Em Portugal, a Páscoa abre uma nova fase de desconfinamento neste tempo de pandemia. Nesta segunda-feira, 5 de abril, o país retoma gradualmente algumas atividades.

O ensino básico reinicia presencialmente os seus 2º e 3º ciclos. Reabrem também os equipamentos sociais na área da deficiência, bem como centros de dia de apoio às pessoas idosas.

Retomam atividade algumas lojas e reabrem ao público museus, monumentos, palácios, sítios arqueológicos, galerias de arte e salas de exposições. Destaque para a reabertura dos restaurantes e de feiras e mercados.

E foi um Tríduo Pascal, obviamente, marcado pela pandemia, com as normas de higienização, o distanciamento entre os participantes e o uso obrigatório de máscara.

Neste Domingo de Páscoa e num primeiro olhar pelas homilias da Vigília Pascal nas dioceses portuguesas podemos destacar algumas já, entretanto, publicadas pela Agência Ecclesia.

D. António Moiteiro, bispo de Aveiro, falou da “descristianização” alertando para uma pastoral permanente de primeiro anúncio. “Ser cristão não acontece de um momento para o outro” – disse o bispo de Aveiro.

Por sua vez, D. António Luciano, bispo de Viseu, sublinhou que os cristãos são chamados a partilhar a alegria pascal, tendo alertado para a necessidade de uma atenção crescente para com os mais frágeis.

Na diocese da Guarda, bem no interior de Portugal, D. Manuel Felício acentuou na sua homilia que nesta Páscoa devem ser fortalecidos os valores da proximidade e da solidariedade. “Nesta crise, a ninguém se fechem as janelas da esperança” – disse o bispo da Guarda lembrando a situação de pandemia em que vivemos.

Em Lisboa, o Cardeal Patriarca, na sua homilia na Vigília Pascal, afirmou que a pandemia mostrou “parábolas do Ressuscitado” em muitos testemunhos de abnegação e de serviço. D. Manuel Clemente valorizou os gestos de ajuda e a “criatividade” nas comunidades cristãs.

Já não havia celebração pública da Páscoa em assembleia desde 2019. O confinamento global vivido em 2020 impediu as celebrações com a participação de fiéis. Em Portugal continua em vigor o estado de emergência até dia 15 de abril.

Oiça

 

04 abril 2021, 16:25