Busca

Vatican News
Crianças africanas Crianças africanas 

Christian e Luca unidos no amor pela África

Para missionário comboniano padre Eliseo Tacchella, o atentado ao bispo de Rumbeck no Sudão do Sul e o assassinato do embaixador italiano no Congo demonstram que suas vidas são unidas por um único sentimento e uma única vontade: “de fazer o bem e criar unidade” e isso incomoda os egoístas

Federico Piana- Vatican News

Há um ponto em comum que une os acontecimentos na vida de dois homens que viveram no contexto do continente africano atravessado por evidentes contradições políticas e sociais. É o ponto da caridade e do amor ao próximo que uniu suas vidas, mesmo que eles nunca tenham tido a oportunidade de se encontrar. No entanto, Christian Carlassare, o bispo eleito de Rumbek, no Sudão do Sul, baleado nas pernas na noite de 25-26 de abril passado por dois pistoleiros enquanto estava em sua própria casa, tem muito em comum com Luca Attanasio, o embaixador italiano morto ao norte de Goma, no Congo, em 21 de fevereiro deste ano, durante uma missão humanitária do Programa Mundial de Alimentação.

Renúncia de si mesmos

Ambos assumiram, até o mais profundo de seu ser, a atitude dos que renunciam a si mesmos para se dedicar, com abnegação, a levar a paz e a solidariedade, ajudando, com iniciativas concretas, os povos que encontraram em seu caminho. Quem os conhece bem é o padre Eliseo Tacchella, missionário comboniano, no Congo, há mais de trinta anos. De seu coirmão Christian Carlassare afirma que "ele é verdadeiramente um filho de São Daniel Comboni porque, após o ataque, ele nunca usou o termo 'bandidos' ou 'assaltantes', mas usou o termo 'pessoas'". E também me impressiona o perfume de perdão que suas palavras emitem, um perdão que nasce do coração".

Padre Carlassare, pastor conquistado pelo Evangelho

Para o padre Tacchella o sinal claro de que Christian Carlassare seja conquistado pelo Evangelho e pelo amor a Jesus, é percebido no seu apego ao povo do Sudão do Sul: "Ele sempre trabalhou pela reconciliação de todo o povo e depois deste ataque ele quis que o mundo soubesse que há anos seu povo vem sofrendo muito mais do que ele, atingido por balas de uma Kalashnikov".

Attanasio, identificava-se com o sofrimento dos outros

Quando Luca Attanasio foi assassinado a tiros no comboio humanitário do Programa Mundial de Alimentação com destino à cidade congolesa de Rutshuru, sua vida estava envolvida em inúmeros projetos de apoio social em colaboração com a Comunidade de Santo Egidio e ele nunca perdeu uma oportunidade de empregar qualquer esforço para tentar a pacificação nacional. Aqui está outro ponto forte de contato com o Padre Carlassare: a identificação com os sofrimentos dos outros.

Apoio sem limites

Padre Eliseo Tacchella, conhecia também o embaixador Luca. "Escrevemo-nos várias vezes, porque ele queria notícias sobre o Congo quando chegou ao país. O que Luca e Christian têm em comum é a vontade de fazer o bem, o desejo de criar unidade. Se tínhamos algum problema, pedíamos para ele e logo estava resolvido. Até as irmãs combonianas, que ele visitava regularmente, viam em Luca um apoio, um respaldo". A mesma atitude que o padre Tacchella vê agora em Carlassare: "Christian é um homem de paz, o pastor que quer a reconciliação".

O preço da verdade

Pessoas que, no entanto, incomodam. Ao ponto de serem alvo, com tentativas de eliminá-las. "Por que isso acontece? Pergunta-se o Padre Tacchella - encontro uma resposta em Jesus crucificado. Aquele que faz milagres, que faz o bem a todos, é colocado na cruz porque quebra os interesses egoístas de algumas pessoas. Portanto, o comportamento de Luca e Christian incomoda porque traz à tona coisas que se gostaria de manter escondidas".

30 abril 2021, 09:19