Busca

Vatican News
Assembleia Geral virtual dos bispos do Brasil Assembleia Geral virtual dos bispos do Brasil 

58ª Assembleia Geral: Igreja, “presença de Jesus no momento da solidariedade e da caridade”

Na coletiva de imprensa desta quinta-feira à tarde o tema da pandemia e da Ação Solidária Emergencial “É Tempo de Cuidar”.

Silvonei José, Padre Modino -Vatican News

Conclui-se nesta sexta-feira, dia 16 de abril, os trabalhos da 58ª Assembleia Geral da CNBB que tiveram início na segunda-feira, dia 12, de modo virtual. O tema central do encontro foi a Palavra de Deus, seguindo a proposta das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Além disso, os bispos aprofundaram mais de 30 outros assuntos previstos nos estatutos sobre a vida da Igreja e a evangelização no Brasil. Seguindo os estatutos da CNBB, essa foi uma Assembleia sem votações que impliquem alterações ou consequências de natureza legislativa para a Conferência. Só ocorreram votações de natureza pastoral.

Ouça e compartilhe

E a pandemia no país foi um dos temas da coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, realizada como nos dias passados de modo virtual. 

A pandemia da Covid-19 está tendo consequências muitos graves para o Brasil. Os números oficiais dizem que já são mais de 13,6 milhões de casos e mais de 362 mil falecidos. Trata-se de um momento complicado, que segundo o Papa Francisco, em sua mensagem ao povo brasileiro, através dos seus bispos, reunidos na 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, “este amado país enfrenta uma das provações mais difíceis da sua história".

A pandemia no Brasil tem atingido a todos, “não ter sido contaminado, não significa estar ileso, porque de uma ou outra forma todos nós já fomos afetados profundamente”, disse dom Joaquim Mol na coletiva de imprensa desta quinta-feira. O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB vê o momento atual como “um grande drama”. Isso tem despertado inúmeras mostras de solidariedade da parte da Igreja católica no Brasil, que vê como o desemprego vai aumentando, as pessoas vão se empobrecendo cada vez mais.

Nesse contexto, a Igreja, renovando seu compromisso com a pessoa humana e a defesa da vida, tem ficado do lado daqueles que sofrem as consequências sociais da pandemia. Tem sido muitas as iniciativas de socorro às pessoas. Há um ano atrás, a Igreja brasileira lançou a Ação Solidária Emergencial “É Tempo de Cuidar”, que no último domingo entrou na sua segunda fase.

Uma das cidades mais atingidas pela pandemia da Covid-19 no mundo tem sido Manaus, onde já faleceram, segundo números oficiais, quase 4.000 pessoas por milhão de habitantes. O último ano foi um tempo extremamente difícil, segundo dom Leonardo Steiner, que relatou os fatos acontecidos numa arquidiocese onde ele chegou poucas semanas antes do início da pandemia, um lugar onde ele disse gostar muito de estar, mas que a pandemia não o deixou conhecer.

Na primeira onda existiu muita falta de informação por parte do poder público, o que motivou que o povo não levasse a sério a gravidade da situação. Neste tempo muitas pessoas morreram em casa, diante da falta de leitos hospitalares. Mas o momento mais grave foi vivido na segunda onda, onde a falta de oxigênio se tornou notícia mundial. Dom Leonardo lembrou do vídeo gravado no dia 15 de janeiro, que viralizou nas redes sociais, ultrapassando as fronteiras do Brasil, onde o arcebispo implorava, “pelo amor de Deus, nos enviem oxigênio”.

A Campanha da Arquidiocese e do Regional Norte 1 da CNBB tornou possível uma corrente de solidariedade que fez chegar ao Estado do Amazonas, grande quantidade de cilindros de oxigênio, BIPAPS, concentradores, mini ursinas, cestas básicas, tendo a possibilidade de ajudar mais de 80 mil pessoas. Foram ajudas que chegaram do Brasil e do exterior, muitas vezes do óbolo da viúva. Isso tornou possível que a Igreja de Manaus chegasse a muitas comunidades indígenas, acompanhasse o povo da rua, a quem ainda hoje distribui 300 quentinhas por dia, os migrantes, os catadores, dando assim um grande testemunho de caridade, de solidariedade, escuta, sem importar a religião, afirmou dom Leonardo.

No outro extremo do país, em Florianópolis, a primeira onda, segundo seu arcebispo, não teve efeitos muito graves, especialmente no interior do Estado de Santa Catarina. As consequências mais graves chegaram com a segunda onda, que triplicou o número de contágios e óbitos. Isso mostrou, segundo dom Wilson Tadeu Jönck, a precariedade do sistema de saúde. O arcebispo também destacou o envolvimento da Igreja diante da pandemia, indo ao encontro dos necessitados, querendo se irmanar com todas as situações de dor. Ele destacou a grande solidariedade do povo e o trabalho da ação social e da Caritas.

A Ação Solidária Emergencial “É Tempo de Cuidar”, iniciada no Domingo de Páscoa, 12 de abril de 2020 é “uma página Pascal”, segundo dom Mário Antônio da Silva. O presidente da Caritas Brasileira destacou que essa Ação quer “ouvir o clamor das famílias necessitadas, o clamor das famílias que não tem alimento, que não tem trabalho, que não tem moradia boa, o clamor das famílias que estão em luto, que estão em pranto, que estão em sofrimento, que estão com seus pacientes nos hospitais”. Deseja-se socorrer as pessoas vulneráveis, moradores de rua, desempregados, migrantes.

São pessoas que, como afirmam os números, tem sido atendidas através das comunidades, dioceses, paróquias, Caritas... Uma ação conjunta de toda a Igreja do Brasil, que também deve contar com o apoio dos jornalistas, como pediu o segundo vice-presidente da CNBB àqueles que acompanhavam a coletiva de imprensa. Ele lembrou que em 2021 a Ação Solidária Emergencial quer ajudar no enfrentamento da fome, num país onde 15% das famílias do Norte e Nordeste passam fome, 6% no Sul e Sudeste. Dom Mário enfatizou que “a fome mata, a fome doe”.

No agir da Igreja do Brasil neste tempo de pandemia, afirmou dom Leonardo Steiner, tem estado presente o incentivo da Leitura da Palavra de Deus, o incentivo da oração do Terço, a presença nos cemitérios, a plantação de árvores no Dia dos Finados, a Escuta das pessoas através do telefone, as cestas básicas. Trata-se de mostrar “a presença de Jesus, que não aparece somente no momento celebrativo, mas também no momento da solidariedade e da caridade”, segundo o arcebispo de Manaus.

O respeito e reconhecimento aos dados da ciência tem pautado a Ação Solidária da Igreja no Brasil, segundo dom Mário Antônio. Junto com isso, a Ação tem procurado despertar nas pessoas a necessidade de cuidados, importantíssimos e indispensáveis para evitar a expansão do vírus. O presidente da Caritas pediu que os políticos eleitos “se empenhem de braços abertos, à luz da ciência, no reconhecimento daquilo que é eficaz e funciona para o bem da população”.

Junto com isso, o Brasil enfrenta o problema do negacionismo, que faz parte da polaridade cada vez mais presente na sociedade e que não ajuda ninguém, segundo dom Wilson Tadeu Jönck. Diante disso, o arcebispo de Florianópolis fez um chamado à Igreja para que “procure esclarecer quanto é possível e sobretudo levar a sério que essa doença não é de brincadeira, devemos levar a sério e procurar nos proteger”. Ele refletiu que “estamos todos nesse barco e aquilo que está acontecendo e é preciso fazer, é tarefa de todos nós”.

Os políticos eleitos não tem se envolvido suficientemente no combate da pandemia, segundo Dom Leonardo. Ele ressaltou que em Manaus, “o diálogo com o Governo Federal e o Governo Estadual, foi muito difícil”, insistindo em que “eu não sei se a gente poderia chamar de diálogo”, algo que melhorou na segunda onda da pandemia. Mesmo assim, “esse diálogo não flui, porque nós sempre precisamos estar ao lado das pessoas mais necessitadas”, e isso é algo que nem sempre é assumido pelo poder público.

Na pandemia “as pessoas se aproveitaram para ter mais garimpo nas terras indígenas, mais madeira retirada”, segundo o arcebispo de Manaus. A Igreja do Regional Norte 1 tem procurado estar ao lado dos povos indígenas, mesmo sabendo que é um tempo muito difícil para acolher as reivindicações. Dom Leonardo pediu para “fazer um movimento no Brasil inteiro, a começar na Amazônia”, em defesa da floresta e das águas, do saneamento básico nas grandes cidades. Ele destacou a união muito grande que existe entre os bispos do Regional Norte 1, algo que apareceu na segunda onda da pandemia, onde o trabalho solidário foi feito em comunhão com todos, o que mostra o trabalho em conjunto como Igreja.

O tempo de pandemia também tem sido um tempo de sofrimento para muitos padres, seis bispos e muitos sacerdotes faleceram, o que demanda um cuidado dos bispos e do clero em cada diocese, segundo dom Mário Antônio. Nesse sentido, dom Leonardo lembrou que, durante a pandemia, três bispos brasileiros receberam telefonemas do Papa Francisco, algo que ele define como “consolador”, e que provocou “depois disso, que um bom número de bispos começou a ligar para seus padres e diáconos”, o que ele vê como um apoio de fraternidade, e que desde sua experiência vê como algo que tem provocado um sentimento de gratidão nos padres.

16 abril 2021, 10:36