Busca

Vatican News
Protestos contra o governo no Haiti Protestos contra o governo no Haiti  (ANSA)

Religiosos haitianos relançam alarme dos bispos: o país está morrendo

Segundo a Conferência de Religiosos e Religiosas Haitianos “o país está morrendo, a população está sob o jugo, a insegurança é galopante, os mais pobres não podem mais suportar, a população está em desordem e à beira do desespero, o país não é mais governado”.

Vatican News

Há pouco mais de um mês do alarme lançado pelos bispos haitianos sobre a situação "explosiva" e insustentável que vive o país, a Conferência de Religiosos e Religiosas Haitianos (CHR) lança uma dura acusação contra o presidente Jovenel Moïse, ainda firmemente no poder, apesar da sociedade civil haitiana pedir sua renúncia há algum tempo, após os escândalos e episódios de corrupção, e a expiração de seu mandato.

Ouça a reportagem

Moïse, que queria iniciar uma contestada reforma da Constituição, governa há mais de um ano por decreto, porque não há parlamento e as eleições legislativas, originalmente previstas para janeiro de 2020, foram adiadas para setembro próximo, junto com as eleições presidenciais. Ao mesmo tempo, a população haitiana, já atingida pela pobreza e pela doença, vê seu futuro cada vez mais incerto, agora ameaçado pela Covid-19: 60% da população vive abaixo da linha da pobreza, a inflação é muito alta e há falta de alimentos e combustível. Além disso, existe a violência perpetrada pelos esquadrões da morte que semeiam terror por toda parte num contexto de "impunidade quase total", conforme denunciado pelos próprios bispos em sua carta pastoral de 2 de fevereiro.  No Haiti, de fato, a insegurança e os sequestros estão na ordem do dia. Ninguém é poupado, criando assim um medo generalizado entre a população.

De acordo com os religiosos e religiosas haitianos, um mês depois, o "quadro sombrio" descrito pelos bispos continua se tornando cada vez mais obscuro: "Nenhuma decisão séria foi tomada para aliviar o sofrimento das pessoas ou para protegê-las de agressões", é a denúncia contida numa carta aberta dirigida a Moïse. "A única coisa que parece importar é cumprir o seu mandato a todo custo, desafiando as exigências legítimas de todo um povo", escrevem eles. "De que adianta se agarrar ao poder mesmo de forma ilegítima ou ilegal, quando mais da metade de sua população vive em condições de insegurança alimentar crônica? Por que querer a todo custo estender ou revogar um semblante de um mandato sem poder garantir a segurança da vida e da propriedade, a livre circulação das pessoas? De que serve um presidente ou um governo incapaz de parar o trem da morte que semeia o luto diário entre a população"?

Recordando o convite para mudar o país lançado por São João Paulo II por ocasião de sua viagem apostólica ao Haiti em 1983, os religiosos haitianos lamentam que 38 anos depois a mudança tomou um rumo pior: "O país - escrevem - está morrendo, a população está sob o jugo, a insegurança é galopante, os mais pobres não podem mais suportar, a população está em desordem e à beira do desespero, o país não é mais governado. Somos testemunhas e vítimas de demasiados crimes, demasiadas injustiças e desigualdades". "Uma descida ao inferno", cuja responsabilidade recai inteiramente sobre o presidente Moïse que "tem o dever de dar respostas rápidas e concretas às exigências do povo, começando pelo respeito às leis do país", conclui a carta.

Vatican News Service - LZ/MJ

10 março 2021, 08:00