Busca

Vatican News
O cuidado com os idosos na pandemia O cuidado com os idosos na pandemia 

Pandemia: o cuidado com os nossos idosos

Com a Pandemia e o isolamento social os idosos foram afetados. E neste tempo de cuidado o bispo diocesano de Campos (RJ), dom Roberto Francisco Ferreria Paz envia mensagens parabenizando idosos por ocasião de aniversários e em ocasiões especiais. Uma forma de chegar até os idosos onde estão e como estão, inspirado na mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações.

Ricardo Gomes – Diocese de Campos

Com a Pandemia os idosos estão nas suas casas. Receber uma mensagem de otimismo no dia do aniversário é um exemplo de cuidado: esta a ação do bispo Diocesano de Campos (RJ), Dom Roberto Francisco Ferreria Paz. Uma palavra de conforto diante do isolamento social. Dom Roberto ressalta a necessidade do cuidado e a importância do testemunho de vida.

Eny da Conceição recorda a visita de dom Roberto Francisco em sua residência antes da Pandemia e a mensagem que recebeu em seu aniversário natalício. Confessa a emoção e a força de receber uma benção do bispo. Alegria e emoção foram marcantes em sua vida. Cercada pela filha e netos a anciã destaca a importância do gesto de cuidado.

Edith de Souza Machado recebeu a visita de dom Roberto Francisco no ano passado antes da pandemia e já em isolamento social a mensagem no dia de seu aniversário. Ela conta a emoção das palavras de conforto e de bênção. Aos 88 anos dedica o seu dia à oração. E mesmo neste tempo de pandemia tem o carinho da filha, neta e bisneto com todos os cuidados sanitários.

“Foi uma alegria e uma emoção quando recebi na minha casa dom Roberto. Falei que o que me sustentava era a oração. Acordo cedo e já começo meu dia rezando o terço. Com esse tempo tão difícil me resta acompanhar as missas pela televisão e agradecer a Deus por cada dia. E como fiquei feliz ao receber no meu aniversário um áudio me parabenizando. Nosso querido pastor me dando força e coragem para lutar”, conta ela.

O cuidado com os nossos idosos
O cuidado com os nossos idosos

Idosos: a necessidade de cuidados

“É preciso derrubar mitos, o idoso não é um ser passivo ou inativo, pode contribuir em muito a mudar a sociedade que perdeu a noção dos limites e dos valores, acrescentando a questão do sentido e o sabor das coisas. O idoso pode advertir-nos com Santo Agostinho: "Corres muito, sim, mas fora dos trilhos". Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – bispo diocesano de Campos (RJ)

Com a pandemia do Covid 19 foi revelada a fragilidade dos idosos e a necessidade de cuidado. As famílias devem ter além do cuidado, muito carinho. Sem os idosos a história acaba perdendo relevantes experiências que são comunicadas às novas gerações. Ivonete de Souza Machado destaca a importância do cuidado com a mãe com 88 anos debilitada e exigindo um acompanhamento da família.

“Como filha faço o que posso para ajudar a prolongar a vida de minha mãe. Cuidados e muito carinho nesta fase da vida dela diante das debilidades físicas. Todos os dias procuro estar com ela para ajudar nas suas limitações, e agradecer a Deus pela vida longa, afinal chegar aos 88 anos é uma benção de Deus”, afirma Ivonete.

- O idoso é um cidadão que nos ajuda a descobrir a memória viva das instituições, famílias e prédios, descortinando para nós o encanto da história desconhecida e da singularidade dos momentos que passam e passaram. Para a Igreja eles representam um capital humano precioso, que nos edifica e santifica encorajando-nos sempre a investir na fidelidade, lealdade e amor nos vínculos e no serviço a Deus. - Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – bispo diocesano de Campos (RJ)

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz

Apresentam o sentido da Vida

Uma sociedade para todas as idades, todas as gerações.” Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – bispo diocesano de Campos (RJ)

O bispo diocesano de Campos destaca que os idosos têm o ritmo e o sabor da vida. Nas suas narrativas mostram como é importante viver o momento e nunca apressar demais e vivê-la em profundidade. Os idosos têm raízes e nesta sociedade atual se cultiva o efêmero, o passageiro.

“Com os idosos aprendemos que existem coisas permanentes com substancias e viver mais leves com menos coisas e precisamos do antidoto do consumismo que são os valores e de um estilo de vida com os pés no chão e com os olhos para o céu e para o mistério da vida. Tudo isso aprendemos em contato, em dialogo com os idosos que são os mestres de vida, mestres do tempo. A sabedoria é aprender a contar nossos dias. Evidente que muitos jovens são sábios e nos ensinam a importância da utopia e que cada época é diferente e temos de estar abertos aos sinais do presente e uma grande riqueza poder compartilhar numa mesma casa varias idades”. 

20 março 2021, 09:47