Busca

Vatican News

Alguns dados sobre a Igreja no Iraque e em Bagdá

Antes da segunda Guerra do Golfo, existiam no Iraque entre 1 e 1,4 milhão (6% da população). Desde então, sua presença reduziu drasticamente até, de acordo com as estimativas mais recentes, para 300-400 mil, segundo dados da Ajuda à Igreja que Sofre.

Vatican News

Segundo dados do Escritório Central de Estatística da Igreja, os católicos no Iraque são 590 mil, em uma população total de 38.836.000, ou seja, cerca de 1,5 % da população.

As Circunscrições eclesiásticas são 17, com 122 paróquias e 12 centros pastorais. Os bispos no país são 19, os sacerdotes diocesanos 113 e os sacerdotes religiosos 40, os diáconos permanentes são 20, os religiosos não sacerdotes 8, as religiosas professas 365, os missionários leigos 4, as catequistas 632.Há 32 seminaristas maiores 32

Os 69 Centros de educação de propriedade e/ou dirigidos por eclesiásticos ou religiosos acolhem 6.612 estudantes. A Igreja no país também administra 35 centros caritativos e sociais.

Arquieparquia de Bagdá dos Caldeus

 

A Arquieparquia de Bagdá Caldeus é a sede metropolitana e eparquia própria do Patriarca da Babilônia dos Caldeus. Tem 200.000 católicos; 15 paróquias; 15 padres diocesanos (2 ordenados no ano passado); 1 sacerdote diocesano regular; 3 diáconos permanentes; 12 seminaristas nos cursos de Filosofia e Teologia; 1 membro de instituto religioso masculino; 114 membros de institutos religiosos femininos; 12 institutos de Educação; 1 instituição de beneficência; 108 batismos no ano passado.

 

O arquieparca metropolita de Bagdá dos Caldeus é o cardeal Louis Raphaël Sako, nascido em Zakho em 4 de julho de 1948; ordenado sacerdote em 1 ° de junho de 1974; eleito Kerkuk dos caldeus em 27 de setembro de 2003; consagrado em 14 de novembro de 2003; eleito Patriarca da Babilônia dos Caldeus em 31 de janeiro de 2013. Bento XVI concedeu-lhe a “ecclesiastica communio” em 1º de fevereiro de 2013. O Papa Francisco o criou cardeal no Consistório de 28 de junho de 2018.

Arquidiocese de Bagdá dos Latinos

 

A Arquidiocese de Bagdá foi criada em 6 de setembro de 1632. Tem 300.000 católicos; 3 paróquias; 1 sacerdote diocesano; 11 sacerdotes regulares diocesanos; 1 seminarista nos cursos de Filosofia e Teologia; 11 membros de institutos religiosos masculinos; 132 membros de institutos religiosos femininos; 9 institutos de Educação; 6 instituições de beneficência; 7 batismos no ano passado.

O arcebispo de Bagdá dos Latinos é Dom Jean Benjamin Sleiman, O.C.D., nascido em Ghalboun, Eparquia de Jbeil dos Maronitas, em 30 de junho de 1946; ordenado sacerdote em 8 de dezembro de 1973; eleito em 29 de novembro de 2000; consagrado em 20 de janeiro de 2001.

Arquieparquia de Bagdá dos Sírios

 

A Arquieparquia de Bagdá dos Sírios foi criada em 28 de setembro de 1862, tem 4.000 católicos; 3 paróquias; 4 sacerdotes diocesanos; 1 seminarista dos cursos filosóficos e teológicos; 2 institutos educacionais; 1 instituição de beneficência; 23 batismos no ano passado

O arquieparca de Bagdá dos Sírios é Dom Ephrem Yousif Mansoor Abba, nascido em Qaraqosh, Archieparquia de Mosul dos Sírios, em 18 de junho de 1951; foi ordenado sacerdote em 30 de junho de 1978; eleito em 26 de junho de 2010; consagrado em 16 de abril de 2011.

Arquieparquia de Bagdá dos Armênios

 

A Arquieparquia de Bagdá dos Armênios foi criada em 29 de junho de 1954, tem 500 católicos; 2 paróquias; 1 igreja; 2 sacerdotes diocesanos; 1 seminarista nos cursos de Filosofia e Teologia; 2 membros de institutos religiosos masculinos; 1 instituição de ensino; 1 instituição de beneficência; 5 batismos no ano passado.

O Administrador Apostólico da Arquieparquia dos Armênios de Bagdá (sede vacante) é o Rev.do Nersès (Joseph) Zabbara, nascido em Aleppo (Síria) em 6 de junho 1969; ordenado sacerdote em 31 de outubro de 1999; nomeado Administrador Eparquial da Arquieparquia de Bagdá em 2016 e Administrador Apostólico "sede vacante” da Arquieparquia de Bagdá dos Armênios.

Assembleia dos Bispos Católicos do Iraque

 

A Assembleia dos Bispos Católicos do Iraque reúne os Bispos da Igreja Caldeia (5 Arquieparquias - das quais a de Bagdá é própria do Patriarca - e 4 Eparquias sufragâneas), da Igreja Sírio-Católica (duas Arquieparquias, uma Eparquia e um Exarcado patriarcal); da Igreja Armênio-Católica (Arquieparquia de Bagdá dos Armênios), da Igreja Melquita (chefiada pelo Exarcado Patriarcal do Iraque) e da Igreja Latina (Arquidiocese de Bagdá dos Latinos). A Assembleia é presidida pelo cardeal Louis Raphaël Sako, Patriarca da Babilônia dos Caldeus. O arcebispo de Bagdá dos Latinos também é membro da Conferência dos Bispos Latinos das Regiões árabes.

Conferência dos Bispos Latinos para a Região Árabe

 

A Conferência dos Bispos Latinos para a Região Árabe foi instituída no dia 31 março de 1967 e seus Estatutos aprovados em 23 de agosto de 1989. Reúne os bispos de 9 Circunscrições Eclesiásticas da região, todas imediatamente submetidas à Santa Sé.

São elas: o Patriarcado de Jerusalém dos Latinos (Israel, Territórios Autônomos Palestinos, Jordânia e Chipre); o Vicariato Apostólico de Alexandria, Heliópolis e Port-Said dos Latinos (Egito); o Vicariato Apostólico Latino de Beirute (Líbano); o Vicariato Apostólico de Aleppo dos Latinos (Síria), a Arquidiocese de Bagdá dos Latinos (Iraque); o Vicariato Apostólico da Arábia Meridional (Emirados Árabes Unidos, Omã e Iêmen); o Vicariato Apostólico da Arábia Setentrional (Catar, Bahrein, Kuwait e Arábia Saudita); a Diocese de Djibouti e a Diocese de Mogadíscio (Somália).

O rito assírio-caldeu

 

A relação entre as três famílias litúrgicas siríacas - assírio-caldeia, siro-antioqueno, siro-maronita - é complexa. Três centros litúrgicos principais tiveram maior influência na formação desses ritos: Antioquia, Jerusalém e Edessa. Destes, apenas Edessa era o centro da língua e cultura siríaca; as outras duas eram cidades gregas, embora tivessem uma minoria de língua siríaca.

O rito da Mesopotâmia, que constitui o atual rito assírio-caldeu, é siríaco e suas origens provavelmente remontam a Edessa. Usado hoje por membros da Igreja do Oriente, que se autodenominam assírios, pelos caldeus e pelos católicos malabares, o rito corresponde aos antigos usos da Igreja da Mesopotâmica do Império Persa, que tinha seu centro eclesiástico no Catolicato de Selêucia-Ctesifonte, no rio Tigre, cerca de cinquenta quilômetros ao sul de Bagdá, no atual Iraque.

Sabe-se muito pouco sobre a primeira formação do rito assírio-caldeu, embora este ainda contenha composições atribuídas aos antigos Padres siríacos, como Efrém († 373) e seu contemporâneo Tiago, bispo de Nisibi, o Catholicos Simeão bar Sabba'ê († ca. 341-344), Marutha de Maipherkat († ca.420) e Narsai († 502).

O arranjo litúrgico da igreja, com o bema (nas Igrejas cristãs, sobretudo do Oriente, chama-se bema ao ambão ou à tribuna situada a meio da nave da igreja, da qual se proclama a Palavra) no centro da nave para a liturgia da Palavra, a antiga anáfora dos apóstolos Addai e Mari, e os ritos litúrgicos como o canto "Laku Mara" ("A ti, Senhor") e seu acervo, até agora conservam um caráter de rara antiguidade. A Liturgia assírio-caldeia das Horas, como a armênia, permaneceu em grande parte "catedral". Embora o Ofício de hoje tenha traços de influência monástica, as três horas da manhã "catedral”, as vésperas e da vigília festiva festiva "catedral", mantiveram íntegra a sua pureza original.

05 março 2021, 09:27