Busca

Vatican News
Dom Leonardo Steiner Dom Leonardo Steiner 

Dom Leonardo Steiner: a economia de mercado não tem coração

A Economia de Francisco: no sábado, 27 de fevereiro, foi convocado o 1º Encontro regional da Amazônia Legal para refletir sobre essa questão.

Padre Modino - Manaus

A Economia de Francisco e Clara é um chamado do Papa Francisco a repensar o atual sistema econômico, a mudar a economia atual e atribuir uma alma à economia do amanhã. Isso tem repercussões em todos os cantos do Planeta, também na Amazônia. É por isso, que no sábado, 27 de fevereiro, foi convocado o 1º Encontro regional da Amazônia Legal para refletir sobre essa questão.

Estamos diante de uma economia de morte, segundo Eduardo Brasileiro, que apresentou a economia de Francisco e Clara como “uma ligação entre instituições, conectando pontos de luta, de resistência, de alternativas para este mundo”. Segundo o sociólogo, existe “a necessidade de buscar, de integrar tudo o que está sendo proposto em diversos âmbitos, em práticas, a necessidade de olhar para lugares de inspiração”. Estamos diante da oportunidade de buscar novos modelos de economia, de educação, de busca por terra, teto e trabalho, feito desde uma integralidade.

Segundo Brasileiro, Assis deve ser entendido “como lugar que mostra que podem ser corrigidos os caminhos que estamos tomando”, e Francisco e Clara deverm ser vistos “como exemplos de fraternidade, que superam a economia da desigualdade, da injustiça”. Ao levar para a Amazônia a Economia de Francisco e Clara, Eduardo, que faz parte da Articulação Brasileira, insiste em fazê-lo “a partir de seus povos, da cidadania e da florestania”. Ele propõe uma mudança de lógica, “uma lógica da economia solidária frente à lógica do mercado, do capital financeiro”, colocando alguns exemplos que mostram que isso é possível.

Eduardo Brasileiro
Eduardo Brasileiro

Isso tem que nos levar a superar a necropolítica e assumir uma política que muda a sociabilidade, a assumir o modelo de distribuição que o Papa Francisco fala, que hoje está marcado pela desigualdade que agride a mãe Terra e os mais pobres. Também somos desafiados a assumir que somos interdependentes e terradependentes. Eduardo também refletiu sobre a espiritualidade econômica, sobre uma economia voltada para a vida, afirmando que “a economia tem que começar na partilha do pão”.

Dom Leonardo Steiner, arcebispo de Manaus, começou afirmando a necessidade de “retomar a economia dos povos originários, que não é desde o lucro e sim desde a relação, porque é partilha, é cuidado”. O desafio é uma economia a serviço de todos, “uma economia que tem a ver com fraternidade”. Segundo o arcebispo de Manaus, “vivemos hoje uma injustiça econômica, a desestruturação das relações por causa de economia”, afirmando que nos encontramos numa “verdadeira desfraternidade”.  Ele fez um chamado a “permanecer na escuta da realidade a partir do sentido de ser pessoa”, enfatizando que “estamos falando de uma economia de pessoas, não de objetos, estamos falando de imagem e semelhança de Deus”.

Falar de economia, segundo o arcebispo de Manaus, é falar de “ser casa, que é o que abriga, aquilo que se faz necessário para o cuidado e o cultivo da nossa casa comum”, que ele não entende como estrutura e sim “as relações que estabelecem com todos os seres”. Dom Leonardo fez uma análise da etimologia da palavra economia, insistindo na dimensão dos indivíduos que convivem e das relações que cuidam da distribuição, não só das coisas, também do cuidado das diferentes questões que fazem parte da vida. Segundo o arcebispo, “a economia expressa um modo de ser nós”, que nos leva ao cuidado da totalidade das pessoas e do seu mundo.

O Papa Francisco pretende, segundo dom Leonardo, mostrar “o valor da economia na deseconomia em que vivemos”, superando o modo de entendermos hoje a economia como mercado, como lucro, insistindo na necessidade de “retornarmos ao modo de ser do homem, que é cuidar”. Para o arcebispo de Manaus, “discutir a economia significa pensar a nós mesmo, na nossa humanidade, para não nos tornarmos desumanos”, uma questão importante hoje, em que “a economia, ela não é mais humana, ela é do mercado, e o mercado não tem coração”.

O arcebispo de Manaus, que é franciscano, refletiu sobre a forma de entender a vida de Francisco e Clara, que guiaram sua vida pela gratuidade, que indica não troca, não cálculo. Em relação à Amazônia, ele refletiu sobre a cobiça que existe sobre tudo o que a Amazônia contém, enfatizando que “tudo isso tira a gratuidade da Amazônia e a gratuidade dos povos originários”. Segundo dom Leonardo, “da gratuidade nasce a fraternidade”, realizando uma igualdade que não seja puro nivelamento e uniformização. “Em Francisco e Clara tudo é irmão e irmã, permanecendo na sua diferença de ser”, afirma o arcebispo.

Dom Leonardo se perguntou por que há tanto pobre no mundo hoje, e ele mesmo respondeu dizendo: “porque não há misericórdia, porque a economia deixou de ser economia no seu sentido etimológico”. O arcebispo afirmou que “a força histórica do cristianismo não vem do poder, mas sim da autoridade do não poder, do amor, dos pobres”. Nesse sentido, se questionou se não estamos traindo o Evangelho quanto à questão econômica, “porque elegemos o poder e a força como nossa autoridade, e não o cuidado”.

Ao falar de “Querida Amazônia”, dom Leonardo disse que nela “o Papa Francisco nos oferece um novo horizonte para a economia na Amazônia”, nos apresentando a “economia como cuidar da casa comum”. Segundo ele, “os quatro sonhos são quatro dimensões que nos oferecem a totalidade do modo de ser de quem vive na Amazônia”, que nos ajuda a nos darmos conta da importância de tudo e de todos. Cada uma das dimensões está mostrando a totalidade, o que somos como pessoas e a casa que nos deixa ser pessoas. Na Amazônia somos tomados pela admiração e pelo cuidado, insistindo em que “enquanto não mudar para a admiração e o cuidado, só se vê lucro”.

Por isso se faz necessário deixar de lado a dominação, a destruição, o lucro, o mercado, a escravidão, a expulsão e a morte. A economia baseada no mercado, não vê as belezas da Amazônia e dos povos que nela habitam, “é uma economia que mata”, enfatiza dom Leonardo Steiner, e “a economia que temos hoje em relação à Amazônia mata, perdemos a totalidade, vamos perdendo tudo, vamos perdendo nossa morada, a nossa moradia, estamos entrando no deserto”. A “Querida Amazônia”, segundo ele, “pode nos ajudar a despertar e perceber a necessidade urgente de mudar a nossa concepção de economia”, algo que já aparece na “Laudato si”, onde nos convida não a dominar e sim a assumir a responsabilidade, ainda mais tendo em conta que nós somos destruidores.

Márcia Oliveira
Márcia Oliveira

Ao falar sobre possíveis caminhos em prol de fortalecer essa nova economia na Amazônia, Márcia Oliveira partiu da importância da proposta do Papa Francisco que busca uma economia “mais justa, mais sustentável, assegurando uma preeminência para as populações excluídas”. Segundo a socióloga, o tema tem suas raízes na Sagrada Escritura, algo que é recolhido pelo Vaticano II e retomado pelo Papa Francisco na “Laudato si”, que faz a proposta da “ecologia integral como projeto de sociedade pensada a partir da casa comum”, tendo como referência os conceitos de sobriedade, simplicidade e bem viver, algo que leva a “repensar os paradigmas da sociedade capitalista e propor novos modelos”.

Na Amazônia, tudo isso foi assumido e levado à prática no Sínodo para a Amazônia, instaurando no processo sinodal, um modo de “pensar uma Igreja a partir de uma ecologia integral”. Marcia Oliveira que foi perita sinodal, destacou a importância do momento de escuta, que atingiu oficialmente 87 mil pessoas. Tudo isso foi recolhido no Documento Final do Sínodo, onde se afirma que “é necessário buscar modelos econômicos alternativos, mais sustentáveis, amigáveis à natureza, com ‘sólido sustento espiritual’”. Também na “Querida Amazônia”, onde o Papa Francisco afirma que “libertar os outros das escravidões implica certamente cuidar do seu meio ambiente e defende-lo”, destacando como “o Senhor, que primeiro cuida de nós, ensina-nos a cuidar dos nossos irmãos e irmãs e do ambiente que Ele nos dá de presente cada dia”.

Estamos, com a Economia de Francisco e Clara, segundo Márcia Oliveira, diante de um processo que “confia aos jovens o protagonismo de uma transformação necessária e urgente nos paradigmas da humanidade. Trata-se de uma verdadeira revolução, não uma mera reforma”. Segundo a socióloga, “o Papa Francisco confia aos jovens a tarefa de mudar radicalmente os rumos da humanidade”. Ela também destacou o trabalho que a Cáritas Brasileira tem feito no campo da Economia Solidária e de Convivência com a Amazônia, elementos que apontam caminhos para a Economia de Francisco e Clara”.

Nesses novos caminhos, Luis Fernando Novoa Garzon abordou a necessidade de aprender com os povos tradicionais o que é a reciprocidade com os outros seres. Isso é algo que, segundo o professor da Universidade Federal de Rondônia, “se traduz no cotidiano num permanente entendimento”. Ele insistiu na importância de conhecer a mitologia dos povos originários, algo que ajuda a entender que existe uma vinculação comum entre todos os seres.

01 março 2021, 14:03