Busca

Vatican News

Missões Jesuíticas, a realização de uma grande utopia

"Eu sou um defensor absoluto da ação jesuítica. Acho que eles foram fundamentais para a América, que nós conhecemos hoje. Eles foram defensores dos guaranis, das suas liberdades, das suas ações (...). Quando Montesquieu chama de “primeiro Estado industrial da América”, é porque de fato eles conseguiram (...) a primeira fundição de aço da América", disse ao Vatican News, o pesquisador gaúcho José Roberto de Oliveira.

Jackson Erpen – Vatican News

O Rio Grande do Sul abriga o único Patrimônio Mundial da UNESCO do sul do país, a Igreja de São Miguel Arcanjo, localizada no município de São Miguel das Missões.

Até o Tratado de Madri, assinado em 13 de janeiro de 1750, a região onde hoje se encontra o Rio Grande do Sul - e na época os Sete Povos das Missões - pertencia à Coroa espanhola, que  com a permuta da Colônia do Sacramento, no Uruguai, passou à Coroa portuguesa.

A Redução jesuítica de São Miguel fazia parte de um amplo projeto iniciado ainda em 1609, com a primeira redução, San Ignácio Guazú, onde hoje é o Paraguai.

Um grande grupo de pesquisadores vem trabalhando já há alguns anos para reconstruir em detalhes essa rica história, também marcada por dicotomias. E à medida que as pesquisas avançam, descobrem o quanto ainda tem a ser descoberto em todo esse processo.

Esse grande “projeto de fraternidade” protagonizado pelos jesuítas com os guaranis, foi considerado como a realização de uma grande utopia, inspirando escritores como Voltaire, Charles Montesquieu, Ludovico Antonio Muratori, Charlevau, entre outros. Segundo o pesquisador e escritor José Roberto de Oliveira*, “os próprios Jesuítas chegaram a dizer que foi a verdadeira realização do cristianismo”.

Para o pesquisador de Santo Ângelo, é importante conhecer a história, também para compreender "a formação dos povos posteriores e que hoje correspondem aos pobres dessa macrorregião, não só da parte brasileira, mas também da argentina, paraguaia". 

E neste caminho de juntar as pedras para recompor o mosaico do passado, José Roberto realizou nesses dias um antigo sonho, ao percorrer locais que guardam verdadeiros tesouros ainda desconhecidos para muitos, como inscrições rupestres de milhares de anos, capelas e uma magnífica imagem de São Martinho. “São achados que nós estamos fazendo, exatamente recompondo essa história reconhecida mundialmente”, declarou ele na entrevista ao Vatican News:

Ouça a entrevista!

“Inicialmente eu saí de Santo Ângelo, aqui onde eu vivo, aqui ao lado da Catedral, aqui em Santo Ângelo, saí até São Miguel, e em São Miguel, onde é o Patrimônio Cultural da Humanidade - o único Patrimônio Cultural da Humanidade do sul do Brasil – então já encaminhando, digamos, pelo velho caminho das Estâncias Missioneiras. Ali tem inicialmente um primeiro rio, que é o Rio Piratini, do outro lado já visitei algumas pequenas estâncias, inclusive propriedades hoje, que são pessoas amigas. Então eu dormi no primeiro dia no lugar que se chama São João, antiga Vila Seca, e depois no outro dia de manhã, já segui  paralelo ao Rio Inhacapetum, que é um rio que divide São Miguel com a região de Santiago, Bossoroca - e é exatamente buscando esses locais aonde existiam essas grandes Estâncias Missioneiras, e que foram muito importantes. O conjunto das Estâncias, só a de São Miguel, tinha mais um milhão de cabeças de gado, na sua plenitude, digamos no seu momento maior.

Daí me encontrei com outros pesquisadores, que vieram do Sul, e que conheciam muito aqueles caminhos, o Chico Sosa e o Jânio Rosalino, aonde daí fomos descendo já em municípios como Tupanciretã, e aos pouquinhos, então, buscando essas localizações, toda essa hidrografia, que a gente conseguiu mapas em Madrid, com os jesuítas, e que também tinham me levado a escrever este último livro, que foi lançado agora há 30 dias, que é o relatório da Guerra Jesuítica-Guarani, escrito pelos jesuítas, que é o padre Heinz, então com informações muito precisas, dos lugares, de cada estância, de cada Capela, então a gente está buscando exatamente esse conjunto, vamos dizer, de edículas, nesse macro território ao sul.

Inscrições rupestres na Estância Ganadeira, região de Itacoatiá,São Pedro do Sul
Inscrições rupestres na Estância Ganadeira, região de Itacoatiá,São Pedro do Sul

Então desde o início, digamos, de São Miguel, descendo, nós temos cerca de 500 quilômetros onde já é o início da República Oriental do Uruguai de hoje. Então veja, toda essa territorialidade, era Estância jesuítica de São Miguel, e ao lado, Estância de São Luis, de São Lourenço, de São Nicolau, de Santo Ângelo. Então, o conjunto do Rio Grande daquele período, estava praticamente tomado pelo projeto Jesuítico-Guarani. As Missões já tinham 113 anos quando funda a cidade de Rio Grande, que é a primeira entrada dos portugueses no amplo território. E a partir disso, depois, daí vem toda a degladiação, as guerras, os tratados. E é exatamente em cima desse conjunto todo, é que nós estamos procurando hoje, cartografar, marcar essas divisões, e comparando, obviamente, com os mapas - hoje nós temos satélite, que facilita muito - mas obviamente sempre comparando com as centenas de mapas daquele período histórico-cultural.

Dentro desse roteiro, tinham estâncias muito interessantes. Por exemplo, existe um lugar ali que se chama Itacoatiá, em São Pedro do Sul, que tem inscrições rupestres milenares da presença humana na região. Coisas de 5000, 6000, 7000 anos anteriores e que estão lá no lugar chamado Pedra Grande. Paralelamente a isso, por exemplo, no município de Mata - que também pertencia ao mesmo conjunto dessas estâncias, e que hoje é um município - ali tem, por exemplo, aquelas árvores petrificadas, e todo um levantamento paleontológico, da presença de vida naquela região há 250 milhões de anos. Então é muito interessante, é um dos lugares raros do mundo, aonde desde dinossauros e outros animais pré-históricos, bem paleontologia mesmo, e além dessas árvores que são bastante interessantes e que estavam exatamente no meio dessas estâncias.

Então, outros lugares como Jari, um conjunto importante de capelas daquele tempo, que nós estamos - algumas a gente não encontra, outras sinais muito relativos - então estamos cartografando todo esses processo.

E depois lá em baixo, toda a base importante do Rio Ibicuí, todo o conjunto de suas nascentes ali, o Jaguari, o Toropi, e que nascem todos dentro dessas circunstâncias que a gente tá falando.

Uma rara imagem de São Martinho, que remonta à presença jesuíta
Uma rara imagem de São Martinho, que remonta à presença jesuíta

Há capelas muito importantes, como San Javier - a principal San Javier daquele período era uma capela que inclusive nos mapas consta como uma edícula maior, essa nós ainda não encontramos, mas ontem eu estive na região de São Vicente do Sul, que é um município que está muito próximo do rio Jacuí – então é um conjunto muito importante, digamos, de elementos – naquela base Jacuí, Ibicuí – que nós estamos hoje trabalhando, pesquisando e encontrando e cartografando.

Então há muitas coisas dentro dessa região toda. Encontramos uma imagem de São Martinho, uma das mais belas...! Quando os jesuítas foram expulsos em 1768, eram cerca de 1535 peças, grandes, que estão no inventário dos jesuítas, que eles entregaram esse inventário quando eles foram expulsos para Europa. E uma das peças que nós não conhecíamos, foi uma peça maravilhosa e magnífica encontrada numa ermida que está lá naquela região de São Pedro. Então são achados que nós estamos fazendo, exatamente recompondo essa história reconhecida mundialmente, por exemplo, Voltaire, chamou de “Triunfo da humanidade”, Montesquieu chamou de “primeiro Estado industrial da América”. Então esse processo todo que a gente está encontrando - e com grupo muito grande de pesquisadores - hoje somos mais de 200 pesquisadores que estão trabalhando num grande projeto, são elementos fundantes, digamos, para o futuro. Tenho perguntado para nossa gente, como será isso daqui a 500 anos - porque nós estamos passando por um tempo - e como será num tempo futuro? Hoje nós estamos a 265 anos da morte, por exemplo, do Sepé Tiarajú, no final da Guerra Guaranítica, em 7 de fevereiro de 1756, é a data da matização do Sepé, que agora já é Servo de Deus da Igreja. Então é importante todo esse processo para compreendermos a magnitude, a grandeza, do que foi o início da cristianização aqui na América através dos jesuítas, junto aos guaranis.

Sepé Tiaraju, símbolo dos nativos da América

 

Sepé Tiaraju foi o líder da Guerra Guaranítica, que é na verdade o primeiro ato libertário da América, antes de Bolívar, antes de San Martín, antes de Tiradentes que, digamos, foi um grito de liberdade na parte portuguesa, e os outros na parte espanhola. Sepé Tiaraju, então, entre 1753 é o “Essa terra tem dono” dele, o grito dele de liberdade quando já demarcavam o Tratado de Madri, que trocava a Colônia de Sacramento - que fica lá na foz do Rio Uruguai, numa construção Portuguesa - e trocava ela, entregando os Sete Povos das Missões - que é essa grande parte do Rio Grande do Sul, que é no sul do Brasil - então entregava os portugueses e em troca a Colônia de Sacramento iria para o mundo espanhol. Então o Sepé Tiaraju se coloca contra isso, diz que aquela nação missioneira, que ele põe essa ideia, que ela era livre, que ela poderia se independer, e os índios lutam contra os dois maiores exércitos do mundo daquele momento. Então foi uma coisa gigante, uma guerra muito importante e que durou, na verdade então, inicia essa contraposição em 1753,  mas em 54 aqueles dois grandes exércitos se unem e demandam contra os guaranis. Em 55, então, continua com as grandes lutas e em 56, 1756, no dia 7 de fevereiro Sepé Taraju é martirizado, eles já estavam do lado de cá, vamos assim do Vacacaí, ali onde é São Gabriel hoje e ali então ele é martirizado. Matam ele com uma lança, um tiro de Espanha, a lança portuguesa, tiro de Espanha, e daí vem o processo de martírio do Sepé - que é o que tá rodando aí no Vaticano o pedido de canonização do Sepé - põe fogo nele com pólvora, e ainda, o último documento agora que mostra que cortam a cabeça, a decapitação do Sepé, e enterram ele, os seus à noite desenterram, e levam ele.

Então Sepé é o grande líder desse processo todo, junto, integrando as várias Reduções, exatamente nessa demanda contra esses dois maiores exércitos daquele período. Então, ele é um herói Rio-grandense. Ele também é herói da Pátria brasileira, é o primeiro indígena herói da Pátria do Brasil, junto com Dom Pedro I, com Tiradentes, com os grandes heróis pátrios nossos do país. Sepé Tiaraju desde 2009, ele é da pátria brasileira, e ele é uma espécie de símbolo desse mundo nativo, nosso, que nós temos no Rio Grande do Sul, nesse mundo gaúcho, como alguém que pode, que tem forças, que tem vontade, que é líder o suficiente, um cristão líder, contra essas forças exógenas, então é um verdadeiro símbolo, e um símbolo também de todos os indígenas da América. Ontem [7 de fevereiro] foi um dia de orações, encontros em vários lugares, Missas, os próprios jesuítas que retornaram às Missões. Agora em São Miguel remos jesuítas de novo lá na Paróquia, e que também estão trabalhando em toda a região, rezando Missa em homenagem ao Sepé Tiaraju, agora o Servo de Deus Sepé Tiaraju, então é, digamos, uma imagem, é um cheiro muito importante dentro dessa luta social em toda a América,  mais do que Rio Grande do Sul, Brasil. O Sepé Taraju, hoje, é uma espécie de símbolo dos nativos da América com relação a essas forças exógenas, que sempre fizeram de tudo para ficar com a terra, para ficar com as riquezas, e levarem ela embora. Então o Sepé é um símbolo de contraposição.

Redução de São Miguel Arcanjo em 3D (Montagem sobre vídeo produzido pela Unisinos para material didático sobre as Missões Jesuíticas, com trilha sonora cantada pelo Coral Unisinos)

Os pobres dessa macrorregião, descendentes daquela história

 

Mas veja que é muito importante compreender que a Guerra Guaranítica, apesar da grandiosidade dela, ela matou uns 13 mil indígenas somente. Tem um dia, que é o dia 10, que é o dia que morrem 1500 dos principais na Batalha de Caiboaté. Mas anteriormente, entre refregas diversas, digamo somando tudo dá uns 3.000. Aí vem uma pergunta fundamental,  que é um dos livros que escrevi, que é um pedido de perdão ao Triunfo da humanidade: “aonde estão os índios então?”, se não morreram tantos assim na Guerra Guaranítica.

Os índios, aqueles que eram reduzidos, os que já estavam cristianizados, todos eles eram profissionais, da marcenaria, fundidores, músicos, outros peões de estância - aqueles que cuidavam daqueles milhões de cabeças de gado - então esta gente toda não voltou mais a ser indígena. Eles passaram a fazer parte daquele mundo intermediário entre os europeus que foram chegando, e foram ganhando do Império as terras aqui na macrorregião, e aqueles indígenas que, já cristianizados há cerca de 159 anos, toda a experiência missional jesuítica-guarani, aquela gente toda foi fazer parte, digamos, nós temos documentos por exemplo mostrando, que muitos foram trabalhar em Buenos Aires como marceneiro, pedreiro, escultor, e obviamente se espalharam também pelas instâncias do Rio Grande, pelas Charqueadas depois, e tudo mais. Então as grandes lutas, por exemplo as grandes refregas posteriores, como a Revolução Farroupilha, tinham muitos descendentes desses indígenas, que ficaram espalhados pelo amplo território.

Então, isso é muito importante, para compreender também a formação dos povos posteriores e que hoje corresponde aos pobres dessa macrorregião, não só da parte brasileira, mas também da parte argentina, paraguaia. Os pobres dessa macrorregião, são descendentes daquela história, e por isso que é tão importante a gente contar essa história do ponto de vista da realidade. Por quê? Para que as pessoas também tenham uma auto estima de que elas são importantes, que o cristianismo é um construto de muitas centenas, de muitos séculos nessas famílias, e que obviamente os direitos – que é um outro debate importantíssimo – elas têm todo direito sobre o meio, sobre as riquezas dessa ampla região, sobre a empregabilidade dessa ampla região, e isso é fazer um cristianismo redivivo, como o Cristo tinha dito. Então, que as pessoas tinham que ter direitos iguais, deveria ter fraternidade, amor uns aos outros, perdão uns aos outros, que é o centro do cristianismo."

Jesuítas foram anticoloniais, num projeto colonial

 

Em 1986 foi lançado o filme The Mission, do diretor Roland Joffé, com trilha do compositor italiano Ennio Morricone, falecido recentemente. O filme, de certa maneira, retrata a questão das potências coloniais envolvidas, um pouco da realidade do trabalho dos jesuítas. Há várias leituras em relação à presença dos jesuítas, que chegaram ao continente americano metade do século XVI. Algumas dessas leituras reconhecem o esplêndido trabalho realizado junto aos indígenas, mas também há leituras que veem os jesuítas como a serviço dos colonizadores. Como pesquisador, com teu conhecimento,  qual a tua leitura em relação ao trabalho dos jesuítas, já que falavas de amor fraterno, respeito, evangelização, a fraternidade?

"Veja que é muito interessante, que quando a gente debate qualquer tema histórico, que nós nos reportemos àquela data. Se você tá dizendo, por exemplo, a partir da metade dos 1.500, a chegada deles na América, no início no mundo luso, depois no mundo espanhol, é preciso compreender o conjunto das pressões e da diferença dos jesuítas com relação às outras Ordens. Os jesuítas são todos formados por Loyola, a partir da ideia do trabalho, de suar, de ir e ajudar aquela sociedade a se desenvolver, a gerar riqueza, e tudo mais. Então, aí está centralmente a diferença do que eles fazem. Já a partir da primeira Redução, da Paraquaria [conjunto do projeto jesuítico do Paraguai, que vai desde a Bolívia e desce até  o Uruguai, que era o centro de toda essa macrorregião] que é essa ampla região, é a primeira Redução, de 1609, toda a ideia era desenvolver a produção, a economia daquele lugar, auto sustentação, tirar obviamente os índios dessa vida de caça e de pesca, e trazer eles para um setor urbano, que é a reducción, é trazê-los para um ponto central aonde começasse a fazer urbanismo, onde começasse a aprender a ler, a escrever, a fazer as contas, que é, centralmente a educação na plenitude. Mas não só aquela das Letras, mas também a educação dos fazeres, que é tornar - de acordo com a sua índole - marceneiro, o outro pedreiro, o outro escultor, o outro músico, e o outro estancieiro, conforme a índole de cada um.

Vista lateral da Redução de São Miguel Arcanjo
Vista lateral da Redução de São Miguel Arcanjo

Então veja, que a ação jesuítica nesse mundo colonial, aonde - todos sabem disso – os europeus que vieram para cá vieram para levar riquezas, o sonho era juntar ouro, prata e o que pudesse fazer, e levar isso para suas famílias na Europa. Foi levado muita coisa, mas muitos, muitos daqueles ficaram aqui, por essa macrorregião. Então desde o início, os jesuítas foram anticoloniais, num projeto colonial. E aí vem essa dicotomia importante, porque desde o início aqueles que queriam os índios como escravos no mundo português - e no mundo espanhol não era diferente – com as encomiendas (as encomendas), então os jesuítas sempre se colocaram contra esse processo.

Assim foi contra o bandeirantismo, que matou cerca de 600 mil guaranis naquele período. Não foi diferente no mundo espanhol, com todas as encomendas e as grandes dificuldades, então é preciso compreender isso. Era um cristianismo dos fazeres, que era isso que os jesuítas sempre colocaram. Claro, que digamos um antropólogo, em 2021, vai dizer: “Mas mexeram na cultura dos guaranis, eles eram do pajeísmo, eles eram da Opy, que é a casa de reza guaranis”. Claro que sim, não tem dúvida nenhuma. Então essa é a dicotomia. Mas veja, que por 1.600, final dos 1.500, início dos 1.600, 1.700, a realidade dos fatos daquele período, era preciso ser um pouco duro, senão você não galgaria aquilo que você queria, digamos, como um cristianismo de ação. Então,  é preciso compreender isso.

Eu sou um defensor absoluto da ação jesuítica. Acho que eles foram fundamentais para a América, que nós conhecemos hoje. Eles foram defensores dos guaranis, das suas liberdades, das suas ações, então eu faço sempre a defesa e sempre volto pro passado, porque é bom lembrar em que época da humanidade nós estamos falando, o que estava acontecendo na Europa, mesmo dentro da Igreja. Então é muito importante que a gente sempre pense sobre o passado quando a gente quer, e pensar dos fatos, as coisas que estavam acontecendo naquele momento no mundo, e as decisões necessárias de quem tá na liderança desses processos de mudança. Então, eu acho que os jesuítas fizeram o melhor possível para aqueles tempos. Por exemplo, os guaranis, quando os primeiros contatos, foram no neolítico, na Idade da Pedra Polida. Então, como lidar com esse povo, como ser amoroso, como ensinar as profissões.... Digamos nós dois, por exemplo, sendo jesuítas e chegar em um 3 de maio de 1626 aqui, passando o Rio Uruguai, como você lida com aquela gente do neolítico ali, muitos antroprófagos. Então, como que você trabalha tudo isso? E eles foram, eu acho, que muito sábios em lidar com tudo isso e foram extraordinários na ação que fizeram, e tanto que arrumaram tantos inimigos, porque eles cresceram tanto, se desenvolveram tanto...

Quando Montesquieu chama de “primeiro Estado industrial da América”, é porque de fato eles conseguiram - por exemplo aqui em São João Batista, e que é muito próximo aqui onde eu estou falando - a primeira fundição de aço da América! E quem eram os jesuítas que vieram? O Antônio Sepp von Rechegg. Era um príncipe, o pai dele era o rei de Kaltern – naquele tempo era o sul da Áustria. Então, João Batista Prímoli, um dos principais arquitetos do Barroco daquele período aí em Milão. Quer dizer, era esse tipo de gente que veio para cá, altissimamente preparadas, estudantes das melhores universidades da Europa e que deram sua vida exatamente para o desenvolvimento de um cristianismo muito redivivo aqui na América."

*José Roberto de Oliveira é de Santo Ângelo (RS), engenheiro de formação, na área da Topografia e Cartografia; foi por longo tempo docente na URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões); diretor de desenvolvimento do Turismo no Rio Grande do Sul; um dos fundadores do Ministério do Turismo; criador em 2012, junto com os jesuítas, mais argentinos e paraguaios, da “Nação Missioneira”; foi criador do Circuito Internacional Missões Jesuíticas e representante brasileiro no Mercosul, também em função de seu envolvimento no tema das Missões.

10 fevereiro 2021, 15:22