Busca

Vatican News

Vietnã: diocese de Can Tho abre dois supermercados gratuitos para pobres

Embora o Vietnã seja um dos países que parece ter gerenciado melhor a crise da Covid-19, parte da população se encontra em graves dificuldades econômicas. Famílias desfavorecidas, pessoas com deficiência e órfãos afetados pela pandemia estão se beneficiando dos supermercados solidários da diocese de Can Tho. Por mês, cada um pode fazer compras no valor de 100 mil dongs (ou seja 3,6 euros). Os principais produtos retirados são: sal, açúcar, arroz, sopa de peixe e azeite para cozinhar.

Andressa Collet - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

Novas ondas da pandemia da Covid-19 continuam a se multiplicar em várias partes do mundo. Enquanto isso, o Vietnã ostenta um balanço de pouco mais de 1.500 casos positivos para o coronavírus e 35 pessoas que morreram até hoje, muito menos do que qualquer outro país comparável, com uma população de quase 98 milhões. Uma conquista, segundo especialistas, que está sendo possível graças a testes rigorosamente direcionados, um programa de quarentena centralizado e o fechamento precoce das fronteiras.

Embora o Vietnã seja um dos países que parece ter gerenciado melhor a crise da covid-19, parte da população se encontra com graves dificuldades econômicas. Por isso, famílias desfavorecidas, pessoas com deficiência e órfãos afetados pelas consequências da pandemia estão recebendo um auxílio especial que vem, por exemplo, da diocese de Can Tho – uma cidade, ao sul de Ho Chi Minh (ex-Sagão), com mais de 1 milhão de habitantes. 

Supermercados solidários

A iniciativa começou no início do ano com a abertura de dois supermercados onde os pobres podem retirar gratuitamente produtos de primeira necessidade. Só na comunidade de Cai Tac, por exemplo, há mais de 100 famílias que se abastecem no supermercado.

Grupos de voluntários estão empenhados em administrar os “locais solidários”, considerado o modelo de caridade mais difundido no Vietnã. Por mês, cada beneficiário pode fazer compras no valor de 100 mil dongs (ou seja, de 3,6 euros) e tem uma caderneta onde são registrados os produtos que retiram mensalmente: trata-se, principalmente, de sal, açúcar, arroz, sopa de peixe e azeite para cozinhar.

Nos passos do Papa Francisco

Segundo a agência de notícias Asia News, dom Tri Buu Thiên, bispo da diocese de Can Tho, explicou que as graves condições econômicas em que viviam muitos fiéis exigiam uma intervenção: "depois de consultar os sacerdotes locais, decidimos agir, ajudando aqueles que mais precisavam". Uma iniciativa, salientou o prelado, que segue o ensinamento do Papa Francisco sobre a "cultura do cuidado como um caminho para a paz".

18 janeiro 2021, 11:24