Busca

Vatican News
Festa de Santo Amaro em Campos Festa de Santo Amaro em Campos 

Santo Amaro: tradição centenária em tempo de pandemia

Tradição iniciada na Baixada Campista chega à Praia de Grussai, (SJB) e esta completando 100 anos de fé e devoção. Nesta edição em tempo de Pandemia, com programação restrita e pedindo a intercessão do santo pelo fim deste tempo de medos e de incertezas. Padre Marcos Paulo Pìnali da Costa destaca a importância da fé no santo.

.Ricardo Gomes – Diocese de Campos

Com 100 anos de tradição a Festa de Santo Amaro na Praia de Grussai, São João da Barra (RJ) terá programação adaptada à pandemia. Desde a abertura com as celebrações das missas será com protocolos sanitários de distanciamento social e uso obrigatório de mascaras. Padre Marcos Paulo Pinali da Costa destaca a tradição que começa em 1921 aconteceu a inauguração da Igreja, construída pelo sr. Ademar Laranjeira. Por ser uma região de praia, muitos devotos que aqui estavam, tiveram a necessidade de celebrar Santo Amaro, em pleno mês de janeiro, uma vez que, muitos não podiam ir até a Igreja do Santo na Baixada Campista. Devotos que vinham descansar e residir, trazendo consigo a forte devoção presente na alma campista. Aqui, veraneio, fé e férias se unem de seis à quinze de janeiro desde o século passado. 

“A praia como nos anos anteriores está com muitos veranistas, a cada dia nossa lista de presença para as missas vem sendo preenchida. O tema escolhido foi “Semeando a esperança de um novo tempo”.  A esperança nos impulsiona, por intercessão de Santo Amaro a realizar uma modesta festa, respeitando todo o protocolo sanitário e ao mesmo tempo inovando com qualidade. Agradeço muito o trabalho e apoio da Comissão”, relata o padre.

A programação que teve início nesta quarta feira (06) terá presença de fieis, mas será transmitida pelas Mídias Sociais da Quase Paróquia de Santo Amaro. No dia 15 serão celebradas três missas e o pátio da Igreja deixará de ser estacionamento para dar lugar a cadeiras distanciadas umas das outras e será colocado telão com transmissão para facilitar a participação dos devotos.

“No dia dez de janeiro teremos pela manhã uma missa nove e dezenove horas, passeio ciclístico e batizados. Para este ano foi esculpida uma imagem do santo com cinqüenta centímetros e bem semelhante à que está no Altar, adquirida por doações dos fiéis. Será nossa imagem peregrina. Como não podemos sair em procissão, faremos um passeio automobilístico e no final da tarde do dia quinze de janeiro iremos até o Hospital de Campanha na sede do município”, informa.

Na abertura da programação serão distribuídas sementes de girassol que serão abençoadas e representando sinal de esperança diante da Pandemia. No dia da festa a imagem peregrina visitara o Hospital de Campanha de combate ao Coronavirus.

“Como monge beneditino, certamente Santo Amaro lavrou a terra e dela tirava frutos para o alimento diário para si, seus irmãos e os pobres que procuravam o mosteiro. Este gesto simbólico de plantar sementes de girassol nos recorda também que devemos cuidar da terra.  Ao celebrar nosso centenário em plena pandemia, queremos aprender que a vida humana está acima do lucro, rezar pelos que morreram pedir a cura dos infectados e esperar um novo tempo, por intercessão de Santo Amaro”, conclui padre Marcos.

Padre Marcos Paulo Pìnali da Costa

O Bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco destaca que as tradições vivas devem sempre ser comunicadas com cuidado para respeitar valores, raízes e inspiração.  A esse cuidado com a integridade e fidelidade a memória. , devemos acrescentar este ano as disciplinas e protocolos sanitários evitando que aquilo que merece ser celebrado não se torne foco de contaminação.

“Grussai festejará seu passado de Balneário popular, alegre e dinâmica oportunizando lazer, descanso e sendo lugar de turismo. A igreja soube acompanhar o crescimento e hoje uma Quase Paróquia aponta para um futuro alviçareiro de uma Igreja em saída, solidária com o sofrimento  na pandemia mas que quer navegar com seu povo para águas mais profundas”, pontua Dom Roberto.

Bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco
Bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco

Tradição dos monges beneditinos

Com a chegada dos monges beneditinos a Campos em 1648 inicia na Baixada Campista a devoção a Santo Amaro e a tradição de 288 anos se irradia a outras comunidades que festejam o santo de origem italiana e um dos primeiros discípulos de São Bento. Da Baixada Campista a devoção chega a São João da Barra e festejado nas praias de Açu e Grussai onde foram construídas as capelas.

Em Campos a devoção começa a se expandir com a construção da igreja no Distrito de Santo Amaro. Primeiro uma pequena capela de 1733- 36 até chegar a atual igreja concluída em 1857. A festa se tornou uma das referencias no município e do calendário religioso do Estado do Rio de Janeiro com as tradições religiosas e populares. Uma das mais expressivas festas religiosas este ano com programação adaptada a Pandemia e com todos os protocolos sanitários.

Bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco
Bispo Diocesano de Campos, Dom Roberto Francisco

“A festa tradicional de Santo Amaro que reúne lideranças políticas e religiosas sendo parte do calendário oficial do Estado do Rio de Janeiro este ano em plena pandemia nós somos convidados ao cuidado e a manter os protocolos da Vigilância Sanitária e por isso a festa social que tem esse lado cultural da cavalhada, uma tradição centenária com raízes nas lutas medievais com a inspiração da Contra Cruzada este ano não será realizado. Mas será festejada especialmente a parte religiosa com as restrições de 30% e distanciamento social e garantir esse clima de cuidado”, disse o bispo.

Fotos: Carlos Júnior

07 janeiro 2021, 13:43