Busca

Vatican News
Menina deixa flores em cemitério católico no Dia de Finados em Hyderabad Menina deixa flores em cemitério católico no Dia de Finados em Hyderabad  (AFP or licensors)

Índia: em encontro, cardeais pedem a Modi para convidar Francisco a visitar o país

No encontro realizado na terça-feira, três cardeais apresentaram aos primeiro-ministro indiano diversas questões que dizem respeito aos cristãos e à vida da Igreja no país.

Lisa Zengarini – Vatican News

O pedido de formalização de um convite ao Papa Francisco para visitar a Índia; o trabalho da Igreja Católica no país; questões relativas à comunidade cristã indiana; a distribuição de bens e serviços federais entre as minorias. Estes foram os tópicos que estiveram no centro do encontro realizado na terça-feira em Nova Delhi entre o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e os cardeais Oswald Gracias, George Alencherry, arcebispo-mor da Igreja siro-malabar e o cardeal Baselios Cleemis, arcebispo-mor da Igreja sírio malankarese.

Durante o encontro que durou menos de uma hora - relatou um comunicado da Conferência Episcopal Indiana (CBCI) - os três cardeais ilustraram ao primeiro-ministro o trabalho realizado pela Igreja na Índia nos campos educacional, da saúde e social, além do front da pandemia, assegurando que continuará seu compromisso com os mais pobres e vulneráveis, especialmente durante esta emergência de saúde. Modi, por sua vez, agradeceu a contribuição da Igreja.

Os purpurados também aproveitaram a oportunidade para renovar o pedido de Modi de apresentar um convite oficial ao Papa Francisco para uma visita ao país. O pedido já havia sido apresentado em 2017, tendo em vista a viagem pastoral aos vizinhos Bangladesh e Mianmar em 2018, mas não teve continuidade. Desta vez, o premier abriu uma maior possibilidade de que isso ocorra.

Em relação à situação das minorias religiosas, os três líderes religiosos católicos destacaram a necessidade de uma distribuição mais equitativa dos fundos de previdência federal. Atualmente os muçulmanos, que representam 14% da população indiana, recebem 80% desses recursos em consideração a sua maior consistência numérica do que os cristãos, que são 2,3%. No entanto - foi evidenciado - o governo deveria ser mais generoso com os cristãos nos Estados onde eles são decididamente mais numerosos, como Kerala e Jharkhand. Modi está empenhado em aprofundar a questão.

Também se falou da Foreign Contribution Regulation Act (FCRA) (Lei de Regulação de Contribuições Estrangeiras), a nova lei que regulamenta o financiamento estrangeiro a entidades e organizações indianas, e que acabou penalizando também aquelas católicas. Sobre este ponto, o primeiro ministro justificou a medida com a necessidade de um maior controle sobre a gestão contábil das entidades que operam na Índia, que nem sempre é transparente.

Outro assunto abordado durante o encontro foi a libertação do padre Stan Swamy, o idoso sacedordote jesuíta, ativista pelos direitos dos indígenas, preso em outubro pela agência antiterrorismo sob a acusação de sedição. Modi disse ter conhecimento do caso, mas não quis interferir porque está a cargo de uma agência independente. Durante a reunião também se falou sobre os protestos dos camponeses contra a contestada reforma agrária. Os três cardeais expressaram a esperança de que uma solução justa para a disputa possa ser encontrada.

Por fim, os cardeais levantaram a questão dos direitos dos dalits (os excluídos do sistema de castas indiano, ndr), com referência particular aos cristãos dalit que, junto com os muçulmanos, continuam a ser discriminados no acesso aos benefícios do Estado para sua promoção social. A este respeito, eles pediram novamente ao premier que os critérios para ter acesso a esses benefícios sejam econômicos e não religiosos.

Na entrevista coletiva, o cardeal Gracias precisou que havia deixado claro a Modi que "a Igreja não faz política", não apoia nenhum partido e que seu único objetivo é a boa governança, o cuidado com os pobres, o crescimento econômico e o desenvolvimento, ajustiça e o progresso do país. Já o cardeal Alencherry, reiterou que a Igreja está sempre em diálogo com o governo para melhorar as condições dos pobres no país.

Vatican News Service - LZ

21 janeiro 2021, 11:56