Busca

Vatican News
Guido com os pais Guido com os pais 

Guido Schäffer: as lições de santidade na família

Recordações na vida de Mauricio Vidal França Schäffer, 44 anos. Um irmão muito especial que deixa lições de santidade para toda a família. Era muito dedicado e mergulhava nos seus projetos e adorava interagir com as pessoas. Um irmão muito presente e um conselheiro nos momentos importantes na vida familiar.

Ricardo Gomes – Diocese de Campos

“Ele dedicava seu tempo as suas atividades e seus gostos. Adorava praia e o mar foi a primeira de suas diversões. As festas como na época de criança, cinemas na fase adolescente foram ficando um pouco para trás. Em razão da Jóia  que ele experimentara que foi Jesus e o Espírito Santo.” Mauricio Vidal França Schäffer

Recordações que marcaram a vida de Mauricio Vidal França Schäffer. Guido foi um irmão muito especial que soube viver o convívio familiar e recorda fatos importantes. Do irmão herdou o gosto pelo surf e lembra o dia que Guido fez a sua páscoa.

“Começou pegando jacaré que é descer onda sem nenhuma prancha. Depois migrou para o body-board e o surf. Adorava ver o realce que era um programa de surf que passava na Rede Record e comprávamos a fluir. Ele que me apresentou este esporte que prático até hoje. Aliás, aquele dia que me ligou já estávamos acordados rumo à praia comemorar os 45 anos de nosso amigo Dudu. Que estava comigo no dia que Guido encontrou sua Páscoa”, recorda Mauricio.

Guido em família
Guido em família

O Guido em família era uma pessoa muito dedicada a projetos, que mergulhava no que gostava e que gostava de interagir com as pessoas. Mauricio recorda que foi num seminário de vida no espírito que começou uma vivência de vida guiada pelo Espírito Santo.

“Meu irmão era um homem da prática aprendia muito conversando, lendo e interagindo com as pessoas. Não era à toa que tinha um lado que cativava as pessoas porque falava de suas experiências de vida. Quando ele foi fazer medicina sempre partilhava na mesa os casos das aulas, o que via no ambulatório, as coisas que aprendia lendo livros. Em verdade não sei como ele multiplicava o tempo dele. Pois frequentava a missa, rezava, estudava, trabalhava e ainda praticava a caridade”, pontua.

Descobria estar atendo ao chamado de Deus para sua vida

As festas como na época de criança, cinemas na fase adolescente foram ficando um pouco para trás. Guido começara a experimentar um novo estilo de vida de vivencia da espiritualidade e aos poucos o jovem realizava um projeto de vida de se entregar ao chamado de Deus em sua vida.

“Lia a Bíblia quase que diariamente e rezava o terço. Passava horas do seu dia estudando medicina, rezando e muitas vezes preparando a pregação. Desde então ele trouxe para vida dele, um intenso meio de oração. Guido adorava as pessoas, mas tinha seu momento único de oração em seu quarto”, disse Mauricio.

Guido com amigos
Guido com amigos

Um irmão....um conselheiro

- Ele que me apresentou este esporte que prático até hoje. Aliás, aquele dia que me ligou já estava acordado rumo à praia comemorar os 45 anos de nosso amigo Dudu. Que estava comigo no dia que Guido encontrou sua Páscoa. - Mauricio Vidal França Schäffer

Gostava de mudar sua rotina diária, mas sempre encontrava tempo para ajudar o Mauricio nas suas duvidas e nas decisões importantes. E são estes momentos que marcou a vida dos irmãos, sendo exemplo de jovem que dedicava sempre tempo para a oração, a evangelização e a caridade.

“Em certos momentos buscava mudar a rotina e sempre estava aberto a ouvir minhas dúvidas, a me aconselhar sobre as questões da vida. Sobre namoros, sobre decisões importantes a serem feitas, a sempre colocar em oração e discernir estas decisões. Ele estava bem resolvido em sua missão de levar Jesus a quem quisesse encontrá-lo e a ser médico de alma. Acompanhava os grupos jovens em suas atividades, mas mantinha sempre uma disciplina na oração Ele foi um irmão muito presente na minha vida. Praticamente acompanhei muito de perto até próximo ao meu casamento. Aí vieram os filhos pequenos e já não consegui estar muito junto dele. Nos encontrávamos nos almoços semanais na casa de meus pais. E nos eventos de grupo e atividade que ele fazia. Como levar os jovens para surfar e ter depois um dia de oração e convivência”, recorda.

Anderson Fantozzi com a mãe de Guido
Anderson Fantozzi com a mãe de Guido

Conseguia falar de Cristo com docilidade

Eu não tenho dúvida alguma que convivi com um santo aqui na Terra, uma pessoa que procurou imitar Cristo, com todas as dificuldades inerentes, assim como todos os Santos da nossa Igreja. Ele vivia o que pregava.” Flávio Augusto Corrêa Netto Guimarães

Flávio Augusto Corrêa Netto Guimarães, 47 anos, recorda de Guido e ao ouvir o jovem falando de Jesus na Paróquia Nossa Senhora da Paz em Ipanema conta das lições para a sua vida e da esposa. Guido cativava a todos com o seu jeito doce e, ao mesmo tempo, radical.  Um jovem da zona sul do Rio de Janeiro, de classe média para alta, bonito, forte, surfista e médico que com o passar do tempo foi deixando de viver para si para viver para Deus.

“Já faz 21 anos que conheci o Guido. Foi um marco na minha vida, quando em junho de 2000 eu e minha esposa entramos na igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, no Rio de Janeiro, num dia de semana à noite e nos deparamos com um jovem da nossa idade, falando de Deus com tanta propriedade, docilidade e alegria”, conta Flávio.

“Foram dois anos intensos de convívio no grupo de oração, nas missas de domingo, nas viagens à Canção Nova, no serviço na casa das Missionárias da Caridade, nas sessões de surf e nas saídas de lazer à noite. Após esses dois anos de convívio nos afastamos por motivo do trabalho, fui morar em outro Estado, mas a obra de Deus já havia sido feita de maneira tão bonita na nossa vida que estávamos prontos pra seguir adiante juntamente com os nossos filhos num caminho de busca constante da santidade... Quando Esse processo foi acontecendo de maneira tão natural que ia transformando as vidas das pessoas que o conheciam, como transformou a minha e da minha esposa", Flávio Augusto Corrêa Netto Guimarães.

Praia do Recreio
Praia do Recreio

Recordações de um amigo muito especial

“Foram muitos os sinais que tive do bom Deus para assimilar a partida precoce daquele amigo especial.  Hoje vendo o seu exemplo de vida tocando cada vez mais corações Brasil afora e em diferentes partes do mundo, só posso agradecer ao bom Deus os 11 anos que convivi com ele  Se não tenho mais o privilégio do seu aconselhamento pessoal, conto com a sua intercessão junto ao bom Deus e Maria, Mãe do Puro Amor (assim se referia a Nossa Senhora), para um dia encontrar face-a-face o seu melhor amigo.” Eduardo Martins

Eduardo Martins recorda do amigo muito especial e das lições de vida e de busca da fé. Foram 11 anos de convívio e hoje a certeza de um amigo no céu sendo exemplo a juventude de que é possível ser santo e vivendo como jovem. Guido Schäffer é inspiração a que todas as gerações aprendam dele as lições de vida e santidade no mundo cotidiano.

“Nunca poderia imaginar que um surfe entre amigos, a despedida de solteiro que havia planejado na véspera do meu casamento, seria a despedida desse amigo, que em vida tinha se tornado a minha referência para uma verdadeira vivência cristã. Ele, com apenas 23 anos, despertou a minha atenção por viver três realidades que, por mais que tentasse, não conseguia conciliar: amava a Deus, namorava e adorava surfar”, recorda.

Eduardo Martins recorda do tempo que esteve longe de Guido e da alegria do reencontro. Ouvir seus conselhos e partilhar suas experiências de espiritualidade. A presença  nos aniversários marcante em momentos festivos.

“Me sentia muito à vontade de compartilhar minha caminhada com o Guido porque sempre tinha uma palavra de encorajamento, de incentivo. Era como se sentisse responsável pelo desenvolvimento da minha espiritualidade e crescimento na Fé. Nos meus aniversários o Guido era presença certa. Felizes daqueles que estavam pelo Rio entre o Natal e o Réveillon. Sua participação nunca passava despercebida, fosse por uma oração, uma palavra de conforto para quem estivesse mais precisando. Mal sabia ela que em uma semana seria a sua despedida, a nossa despedida.  Naquele 1o de maio de 2009 tive a alegria de receber o Guido em nossa futura casa, a caminho para o surfe. Como estava sem prancha, tivemos que passar lá para pegar outra prancha minha para emprestar para ele. Instintivamente pedi a ele que abençoasse a casa com uma água benta que estava logo na entrada. A ida para a praia foi a última pregação que assisti do Guido. Aquele que me fez conhecer naquele surfe entre amigos: Jesus Cristo”, conclui Eduardo.

Eduardo Martins

Da devoção ao apostolado

- Eu não tive contato pessoalmente com o Guido, eu não cheguei a conhecê- lo em vida. Eu sou do interior de São Paulo, quase divisa com Paraná e conheci a história do Guido por meio das Redes Sociais e me apaixonei pela história de vida dele e a atualização da santidade dele e o convite que proporciona a cada jovem dentro de seu próprio estado de vida que é possível almejar estar próximo de Deus vivendo as coisas do mundo com sabedoria e responsabilidade e esse o grande ensinamento do Guido. Tive a oportunidade de conhecer a irmã, a mãe e vários amigos dele e estou sempre em contato. – Anderson Fantozzi.

Anderson Fantozzi
Anderson Fantozzi

Morador da Cidade de Cândido Mota, (SP) Anderson Fantozzi descobriu a vida de Guido Schäffer através das Redes Sociais no ano de 2015 quando seus restos mortais foram transladados do Cemitério São João Batista para a Igreja Nossa Senhora da Paz em Ipanema. Em 2017 Anderson visitou a igreja onde estão os restos mortais e vivenciou a espiritualidade do Guido e entrou  em contato com os familiares e amigos. A história de um jovem dos tempos atuais com uma proposta de santidade original e moderna dez com que o paulistano buscasse se tornar devoto e divulgador do Servo de Deus.

“Conheci o Guido por meio das Redes Sociais e me apaixonei por sua história de vida e sua proposta de santidade, que é convite a cada jovem dentro de seu próprio estado de vida. Guido nos assegura que é possível almejar estar próximo de Deus vivendo as coisas do mundo com sabedoria e responsabilidade, amando intensamente e reconhecendo no irmão a face de Cristo. Tive a oportunidade de conhecer alguns de seus familiares e amigos, com quem mantenho contato e compartilho as experiências vivenciadas em nosso grupo de jovens que tem o Guidinho como protetor.

Em contato com as historias do Servo de Deus Anderson começou a ler livros que o ajudaram a entrar no universo do surfista, medico e seminarista que se tornou exemplo de virtudes de fé no mundo moderno e cotidiano. Participou de cursos de formação e espiritualidade e palestras sobre Guido.

Sempre digo que o Guido é uma enciclopédia, um abismo insondável de conhecimento e de intimidade com Deus. Me tornei um propagador da vida e espiritualidade do anjo surfista, distribuindo tercinhos, medalhas, orações e sua biografia, com o intuito de que outras pessoas possam reconhecer nele um grande amigo e a seu exemplo se aproximarem de Deus por meio do tripé de sua espiritualidade: Eucaristia, Palavra de Deus e a Virgem Maria. Guidinho nos assegura que é possível na juventude da vida, ser santo de calça jeans, engajado na sua profissão e nos pequenos acontecimentos da nossa vida”, revela Anderson Fantozzi.

Anderson Fantozzi.
08 janeiro 2021, 13:04