Busca

Vatican News
"O ecumenismo é um trabalho construtivo de reconciliação e mostra que vale a pena conversarmos, ouvirmos uns aos outros e caminharmos juntos." "O ecumenismo é um trabalho construtivo de reconciliação e mostra que vale a pena conversarmos, ouvirmos uns aos outros e caminharmos juntos."  (Vatican Media)

Com oração, aberto em Hamburgo Ano nacional do Ecumenismo

O evento foi aberto em Hamburgo com um momento de oração promovido pela Associação das Igrejas Cristãs da Alemanha (ACK). ). “Produzir fruto, significa realizar uma ação muito concreta para com o próximo, mas também iniciar o crescimento no Espírito Santo que está por trás dessa ação”, disse o arcipreste da Igreja de São Pedro.

Isabella Piro – Vatican News

Ouça e compartilhe!

No coração da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, celebrada no hemisfério norte de 18 a 25 de janeiro, a Alemanha inaugurou no domingo, 24, o Ano do Ecumenismo.

O evento foi aberto oficialmente na Igreja de São Pedro em Hamburgo, com um momento de oração promovido pela Associação das Igrejas Cristãs da Alemanha (ACK), presidida pelo arcipreste Radu Constantin Miron que, em sua homilia, destacou que para os cristãos, fé e ação são inseparáveis. Como prova disso, citou o lema escolhido para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano: “Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos", inspirado no Evangelho de João (15,5 9). “Produzir fruto - explicou - significa realizar uma ação muito concreta para com o próximo, mas também iniciar o crescimento no Espírito Santo que está por trás dessa ação”.

 No mesmo sentido, o bispo católico Horst Eberlein, auxiliar de Hamburgo, sublinhou como esse momento de oração "nos encoraja e nos fortalece para continuar no bom caminho rumo à unidade. Sobretudo agora, quando a pandemia de Covid-19 obscurece a visão de muitas outras coisas, o ecumenismo ajuda-nos a olhar-nos novamente reciprocamente, mostrando que nem todos rezam somente para si mesmos”.“Temos a tarefa de caminhar juntos”, enfatizou Dom Eberlein, ao concluir.

“Quando a diversidade das Igrejas se reúne para uma celebração ecumênica, o ecumenismo é vivo - acrescentou por sua vez o pastor Uwe Onnen, presidente da ACK de Hamburgo - Rezar pela unidade dos cristãos é uma expressão de confiança, uns nos outros, e o reconhecimento da única fé em Jesus Cristo. O ecumenismo é um trabalho construtivo de reconciliação e mostra que vale a pena conversarmos, ouvirmos uns aos outros e caminharmos juntos."

A seguir falou a episcopisa luterana Kirsten Fehrs, membro da Igreja Evangélica Luterana do Norte da Alemanha: “Especialmente nestes tempos em que a pandemia promove a polarização – disse ela – reunir os dispersos, reconciliar as pessoas em conflito, confortar aqueles que temem e rezar pelos que estão próximos ou distantes, é a nossa missão comum, para além das fronteiras denominacionais e religiosas”.

Por fim, o prefeito de Hamburgo, Peter Tschentscher, recordou como a cidade alemã acolhe pessoas provenientes de 180 países. “A diversidade de culturas e religiões é parte integrante de nossa metrópole cosmopolita e internacional - disse ele - Por isso, a ACK, o Fórum Inter-religioso e muitos outros fiéis estão empenhados em criar oportunidades de encontro, intercâmbio e cooperação”, tanto que “os princípios do ecumenismo podem ser encontrados em muitos setores de nossa sociedade urbana”.

É importante lembrar que neste ano foi a comunidade monástica de Grandchamp, na Suíça, que preparou o subsídio para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. As Irmãs suíças concentraram suas reflexões em três pilares fundamentais: oração, vida comunitária e hospitalidade.

Vatican News Service - IP

25 janeiro 2021, 12:44