Busca

Vatican News

Índia. Jesuítas em Goa: "Nas pegadas de São Francisco Xavier, ao lado dos pobres"

“Quando chegou a Goa, Francisco Xavier não conhecia a língua local. Ele a aprendeu, fez traduzir o catecismo e o ensinou no idioma local. No início, foi zombado e insultado. Depois as pessoas viram a genuinidade e a santidade deste homem e o apreciaram como uma pessoa autêntica, um promotor de paz e de bem”, ressalta o jesuíta padre Roland Coelho. “Durante esta pandemia de Covid-19 podemos ser testemunhas e profetas, permanecendo ao lado das pessoas necessitadas ou sofredoras, independentemente de sua religião”, frisa

Vatican News

Ouça e compartilhe

“Seguindo os passos de São Francisco Xavier, somos chamados a permanecer ao lado dos pobres e de quem não tem voz, tornando-nos verdadeiras testemunhas e anunciadores de Cristo.”

Foi o que disse o provincial dos Jesuítas em Goa, na Índia, padre Roland Coelho, lembrando, por ocasião de sua festa, em 3 de dezembro, a figura do santo evangelizador da Ásia, que desembarcou em Goa, e foi mais tarde proclamado “Padroeiro das missões”.

Deixemos que o amor de Cristo nos transforme

Na mensagem recebida pela Fides – agência missionária da Congregação para a Evangelização dos Povos –, padre Coelho afirma: “Deixemos que o amor de Cristo nos transforme. Deixemo-nos ser tomados pelo fogo do amor de Cristo por todas as pessoas. Durante esta pandemia de Covid-19 podemos ser testemunhas e profetas, permanecendo ao lado das pessoas necessitadas ou sofredoras, independentemente de sua religião”.

“Estamos ao lado dos camponeses que protestam em Délhi, privados de seus direitos. Estamos ao lado do padre Stan Swam e de outros prisioneiros políticos que lutaram pelos direitos das tribos, dos Dalits e dos oprimidos. Estamos ao lado dos vulneráveis, marginalizados e sem voz”, ressalta.

Pregar a Boa Nova para o mundo inteiro

Padre Roland lembra “as cartas de Francisco Xavier, que deram a conhecer na Europa sua atividade missionária em países asiáticos, inflamando tantos corações para a missão”. E acrescenta:

“Francisco Xavier, dialogando com Inácio de Loyola, se perguntava: o que eu fiz por Cristo? O que estou fazendo por Cristo? O que devo fazer por Cristo? Inácio o exortava a olhar para além de si mesmo e abraçar o mundo inteiro. Francisco Xavier sentiu a necessidade de pregar a Boa Nova para o mundo inteiro”.

Genuinidade e santidade de São Francisco Xavier

O provincial continua: “Quando chegou a Goa, Francisco Xavier não conhecia a língua local. Ele a aprendeu, fez traduzir o catecismo e o ensinou no idioma local. No início, foi zombado e insultado. Depois as pessoas viram a genuinidade e a santidade deste homem e o apreciaram como uma pessoa autêntica, um promotor de paz e de bem”.

O Santo hoje une pessoas de todos os credos, como ressaltou o primeiro-ministro de Goa, Pramod Sawant, em sua mensagem, enfatizando “o caráter de unidade e a bênção que reforça o tecido social em tempos de pandemia”.

Peregrinação habitual suspensa por causa da Covid-19

Pela primeira vez em 400 anos, a solene Eucaristia da festa de São Francisco Xavier, celebrada no último dia 3 de dezembro, na Basílica de Bom Jesus em Goa, foi transmitida online e na TV, devido às restrições impostas pela Covid-19: os fiéis participaram virtualmente de suas casas.

Pelas mesmas razões, a peregrinação habitual à Basílica de Bom Jesus para a Novena de São Francisco Xavier, que reúne os fiéis de todo o país para pedir cura e bênção, não foi realizada este 2020. Apenas um representante por paróquia foi admitido para venerar o corpo de São Francisco Xavier, conservado na Basílica.

(Fides)

09 dezembro 2020, 12:49