Busca

Vatican News

Filipinas. Em tempo de sofrimento, urge proclamar o Evangelho com coragem

“Anunciar o Evangelho não é apenas uma tarefa do clero e das pessoas consagradas, ou reservada aos púlpitos: é também uma tarefa dos leigos e de cada batizado, em seu estado de vida. Este mandato missionário vem do próprio Cristo e foi vivido pelos primeiros missionários que chegaram às Filipinas há 500 anos", afirma o novo cardeal Advincula. “Os filipinos são conhecidos em todo o mundo por sua devoção e profunda fé católica", destaca

Vatican News

Ouça e compartilhe

Hoje mais do que nunca, numa época de sofrimento, precariedade, solidão gerada pela pandemia, "é urgente proclamar o Evangelho com coragem na vida diária", disse o administrador apostólico da Arquidiocese de Manila, dom Broderick Pabillo.

Celebrando a missa no Santuário Nacional de Nossa Senhora de Guadalupe em Makati, na capital filipina, em 12 de dezembro, dom Pabillo observou: "Todo batizado não deve ter vergonha de compartilhar a obra de Deus que mudou seu coração e sua vida. Não devemos ter vergonha de proclamar Cristo em nossas palavras e em nosso serviço aos outros".

Os cristãos, observou ele, "são chamados a viver na sociedade a fé inspirada pelo Evangelho", inclusive e especialmente em tempos de sofrimento generalizado, como os causados pela atual pandemia.

500 anos da chegada do Evangelho às Filipinas

O administrador lembrou que em 2021 a Igreja Católica nas Filipinas celebrará 500 anos da chegada do Evangelho ao país. A Conferência Episcopal escolheu a "Missio ad Gentes" como tema central do próximo ano, e dom Pabillo disse a este respeito que "a Virgem Maria é o modelo de missão".

O tema do anúncio e da missão, central no próximo ano para toda a Igreja nas Filipinas, também foi enfatizado pelo novo cardeal José Advincula, arcebispo de Capiz. Segundo nota enviada à Fides, o cardeal exortou os fiéis a "se tornarem discípulos missionários em meio à pandemia".

"Há muitas maneiras de se ser missionário. Mesmo que a maioria de nós seja obrigada a ficar em casa, ainda podemos cumprir nosso mandato de sermos discípulos missionários", disse ele.

Não apenas discípulos, devemos ser também missionários

"Através de nossas palavras, nossas ações e nosso total compromisso com a fé, todos nós podemos pregar e testemunhar o Evangelho aos outros ao nosso redor, em casa, em nossos locais de trabalho, em nossas escolas e em nossas pequenas comunidades", explicou o purpurado.

O arcebispo de Capiz observou que os fiéis não devem manter uma atitude passiva, considerando-se apenas destinatários de catequese e instrução, mas "devem oferecer um testemunho alegre de sua fé".

"Não podemos ser apenas discípulos, devemos ser missionários, chamados a proclamar ao próximo a Boa Nova de nossa salvação.”

Evangelizar é também tarefa dos leigos e de cada batizado

“Anunciar o Evangelho – ressaltou o cardeal Advincula – não é apenas uma tarefa do clero e das pessoas consagradas, ou reservada aos púlpitos: é também uma tarefa dos leigos e de cada batizado, em seu estado de vida. Este mandato missionário vem do próprio Cristo e foi vivido pelos primeiros missionários que chegaram às Filipinas há 500 anos".

“Os filipinos são conhecidos em todo o mundo por sua devoção e profunda fé católica. São conhecidos especialmente através dos trabalhadores migrantes e missionários que servem a Igreja em quase 200 países ao redor do mundo onde os filipinos estão presentes.”

Esta presença capilar, em todos os continentes, torna-se então, para os fiéis, uma oportunidade fecunda para a missão ad gentes em tantos diferentes contextos ao redor do mundo, concluiu.

(Fides)

15 dezembro 2020, 09:47