Busca

Vatican News
Morador diante de sua casa destruída no povoado de Majske Poljane Morador diante de sua casa destruída no povoado de Majske Poljane  (AFP or licensors)

Terremoto deixa mortos, feridos e provoca destruição na Croácia

A terra voltou a tremer nesta terça-feira na Croácia, provocando morte e destruição, principalmente em Zagreb e Petrinja.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

Às 12h19min desta terça-feira, 29, a terra voltou a tremer na Croácia. O abalo de magnitude 6,3 na Escala Richter foi sentido também na Itália, ao longo da costa do Adriático, de Trieste ao Abruzzo, de acordo com as primeiras estimativas do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (Ingv). É o terremoto mais violento registrado na Croácia. As vítimas fatais são ao menos 7 e dezenas os feridos.

O epicentro do tremor foi localizado em torno de Petrinja, cerca de cinquenta quilômetros ao sul da capital Zagreb, região já atingida pelo terremoto de segunda-feira. A mídia regional relata danos graves, com prédios desabados, queda de linhas de transmissão de energia elétrica e telefônicas.

Um terremoto de magnitude 4,1 também foi registrado nos mesmos minutos perto de Hinje, na Eslovênia, a 126 quilômetros de San Dorligo della Valle (Trieste). De acordo com levantamentos preliminares divulgados pela Proteção Civil de Friuli Venezia Giulia, o terremoto ocorreu a uma profundidade de 18 quilômetros. No momento não há relatos de pessoas feridas ou danos materiais, mas em alguns lugares, especialmente em Venezia Giulia, os moradores foram às ruas após terem sentido o movimento prolongado do terremoto. 

Tremor de ontem não havia causado vítimas fatais

 

A terra tinha voltado a tremer na Croácia na segunda-feira, 28 - após os abalos sísmicos ocorridos em 22 de março em Zagreb - procovando feridos e grandes danos materiais, incluindo a catedral e alguma sigrejas.

A região mais atingida por este novo tremor foi Petrinja e os arredores de Sisak, a cerca de quarenta quilômetros da capital croata, danificando várias igrejas na área. Entre elas está a Catedral da Exaltação da Santa Cruz de Sisak que - segundo informa a agência dos bispos Ika - foi visitada ainda na manhã de segunda-feira pelo ordinário local, Dom Vlado Košić, acompanhado pelo pároco, padre Marko Karača e alguns funcionários e técnicos, para fazer uma avaliação inicial dos danos.

A parte mais danificada é a torre do sino, que deverá ser escorada e isolada o mais rápido possível para proteger os fiéis e os transeuntes. Pequenos danos foram registrados na cobertura da entrada do coro e na ligação entre a fachada e a torre. Na parte interna, por outro lado, são visíveis inúmeras fissuras, nomeadamente nas partes danificadas pelo terramoto que atingiu a cidade em 1909. O terremoto também danificou gravemente a casa paroquial vizinha, onde as paredes racharam e parte do teto do primeiro andar desabou.

Os tremores de segunda-feira também foram sentidos com grande intensidade no bairro Remete de Zagreb, onde no Santuário local da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria, já atingido pelo terremoto de março passado, caíram pedaços de gesso, informou o pároco padre Antonio Mario Čirko. Por outro lado, nenhum dano foi verificado no presbitério e no altar-mor coberto por andaimes.

A recordar, que o terremoto de 22 de março felizmente não havia causado mortes, mas sim danos significativos a 250 prédios no centro histórico da cidade e em outras áreas periféricas, incluindo, além da catedral, várias outras igrejas, o Palácio do Arcebispado, o Parlamento, o Museu de Arte e artesanato e a sede da reitoria da Universidade.

Photogallery

Danos provocados pelo terremoto na Croácia
29 dezembro 2020, 11:56