Busca

Vatican News
Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz  

Portugal: CNJP pede “uma consciência mais sólida da fraternidade”

Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz analisa nova encíclica do Papa Francisco «Fratelli tutti» e a sua importância no contexto da realidade social portuguesa.

Domingos Pinto - Lisboa

“Um aspeto que eu acho que é fundamental salientar logo de início é a questão do fundamento da fraternidade que o Papa indica à abertura a Deus, ao Pai de todos”.

Ouça e compartilhe

É desta forma que o Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, Pedro Vaz Patto, começa por destacar à Vatican News a importância da nova encíclica do Papa Francisco «Fratelli Tutti».

“O Papa fala da dignidade que é dada por Deus a cada pessoa, a que nós próprios dêmos essa dignidade. Portanto, a crença em Deus leva a uma consciência mais sólida em relação à fraternidade”, diz o juiz desembargador que realça os diversos aspetos abordados da encíclica papal e o seu impacto em Portugal.

Desde logo, “a questão do enriquecimento que resulta do convivo entre  várias culturas, os aspetos domésticos das migrações também se aplica cá a  Portugal”, diz Pedro Vaz Patto, que lembra que “continuamos a ser um país de emigração, e cada vez mais somos um país de imigração”.

O presidente da CNJP acrescenta depois “tudo aquilo que se diz a respeito do diálogo, da reabilitação da política, da pobreza, nós estamos, de facto, num contexto em que há um aumento da pobreza e vai verificar-se num futuro próximo”.

Pedro Vaz Patto reafirma tudo aquilo que o Papa diz em relação ao combate à pobreza, considerando que “os apoios em subsídios devem ser temporários, porque verdadeiramente o combate à pobreza deve levar as pessoas a sustentarem-se através do seu trabalho”.

“No imediato aqui em Portugal, para muitas pessoas, é importante dar de comer a quem tem fome” sublinha aquele responsável, que reafirma que “a solução para verdadeiramente resolver a pobreza” passa “pela oportunidade de trabalho e que este trabalho tenha uma retribuição justa”.

Um alerta de Pedro Vaz Patto no contexto da pobreza e da proposta do papa no sentido da criação de um fundo mundial contra a fome, que seria financiado pelas atuais despesas militares.

Para o Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz é fundamental perceber a atualidade desta encíclica nas mais diversas áreas, desde a economia, política, diálogo com outros povos, culturas e religiões, etc, uma reflexão à escala global a partir da doutrina social da igreja.

08 outubro 2020, 13:37