Busca

Vatican News
Buraco de míssil no teto da Catedral de Cristo Salvador Buraco de míssil no teto da Catedral de Cristo Salvador  (AFP or licensors)

Bombardeada Catedral armênia de Cristo Salvador

O Patriarca supremo e Catholicos de todos os Armênios, Karekin II, em entrevista à imprensa local, rejeitou as tentativas de atribuir o cunho do conflito religioso, entre cristãos e muçulmanos, à escalada militar em Nagorno Karabakh.

Vatican News

A Catedral dos armênios, na cidade de Shushi, em Nagorno Karabakh, dedicada a Cristo Salvador, foi alvo de um míssil, nesta quinta-feira (8/10), que causou grandes prejuízos internos e externos. As autoridades da Armênia atribuem o ataque ao exército azerbaijano, no contexto da nova escalada militar na região.

Trata-se de mais um episódio de conflito naquela área, que dura trinta anos, entre as duas ex Repúblicas soviéticas. As autoridades políticas e militares de Baku, por sua vez, rejeitam as acusações do governo armênio, dizendo que "ao contrário das forças armadas armênias, as do Azerbaijão não visam objetivos de importância histórica e cultural, sobretudo edifícios religiosos e monumentos".

A Catedral armênia de Cristo Salvador, construída entre 1868 e 1887, também foi utilizada como depósito de armas pelo exército azerbaijano, em fins do século passado, durante o primeiro surto do conflito.

Nos últimos dias, o Patriarca supremo e Catholicos de todos os Armênios, Karekin II, em entrevista à imprensa local, rejeitou as tentativas de atribuir o cunho do conflito religioso, entre cristãos e muçulmanos, à escalada militar em Nagorno Karabakh: “O povo armênio se espalhou pelo mundo inteiro, a partir da Idade Média, e sobretudo após o Genocídio Armênio na Turquia Otomana. Muitos países islâmicos estenderam a mão fraterna aos filhos do povo armênio, que sobreviveram ao genocídio, e os acolheram. Essas comunidades armênias ainda existem. Nossa Santa Igreja Apostólica Armênia tem dioceses e paróquias em uns dez países de maioria muçulmana, onde os filhos e filhas do nosso povo vivem como cidadãos exemplares, contribuindo para a prosperidade das nações e mantendo uma atitude amigável com as autoridades locais”.

O Patriarca Karekin recordou também que, desde o início do conflito em Nagorno Karabakh, “graças à mediação dos Patriarcas da Igreja Russa, teve início uma série de encontros trilaterais, com a participação de líderes muçulmanos do Cáucaso e do Catholicos de todos os armênios. Durante tais reuniões, foi sempre colocado em evidência que o conflito em Karabakh não tem raízes religiosas; foi reiterada ainda a necessidade de uma convivência pacífica e harmoniosa entre as populações cristã e muçulmana da região”. Agora – acrescentou o Patriarca de todos os armênios - “assistimos às constantes tentativas do Presidente do Azerbaijão de atribuir um cunho religioso ao conflito em Karabakh. É uma provocação que, infelizmente, pode ter consequências terríveis”.

Agência Fides - GV

Photogallery

Catedral após bombardeio
10 outubro 2020, 11:27