Busca

Vatican News
Mulheres de Papua-Nova Guiné Mulheres de Papua-Nova Guiné  (AFP or licensors)

Papua-Nova Guiné: a Igreja ajuda mulheres acusadas de bruxarias

“A fé no poder de Jesus Cristo é o antídoto mais poderoso para combater as crenças demoníacas". A Igreja em Papua-Nova Guiné não aceita a situação de mulheres acusadas e assassinadas com a acusação de bruxaria. As iniciativas para acabar com a impunidade e ajudar as vítimas

Vatican News

A “caça às bruxas” causa vítimas e a Igreja em Papua-Nova Guiné não aceita a situação. Não é uma prática limitada aos livros de história da Idade Média, mas um fenômeno que ainda afeta certas áreas da grande ilha da Nova Guiné no Oceano Pacífico. A crença na bruxaria ainda é generalizada e gera atos de violência ou mesmo o assassinato de pessoas, em sua maioria mulheres, acusadas de lançar uma maldição sobre alguém da comunidade.

Missionária Irmã Lorena Jenal

O caso de três mulheres torturadas e salvas por milagre no distrito de Mendi, no dia da última Páscoa, com a acusação de "sanguma" (como é chamada a bruxaria na língua local), voltou a chamar a atenção contra uma prática que na província do Planalto meridional (Southern Highlands) já causou no último ano doze vítimas e outras 76 mulheres acusadas, espancadas e que conseguiram escapar de linchamento. "As três mulheres estão se recuperando da tortura física, mas o trauma que sofreram está longe de ser curado", explica a Irmã Lorena Jenal, missionária franciscana suíça, que há mais de trinta anos é encarregada de acolher e proteger as mulheres acusadas de bruxaria. "Muitas mulheres foram enforcadas, torturadas e mortas em aldeias remotas da província, mas com frequência as notícias não chegam até nós e as famílias permanecem em silêncio por medo de represálias", relata a irmã. "Deve ser feito alguma coisa para encorajar as famílias das mulheres acusadas a se apresentarem e denunciar o abuso e a violência sofridos", acrescentou relatando o firme compromisso de sua comunidade.

“Casa da Esperança”

As religiosas dedicam-se a encontrar casas seguras para abrigar mães e mulheres assustadas que fugiram de ameaças, intimidações e espancamentos. "Não é apenas dever das instituições ajudá-las. É dever moral de todos proteger as próprias mães e irmãs e combater os problemas e superstições ligados à bruxaria", observou a Irmã Jenal, relatando a próxima abertura de uma "Casa da Esperança", um lugar seguro, dedicado às vítimas da violência, onde as mulheres podem receber cuidados médicos, ter acolhida, proteção.

Marcha pela conscientização

Precisamente com a intenção de oferecer sua contribuição de forma pacífica e não violenta, a Irmã Jenal organizou uma marcha com os fiéis locais, com cantos e orações, até o lugar onde as três mulheres foram torturadas, com a intenção de "oferecer a paz e o perdão que o Senhor Ressuscitado deu a seus discípulos", e lançar um apelo sincero "para pôr fim às acusações de bruxaria e violência de todo tipo". A iniciativa, relatou a religiosa, despertou muita emoção entre a população local.

Frei Lippert: fim da impunidade

O frade capuchinho Mons. Donald Francis Lippert, que dirige a diocese de Mendi, capital da província de Southern Highlands, reconhece que o problema é grave e endêmico na sociedade indígena, no entanto observa que "estas práticas não fazem realmente parte de nossa cultura ancestral". "Os que torturam e matam mulheres acusadas de bruxaria são culpados de um crime", disse Monsenhor Lippert, falando à comunidade no primeiro Dia Internacional contra a acusação de bruxaria, e enfatizando a urgência de acabar com a impunidade. "Os ataques a pessoas suspeitas de praticar magia negra só cessarão quando os agressores forem presos e condenados". "Continuamos nossos esforços para rezar e agir juntos para acabar com essa violência absurda", concluiu o bispo.

É necessária uma resposta nacional

A questão é que o governo de Papua Nova Guiné parece ter subestimado este fenômeno. Em 2013, após um escândalo internacional que atingiu o país, causado pelos assassinatos de mulheres consideradas "bruxas", o Parlamento aboliu a Lei de bruxaria que remontava a 1971. Essa lei dividia a bruxaria em "boa" e "má" e considerava uma circunstância atenuante, nos casos de assassinato de uma pessoa que fosse suspeita de ser uma bruxa. De acordo com o missionário católico verbita Franco Zocca, que esteve em missão em Papua e professor no Instituto Melanesian de Goroka, na luta contra as crenças e práticas de bruxaria a contribuição da Igreja - quase dois milhões de católicos, cerca de 27% da população - é crucial, mas é necessária uma "resposta nacional".

Jesus Cristo para combater crenças demoníacas

O missionário lembra: "Como aconteceu na Europa séculos atrás, as acusações contra supostos bruxos só cessaram depois que descobertas científicas e médicas explicaram as causas naturais de doenças ou epidemias. Com base nessa experiência, as Igrejas podem ajudar a erradicar as crenças esotéricas. Quando se trata de crenças, na verdade a teologia tem um papel importante a desempenhar". "A fé no poder de Jesus Cristo", aponta o missionário, "é o antídoto mais poderoso para combater as crenças demoníacas".

(Fonte: L’Osservatore Romano)

02 setembro 2020, 12:48