Busca

Vatican News
O convite é para refletir seriamente sobre uso correto das redes e como antídoto para Fake News O convite é para refletir seriamente sobre uso correto das redes e como antídoto para Fake News  (ANSA)

Bispos do Malauí: redes sociais sejam um instrumento de esperança e evangelização

O apelo foi feito pelo coordenador nacional das Comunicações Sociais da Conferência Episcopal, Pe. Godino Phokoso, durante um encontro da Organização Católica das Mulheres, promovido no final de agosto, em Lilongwe. Ele exortou aos cristãos que as redes sociais sejam usadas para difundir e pregar a esperança, sobretudo em meio à pandemia e as Fake News.

Vatican News

A Conferência Episcopal do Malauí, através do coordenador nacional das Comunicações Sociais, Pe. Godino Phokoso, pede aos cristãos que as redes sociais sejam usadas para difundir e pregar a esperança. A exortação foi feita durante um encontro da Organização Católica das Mulheres, promovido em 30 de agosto, em Lilongwe.

O convite é para que se busque a refletir seriamente sobre o uso correto das redes digitais, também como antídoto para as "fake news", especialmente no contexto atual da pandemia de Covid-19. O Pe. Godino, em material divulgado pela Amecea (Associação dos membros das Conferências Episcopais da África Oriental), disse que "a Igreja Católica no Malauí acredita firmemente que, mesmo em meio às rigorosas medidas adotadas para a contenção do coronavírus e que preveem o distanciamento social, os cristãos devem continuar a evangelizar".

Na situação atual, portanto, as redes sociais "devem nos permitir difundir o Evangelho, inspirando a esperança entre os crentes de que a pandemia será logo superada". Em "colaboração com o governo", então, "os cristãos devem estar prontos para responder da melhor maneira essa calamidade", concluiu o coordenador.

O apoio da Organização Católica das Mulheres

Por sua vez, Lucy Vokhiwa, do grupo das mulheres católicas, reiterou o compromisso da organização de ajudar as pessoas afetadas pela Covi-19, principalmente “os mais vulneráveis”. Para isso, disse ela, “fizemos um apelo a todos os cristãos e a todas as pessoas de boa vontade: apoiem a nossa causa". Até esta segunda-feira (7), o Malauí registou pouco mais de 5.500 casos confirmados de Covid-19 no país e 175 pessoas que morreram vítimas da doença.

Vatican News Service - IP

07 setembro 2020, 15:10