Busca

Vatican News
"A pandemia trouxe à tona as feridas e as fragilidades de nosso mundo, revelando que nossas respostas devem ser oferecidas em solidariedade inclusiva, aberta aos seguidores de outras tradições religiosas e às pessoas de boa vontade” "A pandemia trouxe à tona as feridas e as fragilidades de nosso mundo, revelando que nossas respostas devem ser oferecidas em solidariedade inclusiva, aberta aos seguidores de outras tradições religiosas e às pessoas de boa vontade”  (AFP or licensors)

Solidariedade religiosa a serviço do mundo ferido pela Covid-19

Uma resposta ecumênica e inter-religiosa tempestiva e solidária para se preparar para o futuro do mundo atravessado pela pandemia, está no centro do documento de reflexão e encorajamento elaborado conjuntamente pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e o Pontifício Conselho para o Diálogo Interreligioso (PCID)

Gabriella Ceraso - Cidade do Vaticano

Encorajar as igrejas e organizações cristãs a refletirem sobre a importância da solidariedade inter-religiosa em um mundo ferido pela pandemia. Este é o objetivo do documento conjunto elaborado pelo Conselho Mundial de Igrejas (WCC, sigla em inglês)) e pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso (PCID) intitulado: “Servir a um mundo ferido na solidariedade inter-religiosa. Um chamado cristão à reflexão e à ação durante a Covid-9".

A publicação - lê-se no comunicado conjunto - também pensada para ser útil aos representantes de todas as religiões que já responderam à Covid-19 com pensamentos semelhantes, baseados em suas próprias tradições.

Ouça e compartilhe

Covid-19: uma nova solidariedade a partir da pandemia

O documento - lê-se ainda na nota conjunta que o acompanha - reconhece o contexto atual da pandemia como um momento para descobrir novas formas de solidariedade para repensar o nosso amanhã.

Composto por cinco seções, após uma introdução, o texto reflete sobre a natureza de uma solidariedade sustentada pela esperança e oferece uma base cristã para a solidariedade inter-religiosa, expondo então alguns princípios-chave e uma série de recomendações sobre como a reflexão sobre a solidariedade pode ser traduzida em ações concretas e credíveis.

O presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, cardeal Miguel Ángel Ayuso Guixot, recordou que o serviço cristão e a solidariedade, em um mundo ferido, estão na ordem do dia das atividades das duas instituições desde o ano passado.

A pandemia inspirou o projeto a agir como uma "resposta ecumênica e inter-religiosa oportuna", acrescentando que "a pandemia trouxe à tona as feridas e as fragilidades de nosso mundo, revelando que nossas respostas devem ser oferecidas em solidariedade inclusiva, aberta aos seguidores de outras tradições religiosas e às pessoas de boa vontade”, considerando a preocupação por toda a família humana.

O secretário-geral interino do WCC, professor Ioan Sauca, enfatizou que o diálogo inter-religioso é vital para a cura e o cuidado uns dos outros em nível global. “Diante da pandemia - disse ele - a família humana está enfrentando em conjunto um chamado sem precedentes para proteger uns aos outros e salvar nossas comunidades”.

“O diálogo inter-religioso não somente ajuda a esclarecer os princípios da nossa fé e da nossa identidade cristã, mas também abre a nossa compreensão dos desafios - e das soluções criativas - que os outros podem oferecer”.

O documento é o último a ser coproduzido pelo WCC e pelo Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, após a publicação de "Educação para a Paz no mundo plurirreligioso, uma perspectiva cristã", em maio de 2019.

27 agosto 2020, 12:51