Busca

Vatican News
Grupo de 130 membros da associação participam da viagem, a primeira durante a pandemia Grupo de 130 membros da associação participam da viagem, a primeira durante a pandemia   (AFP or licensors)

Doentes em peregrinação: viagens da Unitalsi a Lourdes são retomadas em agosto

A tradicional peregrinação a Lourdes promovida pela Unitalsi, a União Nacional Italiana de Transporte de Doentes a Lourdes e aos Santuários Internacionais, começou nesta semana com a partida de um avião de Cagliari, na Itália, na terça-feira (18). Daqui a algumas semanas, outros grupos vão partir pra França. "É uma grande emoção voltar aqui", afirmou o presidente da seção sul da Sardenha da Unitalsi, Sergio Zuddas.

Andrea De Angelis - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

Alegria e prudência. Emoção e dor. E esperança. Representa tudo isso e muito mais a retomada das peregrinações a Lourdes por parte da Unitalsi, a União Nacional Italiana de Transporte de Doentes a Lourdes e aos Santuários Internacionais. A cidade francesa sabe bem como é importante a presença dos voluntários da organização que tiveram que suspender as atividades habituais devido à pandemia. O reinício oficial aconteceu na última terça-feira, 18 de agosto.

O presidente nacional da Unitalsi, Antonio Diella, porém, afirmou que o apoio às pessoas mais frágeis nunca parou, aqueles que "contaram, contam e sempre poderão contar conosco".

A primeira peregrinação

Com um avião partindo de Cagliari três dias após a Festa da Assunção de Nossa Senhora, a Unitalsi retomou, então, as peregrinações tradicionais ao Santuário de Lourdes. Cerca de 130 membros da associação participam da viagem – a primeira ainda em época de pandemia – que termina no próximo sábado (22) e está sendo liderada por dom Mosé Marcia, bispo emérito de Nuoro e presidente da seção sul da Sardenha da Unitalsi, Sergio Zuddas: "é uma grande emoção voltar aqui", disse ele.

A retomada das viagens

"Nestes meses nunca paramos, ficamos perto das pessoas, mas, estar aqui é uma coisa totalmente diferente", disse o presidente que não esconde a alegria de voltar a Lourdes, assim como não faz mistério do sabor agridoce desta primeira peregrinação. Para reiniciar totalmente ainda será necessário um tempo, mas essa retomada tem um valor importante:

“Em comparação às imagens vistas de casa, em Lourdes, na primavera, posso dizer que há um certo número de pessoas, todas em total conformidade com as normas de segurança, e isso dá um grande prazer. Mas, ainda se respira um pouco de medo pela pandemia que continua, assim como sinto um pouco de tristeza ao comparar essa experiência com aquelas do passado, quando os números eram diferentes.”

Proximidade e amor

"Nossa presença pode levar outras pessoas, que talvez já tenham acendido a centelha do bem, a nos seguir", continua o presidente, lembrando como "o carisma de Unitalsi nos leva a estar perto dos outros". Lembrando as palavras do Papa, de nos descobrirmos todos mais frágeis, o representante da Unitalsi afirma como "as pessoas mais vulneráveis procuram segurança, conforto, proximidade em um momento tão difícil". E ele, então, conclui: "estamos falando de irmãos e irmãs que precisam se sentir mais amados, e nosso desejo é que o desejo de se dedicar aos outros, que tantas pessoas têm no coração, se torne concreto".    

A temporada de peregrinações vai continuar sem parar de setembro a novembro para terminar com a peregrinação nacional marcada para 8 de dezembro, dia em que se celebra a Imaculada Conceição.

20 agosto 2020, 13:21