Busca

Vatican News
Ecuadorians pray at Santo Domingo church "Como fiéis católicos devemos ser muito responsáveis e implementar medidas de biossegurança, cuidar de nós mesmos e cuidar dos outros", Dom Wálter Heras  (ANSA)

Pela primeira vez em 150 anos, suspensa maior peregrinação mariana do Equador

Pela primeira vez em mais de 150 anos de história, não haverá a grande peregrinação de Nossa Senhora, considerada uma das maiores da América, devido à atual situação pela qual passa o país em função da Covid-19.

Cidade do Vaticano

As autoridades civis, eclesiásticas, militares e policiais da cidade e da província de Loja, no Equador, se reuniram para começar a trabalhar no protocolo de biossegurança, para a transferência da Imagem da Virgem de El Cisne, de seu Santuário para a cidade de Loja.

Durante o encontro, foram discutidas questões importantes a serem consideradas para a preparar o programa de prevenção por parte das instituições: atividades religiosas no Santuário, transferência da imagem, permanência em Loja e seu retorno.

Foi comunicado que, pela primeira vez em mais de 150 anos de história, não haverá a grande peregrinação de Nossa Senhora, considerada uma das maiores da América, devido à atual situação pela qual passa o país em função da Covid-19.

No entanto, a imagem da Virgem de El Cisne partirá de carro do Santuário e começará sua jornada de 74 km na segunda-feira 17 de agosto, passará a noite em San Pedro de la Bendita e no dia 18 partirá para Catamayo, onde ficará até 20 de agosto, dia em que chegará a Loja para ficar na catedral até 1º de novembro.

Na nota enviada à Agência Fides pela Conferência Episcopal do Equador, Dom Wálter Heras, bispo da diocese de Loja, sublinhou que os fiéis receberam bem as medidas preventivas adotadas na reabertura das igrejas e espera que o mesmo aconteça em relação a este importante evento. "Devemos viver a fé, mas devemos ser obedientes. Como fiéis católicos devemos ser muito responsáveis ​​e implementar medidas de biossegurança, cuidar de nós mesmos e cuidar dos outros", afirmou.

Não haverá a tradicional Eucaristia na Brigada de Infantaria e as outras atividades noturnas foram suspensas. Por fim, foi comunicado que a imagem mariana será ornamentada com trajes camponeses, em reconhecimento àqueles que ofereceram esforço e sacrifício no cultivo da terra, para que não faltasse comida para militares, policiais e médicos, em sinal de agradecimento por sua contribuição na luta contra a Covid 19.

(CE - Agência Fides)

07 julho 2020, 13:09