Busca

Vatican News
Corpus Christi Corpus Christi 

Corpus Christi na Baixada Fluminense

Fiéis das dioceses da Baixada Fluminense no Rio de Janeiro não deixaram de confeccionar os tradicionais tapetes de Corpus Christi.

Rio de Janeiro

Nem mesmo a pandemia da Covid-19 que assola o Rio de Janeiro, fazendo com que a população necessite adotar as regras do distanciamento social, foi capaz de impedir que a cerimônia de Corpus Christi pudesse ser realizada este ano na Baixada Fluminense. Se por um lado as igrejas seguem fechadas para a celebração pública da santa missa, as casas se tornaram a extensão dos templos e as famílias o seio da Igreja doméstica. Foi assim que muitos fiéis, motivados por ações das Dioceses de Duque de Caxias e Nova Iguaçu, confeccionaram os tradicionais tapetes que colorem as ruas de nossas cidades e ornamentaram suas portas e quintais. Neste ano o sal, borra de café e serragem deram lugar ao papel e tinta.

A pedagoga Letícia Siébra, de 30 anos, fez os tapetes em família:

"Nossas igrejas seguem fechadas para as missas, mas em nenhum momento eu e minha família deixamos de viver a nossa fé. Nos reunimos aos domingos para rezarmos juntos e, hoje, confeccionamos os tapetes de Corpus Christi com as crianças. Depois, fizemos um momento de oração. Isso nos deixa mais próximos de Deus, com esperança de que tudo vai ficar bem, mesmo em meio a tantas incertezas e descaso das autoridades com o povo".

Na Paróquia Imaculada Conceição, Vila São Luís, o padre Carlos Antônio levou o Santíssimo Sacramento pelas ruas do bairro. O Padre Renato Gentile, vigário geral da Diocese de Duque de Caxias, também saiu às ruas. Diferentemente da tradicional procissão que sempre é acompanhada por dezenas de pessoas, a deste ano foi realizada apenas pelo sacerdote que era recebido pelos fiéis nas portas de suas casas.

Na Diocese de Nova Iguaçu, Dom Gilson Andrade da Silva celebrou, pela manhã, missa que foi transmitida ao vivo pela página da diocese no Facebook. Ele também seguiu em cortejo com o Santíssimo, abençoado os fiéis pelas ruas da cidade. Em sua homilia, o bispo de Nova Iguaçu, falou de saudade, “tenho ouvido de muitos irmãos e irmãs que estão sentido muita saudade dos seus pais, das suas comunidades, de ir a missa. Nós padres também temos saudade de vocês. Isso é próprio de quem ama e quer estar presente e quem ama requer presença. E Jesus buscou muitas maneiras de se fazer presença no meio da humanidade. A principal delas foi para nós na Eucaristia, dando o seu Corpo e o Sangue”.

Adielson Agrelos

Assessoria de Comunicação das Dioceses de Duque de Caxias e Nova Iguaçu

 

12 junho 2020, 14:25