Busca

Vatican News

Bispos do Equador: a corrupção condena os necessitados à morte

No contexto da crise não somente econômica, mas também social e de saúde que se respira no país, ao tempo em que os pobres são cada vez mais privados de toda e qualquer oportunidade, “é preciso transparência na gestão dos recursos”, reitera a Conferência episcopal, e o combate à corrupção não deve ser uma exceção”. De fato, tal prática deplorável “favorece à cultura do descarte em relação aos mais vulneráveis e fomenta a injustiça e a impunidade”

Vatican News

Ouça e compartilhe

A corrupção é “um pecado gravíssimo”, “incompatível com a fé cristã” e representa “um crime que condena à morte muitas pessoas em estado de necessidade”: é a dura advertência expressa pela Conferência Episcopal do Equador (CEE) numa Carta aberta aos fiéis difundida na segunda-feira, 29 de junho.

O documento é publicado no momento em que no país, atingido pelo coronavírus, apareceram irregularidades na aquisição e no fornecimento de medicamentos, dispositivos de segurança individual como as máscaras faciais, e alimentos.

Proximidade dos bispos ao povo sofredor

Trata-se de “proliferação escandalosa dos casos de corrupção”, escrevem os bispos que se dizem próximos do povo sofredor por causa da perda “da vida, do trabalho, da esperança”.

Mas além de denunciar a corrupção, a Igreja no Equador evoca também a necessidade de tutelar “o direito à vida, dom de Deus”, porque “a saúde é um direito humano irrenunciável”, enquanto hoje se transformou “num comércio miserável”.

Combate à corrupção não deve ser exceção

No contexto da crise não somente econômica, mas também social e de saúde que se respira no país, ao tempo em que os pobres são cada vez mais privados de toda e qualquer oportunidade, “é preciso transparência na gestão dos recursos”, reitera a Conferência episcopal, e o combate à corrupção não deve ser uma exceção”.

De fato, tal prática deplorável “favorece à cultura do descarte em relação aos mais vulneráveis e fomenta a injustiça e a impunidade”. Os bispos do Equador advertem que “se terá que prestar contas a Deus” de tais atitudes, marcadas pela “indiferença e irresponsabilidade” para com o próximo.

Cada um dê o melhor de si

Por isso, os prelados exigem “que sejam feitas investigações mais exaustivas possíveis” para recuperar o dinheiro roubado e restituí-lo aos cidadãos. “Um povo digno não pode ser cúmplice da corrupção e da impunidade”, reiteram.

Por fim, os bispos se dizem confiantes no sistema democrático e fazem votos de que o povo “não se conforme em viver segundo os ditames da corrupção”. “Cada um dê o melhor de si em favor da justiça, da paz, do bem comum e do futuro do país”, é a exortação conclusiva da Carta da Conferência episcopal equatoriana.

Vatican News – IP/RL

30 junho 2020, 14:38