Busca

Vatican News
Passagem do ciclone Amphan Passagem do ciclone Amphan  (AFP or licensors)

Bangladesh: ciclone Amphan causa estragos num país provado pelo coronavírus

A tempestade colocou literalmente de joelhos um país pobre e provado pela pandemia de coronavírus em que 50 mil pessoas foram infectadas e a primeira morte foi registrada dentro de um campo de refugiados da minoria birmanesa Rohingya.

Vatican News

Mais de quatro mil casas destruídas e onze mil famílias com as casas que sofreram danos. Este é o balanço desastroso da passagem do ciclone Amphan no confim entre Bangladesh e Índia, com ventos com mais de 160 km por hora, afetando de modo particular as regiões de Shyamnagar, em Satkhira, segundo informações obtidas por CathNews através da Caritas Austrália.

Última em ordem cronológica numa área muitas vezes afetada por ciclones com consequências catastróficas em termos de perdas de vidas humanas e estruturas, a tempestade colocou literalmente de joelhos um país pobre e provado pela pandemia de coronavírus em que 50 mil pessoas foram infectadas e a primeira morte foi registrada dentro de um campo de refugiados da minoria birmanesa Rohingya.

Segundo a Caritas, piora ainda a situação o aproximar-se da estação da monção que corre o risco de desencadear uma nova crise humanitária sem precedentes em Bangladesh.

Segundo a análise feita, há muito o que fazer: milhões de cidadãos estão deslocados e vivem em moradias temporárias obtidas em tendas improvisadas e prédios vazios. Existe uma constante falta de acesso a alimentos e as distribuições de alimentos secos não são suficientes para atender a todas as necessidades. O acesso à água potável também tornou-se complicado, obrigando as pessoas a percorrerem até dois quilômetros por dia para obtê-la, e a maioria das atividades geradoras de renda, como agricultura, criação de peixes e gado, também foi danificada.

Os fundos que a Caritas Austrália está recolhendo para a emergência em Bangladesh serão destinados a todas essas emergências.

Vatican News - RB

04 junho 2020, 14:50