Busca

Vatican News
Lago em Malawi durante seca em novembro de 2018 Lago em Malawi durante seca em novembro de 2018  (AFP or licensors)

Rede Católica de Jovens promove Conferência Laudato Si no Quênia

Inúmeros projetos promovidos nos últimos anos pela rede católica são focados em três objetivos centrais: a sensibilização e formação dos jovens sobre questões ambientais e da sustentabilidade, o encorajamento à serem promotores da causa ambiental na sociedade e construir redes e a atuação nas próprias paróquias, escolas e movimentos, adotando comportamentos sustentáveis ​​para preservar o meio ambiente. A Encíclica de Francisco sobre o cuidado pela casa comum deu um novo impulso a esses projetos e iniciativas promovidos em colaboração com outras organizações católicas e também instituições internacionais.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

Ajudar os jovens católicos da África Subsaariana, seus movimentos e comunidades, a responder ao duplo desafio da emergência ambiental e das mudanças climáticas de uma maneira que seja ao mesmo tempo eficaz, coordenada e inspirada no Evangelho, com base nos ensinamentos sociais da Igreja sob os cuidados da criação e atenção ao mais frágeis e respeitador das culturas africanas.

Inspiração em mensagem de São João Paulo II

 

Esta é a missão da Catholic Youth Network for Sustainability in Africa (Cynesa), (Rede Católica de Jovens para a Sustentabilidade na África), uma plataforma ecológica católica criada em 2012 por iniciativa de um grupo de jovens do Quênia, Etiópia, Zimbábue, Tanzânia, Zâmbia, Ruanda e África do Sul, inspirados na Mensagem de São João Paulo II para o XXIII Dia Mundial da Paz de 1990, dedicado ao tema da salvaguarda da Criação. Um texto que, com referência à "responsabilidade ecológica", entendida ao mesmo tempo como responsabilidade para com os outros e com o meio ambiente, antecipava os grandes temas abordados pelo Papa Francisco na Laudato si.

Os objetivos centrais

 

Inúmeros projetos promovidos nos últimos anos pela rede católica são focados em três objetivos centrais: a sensibilização e formação dos jovens sobre questões ambientais e da sustentabilidade - com base nas Escrituras, na espiritualidade inaciana, na pesquisa científica e na Doutrina Social da Igreja -; o encorajamento à  serem promotores da causa ambiental na sociedade e construir redes; e a atuação nas próprias paróquias, escolas e movimentos, adotando comportamentos sustentáveis ​​para preservar o meio ambiente.

A Encíclica de Francisco sobre o cuidado pela Casa comum deu um novo impulso a esses projetos e iniciativas promovidos em colaboração com outras organizações católicas e também instituições internacionais.

Proteção da biodiversidade

 

Nos dias passado, a Cynesa organizou sua terceira Conferência internacional sobre "Laudato si" em Nairóbi, Quênia, dedicada este ano à proteção da biodiversidade em vista da nova estratégia de dez anos das Nações Unidas (2020-2030), que será discutida na XV Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (Cop15), prevista para outubro próximo em Pequim.

"Um novo pacto em favor da natureza e dos homens: um apelo ao clero" foi o título do encontro, organizado em colaboração com o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

O papel dos jovens católicos

 

A conferência contou com a presença de mais de quarenta sacerdotes da África Subsaariana, que discutiram o papel que os jovens católicos africanos podem desempenhar na proteção da biodiversidade por meio da divulgação do conteúdo da "Laudato Si" e do "Novo pacto pela natureza e os homens" lançado pelo WWF para tornar operacionais os esforços necessários para a nova estratégia decenal da ONU.

Entre os palestrantes Seif Hamisi, delegado do WWF, que exortou o clero católico africano a buscar novas ideias para dar impulso à luta contra a destruição da biodiversidade, pelo envolvimento dos fiéis: "Temos necessidade de cidadãos que pressionem seus líderes para que se tornem promotores da causa contra a perda de biodiversidade", disse o delegado, enfatizando que a África, com sua água, energia, cultura e espiritualidade, depende ainda mais diretamente da natureza do que outros continentes.

Vatican News - LZ

15 junho 2020, 07:47