Busca

Vatican News
 Desenhos de crianças para médicos e enfermeiros em frente ao Hospital de Milão Desenhos de crianças para médicos e enfermeiros em frente ao Hospital de Milão   (ANSA) A história

Uma rede de caridade que pode sustentar todos

“Tu bem sabes, oh meu Deus. Para amar-Te neste mundo, não tenho nada mais que hoje!”. Padre Giuseppe Scalvini um dos capelães do Hospital de Milão apela para as palavras de Santa Teresinha de Lisieux. O sacerdote fala da sua experiência e recorda que nos dias de hoje, a única coisa a fazer é amar todas as pessoas que encontramos

Debora Donnini – Cidade do Vaticano

O centro da emergência do Coronavírus na Itália é a região da Lombardia. Em particular, neste domingo (29/03) a região com o maior número de novos casos positivos foi a de Milão. Uma informação a ser colocada também em relação com o aumento do número de testes feitos na Região. Padre Giuseppe Scalvini, é um dos capelães do Hospital Policlínica de Milão que neste período buscam dar conforto à dor diária e ao medo, que está vivendo a Itália. Nesta diocese faleceram, por causa do Covid-19, oito sacerdotes, entre os quais sete diocesanos e um salesiano. Entre eles estava um amigo seu, nos conta padre Giuseppe, e fala do heroísmo diário que distingue a vida dos que cuidam dos doentes, principalmente nos hospitais.

Padre Giuseppe Scalvini: Este é o hospital central de Milão. Aqui vejo uma grande dedicação, um grande compromisso por parte de todos e se constata-se um heroísmo diário. Talvez agora seja mais evidenciado, porém são pessoas que todos os dias se dedicam ao cuidado das pessoas. Neste período, obviamente, tudo foi amplificado por causa da pandemia. Há uma disponibilidade infinita para trabalhar, para cuidar, para acompanhar, e contatar os familiares. Vejo muitas vezes, andando pelos corredores, estes médicos e enfermeiros muito cansados, mas que continuam fazendo seu trabalho com confiança. Junto com eles, a outras pessoas que fazem com que o hospital siga em frente: os funcionários administrativos, o serviço de limpeza e de cozinha.

Como os capelães do Hospital podem ajudar os pacientes não podendo estar ao lado deles fisicamente?

Padre Scalvini: Procuramos nos tornar uma presença de Jesus no meio do seu povo: Jesus que reconhece Jesus na pessoa doente. É claro que não podemos entrar nos quartos e terapia intensiva. Porém celebramos a Eucaristia, todos os dias, rezamos por todos. Alguns dias atrás, o arcebispo, que é também o pároco da Policlínica de Milão e eu levamos Jesus Eucaristia nas ruelas que separam os pavilhões da Policlínica detendo-nos para abençoar cada um deles. Deste modo procuramos estar próximos dos pacientes, mesmo com pequenos gestos. Outro dia atendemos a solicitação de uma médica que estava internada e queria um Terço, hoje uma família me ligou dizendo que era o aniversário do pai que estava também internado, e falando com os médicos estes se disponibilizam de dar-lhe os parabéns: são pequenos gestos que fazemos com todo o amor possível, com toda a disponibilidade possível.

Qual é a oração que o senhor tem hoje no coração?

Padre Scalvini: Hoje acordei com o pensamento de Teresinha de Jesus: “Tu bem sabes, oh meu Deus. Para amar-Te neste mundo, não tenho nada mais que hoje!”.

“Acredito que se concentrar no momento presente seja a realidade fundamental, sentir que Deus nos ama neste momento e fazer de tudo para amar as pessoas que encontramos, uma a uma. Se todos fizermos assim, a verdadeira rede que é a caridade cristã continuará a sustentar todos: os doentes, os que cuidam, os familiares em casa, quem perdeu um cônjuge e que nem mesmo pôde dar adeus e acompanhar até o cemitério”

Amar no momento presente: isso é o que nos mantém em pé e o que nos faz ser homens e mulheres do Evangelho, assim como o Senhor nos pede.  

Na diocese de Milão faleceram muitos sacerdotes, o senhor os conhecia?

Padre Scalvini: Um desses sacerdotes era meu amigo, uma amizade de muitos anos e tivemos a oportunidade de nos encontrar em janeiro, quando nada disse estava acontecendo, por isso trago no meu coração uma lembrança muito bela de um homem totalmente dedicado à sua comunidade. Tinha me convidado para ir à sua paróquia falar sobre a minha experiência em hospitais e guardo no coração este encontro como algo muito belo, na espera, quando for o momento, de nos reencontrarmos lá.

30 março 2020, 16:11