Busca

Vatican News
Fiel se protege com máscara na Catedral de Kazan, em São Petersburgo Fiel se protege com máscara na Catedral de Kazan, em São Petersburgo  

Diretrizes da Igreja Ortodoxa russa para evitar contágios

Atualmente, na Rússia, o número de pessoas infectadas pelo "Covid-19" é de 114 pessoas distribuídas em 26 regiões do país. Citada pela agência Tass, a vice-primeira-ministra Tatyana Golikova especificou que "5 pessoas foram curadas e receberam alta, enquanto 109 estão hospitalizadas. Destes, 106 têm uma forma leve da doença, sem sintomas".

Cidade do Vaticano

São específicas e detalhadas as diretrizes aprovadas pelo Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa para enfrentar "a ameaça de disseminação do coronavírus". O documento - publicado em inglês e francês no site do Departamento para as Relações Exteriores da Igreja Ortodoxa de Moscou - reitera em primeiro lugar "a firme fé na ação da Divina Providência e no Poder de Deus Todo-Poderoso", mas ao mesmo tempo recomenda observar as prescrições estabelecidas "até que a situação epidemiológica melhore".

Orientação em relação aos Sacramentos

 

Em relação à comunhão, pois "onde não há Eucaristia, não há vida na Igreja", é prescrito que "após cada comunhão, a pinça usada seja limpa com um pano embebido em álcool e desinfetante, e depois enxaguada com água". Para limpar os lábios daqueles que se aproximaram do sacramento eucarístico, serão utilizados "guardanapos de papel que serão queimados", enquanto os fiéis que comungam "devem evitar beijar o cálice".

Em relação aos outros sacramentos, como o Batismo, o documento explica que "será administrado individualmente, seguido pela limpeza da fonte batismal ou do batistério com um líquido desinfetante", indicado para este fim.

Outras indicações dizem respeito à unção dos fiéis, para a qual é sugerido o uso de "um algodão que será queimado". Recomendado também o uso de luvas higiênicas descartáveis ​para a distribuição do pão abençoado e a suspensão das atividades das escolas dominicais e dos grupos paroquiais.

Ícones também terão que ser desinfectados
Ícones também terão que ser desinfectados

Desinfecção de espaços comuns e ícones

 

Ao mesmo tempo, os serviços sociais de paróquias e mosteiros são convidados, "na medida do possível, a ajudar os idosos, as pessoas mais vulneráveis, fornecendo a eles alimentos e gêneros de primeira necessidade".

O Santo Sínodo, ademais, recorda que devem ser adotadas regras precisas para a ventilação das igrejas, espaços paroquiais e monásticos abertos ao público, bem como para a higienização de móveis, em especial as maçanetas das portas. Até os ícones venerados pelos fiéis serão desinfetados "usando produtos apropriados" para esse fim.

“Não tentarás o Senhor, teu Deus”

 

A todos os "ministros da religião, os clérigos e aqueles que estão envolvidos nas paróquias e mosteiros" é pedido "sendo de responsabilidade", medindo a temperatura daqueles que estão em contato com o público e assinalando imediatamente aos serviços de saúde eventuais casos da doença.

Acima de tudo, o documento recomenda explicar aos fiéis que "a aplicação das diretrizes e restrições deve ser considerada uma resposta à Sagrada Escritura: “Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Mt 4,7), e que em nome da caridade e do bem comum, caso se manifestem sintomas de doenças respiratórias, deve-se evitar ir à igreja”.

Atualmente, na Rússia, o número de pessoas infectadas pelo "Covid-19" é de 114 pessoas distribuídas em 26 regiões do país. Citada pela agência Tass, a vice-primeira-ministra Tatyana Golikova especificou que "5 pessoas foram curadas e receberam alta, enquanto 109 estão hospitalizadas. Destes, 106 têm uma forma leve da doença, sem sintomas".

18 março 2020, 17:35