Busca

Vatican News
Papa saúda cardeal Sodano na Sala Clementina Papa saúda cardeal Sodano na Sala Clementina  (Vatican Media)

Sodano deixa função de Decano. Com Motu Proprio, Papa fixa mandato em 5 anos

Francisco aceita a renúncia do ex-Secretário de Estado, no cargo desde 2005, e com um Motu Proprio, fixa um limite temporal à função: cinco anos, eventualmente renováveis

Cidade do Vaticano

O Papa aceitou a renúncia por idade avançada do cardeal Angelo Sodano como Decano do Colégio de Cardeais e, com um Motu Proprio específico, estabeleceu que, a partir de agora, essa função terá a duração de cinco anos, eventualmente renovável, e que no final do mandato, o cardeal que sai receberá o título de "Decano emérito".

Ouça e compartilhe

A decisão do Papa foi tornada pública após o tradicional encontro para as felicitações de Natal à Cúria Romana, que foi aberto com um discurso do Decano. Angelo Sodano, 92 anos, bispo e núncio apostólico desde 1978, secretário de Estado de 1990 a 2005, foi sucessor de Joseph Ratzinger como Decano do Colégio Cardinalício, designado, como previsto nas normas, pelos confrades purpurados da Ordem dos Bispos.

Em 26 de junho de 2018, o Papa Francisco havia decidido aumentar o número de participantes da Ordem dos Bispos, até então formada pelos cardeais titulares das dioceses suburbicárias e pelos patriarcas orientais que receberam a púrpura, incluindo também o Secretário de Estado Pietro Parolin, o prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais Leonardo Sandri, o Prefeito da Congregação para os Bispos Marc Ouellet e o então Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos Fernando Filoni, hoje Grão-Mestre da Ordem Equestre do Santo Sepulcro.

"Agora, porém – escreve Francisco no novo Motu Proprio - tendo aceitado a renúncia" do cardeal Sodano - “a quem agradeço calorosamente pelo elevado serviço prestado ao Colégio de Cardeais nos quase quinze anos de seu mandato - e levando também em consideração o fato de que, com o aumento do número de cardeais, compromissos cada vez maiores venham a pesar sobre pessoa do cardeal Decano, pareceu-me oportuno que, a partir de agora, o cardeal Decano, que continuará a ser eleito dentre os membros da Ordem dos Bispos, segundo as modalidades estabelecidas pelo can. 352 § 2 do Código de Direito Canônico, permaneça no cargo por cinco anos, eventualmente renováveis, e ao término de seu serviço, ele possa assumir o título de Decano emérito do Colégio de Cardeais».

O cardeal Decano preside o Colégio, mas não tem poderes de governo sobre os outros cardeais, sendo um "primus inter pares". Até agora, o cargo não tinha restrição quanto à duração. O Decano convoca o Conclave em caso de Sede vacante e o preside caso tiver menos de oitenta anos e, portanto, seja incluído na lista de eleitores.

No último Conclave, em março de 2013, o cardeal Sodano, com mais de oitenta anos de idade, havia presidido as Congregações Gerais de cardeais, mas não pode entrar na Sistina, e a missão de presidir durante as votações passou para o sub-Decano, Giovanni Battista Re.

21 dezembro 2019, 12:02