Cerca

Vatican News
Festa da Mãe do Perpétuo Socorro na Paróquia de Anori, Amazônia Festa da Mãe do Perpétuo Socorro na Paróquia de Anori, Amazônia 

Amazônia: jesuítas ao lado dos indígenas em vista do Sínodo

Entrevista com o padre Renato Colizzi, presidente do Magis, Movimento de Ação dos Jesuítas para o Desenvolvimento. Sensibilizar as comunidades locais a partir dos jovens

Cidade do Vaticano

Os jesuítas entram em ação em favor dos povos da Amazônia. E fazem isso lançando, na América Latina, várias campanhas de sensibilização com o árduo objetivo de envolver o mundo inteiro em vista do Sínodo dos Bispos para a região pan-amazônica que será realizado no Vaticano de 6 a 27 de outubro deste ano.

Ouça e compartilhe!

“O principal objetivo é o de estimular as novas gerações, só assim será possível salvar a Amazônia” afirma padre Renato Colizzi, presidente do Magis, o Movimento de Ação dos Jesuítas para o Desenvolvimento.

Quais foram as ações que os jesuítas colocaram em prática?

Padre Renato: Na Bolívia, no Brasil e no Peru, nações nas quais está a maior parte da floresta, existem escolas comunitárias administradas pelos jesuítas onde está sendo colocado em prática um programa intercultural específico: fazer os habitantes destas regiões compreenderem a importância do patrimônio que têm a disposição. Muitas vezes eles não têm consciência da riqueza da sua região e dos desastres que causam sua destruição, como os incêndios destes dias. Uma segunda operação é a de ajudar as populações indígenas a tutelar as próprias tradições, começando pela defesa da língua local: o ideal seria publicar manuais e livros na sua língua, para que não seja perdida para sempre. Terceiro ponto, a ecologia. Deve ser explicado aos jovens que todo estilo de vida impacta de modo negativo ou positivo sobre todo o ecossistema. Eles devem conhecer a periculosidade de lobby como a pecuária, a produção madeireira, extração minerária. Enfim, os jesuítas estão tentando introduzir um modelo pedagógico diverso.

Um grande esforço para preparar do melhor modo possível o próximo Sínodo de outubro…

Padre Renato: É o próprio Papa Francisco que deseja que este Sínodo seja um momento de escuta das populações locais. E os jesuítas latino-americanos, respeitando este espírito, estão organizando reuniões nas quais as comunidades possam falar, possam se exprimir. São comunidades que vivem isoladas, em territórios que são administrados pelo Governo, falam outras línguas, com culturas diferentes. Portanto, ir ao seu encontro e colocá-los em uma dinâmica sinodal eficiente representa um esforço pastoral imponente, mas necessário. Papa Francisco espera ver uma Igreja com o rosto amazônico. Mas o que significa este rosto? É importante que seja determinado pelas próprias comunidades locais. A comunidade indígena tutela o território e o território hospeda uma comunidade. Este equilíbrio entre comunidade e território é algo que em outras partes do mundo não é mais considerado. Desapareceu. Temos que aprender com eles.

Na próxima quarta-feira (28/08) irão se reunir em Belém bispos e líderes da Amazônia para estudar melhor o documento de trabalho do Sínodo, Instrumentum laboris. Uma reunião considerada fundamental…

Padre Renato: É uma reunião que envia uma mensagem clara aos indígenas: vocês não estão sós! Faz com que eles compreendam que existem autoridades solidárias com eles. E isso ajuda muito. Saber que existe uma Igreja que “põe a mão na massa” para enfrentar estes problemas dá coragem e acalenta o coração.

 

27 agosto 2019, 10:52