Cerca

Vatican News
O prêmio Pe. Andrea Santoro foi instituído em memória do sacerdote fidei donum assassinado na Turquia em 2006 O prêmio Pe. Andrea Santoro foi instituído em memória do sacerdote fidei donum assassinado na Turquia em 2006 

Missionário do Pime é agraciado com o prêmio Pe. Andrea Santoro

O prêmio é atribuído a quem se destacou mundo afora pelo empenho no anúncio do Evangelho ad gentes (além-fronteiras), no diálogo inter-religioso e na promoção humana. A cerimônia de entrega do prêmio ao Pe. Sebastiano D’Ambra terá lugar em Roma em 26 de outubro próximo, por ocasião das celebrações do Mês missionário extraordinário, convocado pelo Papa Francisco

Cidade do Vaticano

“Para mim representa uma ocasião ulterior no sentido de continuar promovendo o diálogo inter-religioso, que é o único verdadeiro caminho possível para alcançar a paz e a harmonia entre as pessoas de diferentes credos”: foi o que declarou ao jornal vaticano “L’Osservatore Romano” o missionário do Pime (Pontifício Instituto das Missões Exteriores), Pe. Sebastiano D’Ambra, logo após receber a notícia da atribuição do prêmio Pe. Andrea Santoro.

Ouça e compartilhe!

Diálogo com a comunidade muçulmana das Filipinas

Trata-se de um reconhecimento decidido, dias atrás, pelo Centro missionário da Diocese de Roma, que instituiu o prêmio em memória do sacerdote fidei donum, grande testemunha do diálogo islâmico-cristão, assassinado em Trabzon (Turquia) em 5 de fevereiro de 2006. A partir deste ano, o prêmio é atribuído a quem se destacou mundo afora pelo empenho no anúncio do Evangelho ad gentes (além-fronteiras), no diálogo inter-religioso e na promoção humana.

Fundador do movimento para o diálogo islâmico-cristão Silsilah e secretário executivo da comissão para o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal das Filipinas, Pe. D’Ambra, originário da província de Catania, na Sicília, sul da Itália, encontra-se – através do movimento Silsilah em Zamboanga, na ilha filipina de Mindanao – engajado no diálogo com a comunidade muçulmana local.

Pe. D’Ambra: reconhecimento é desafio a seguir adiante

“Recebi um e-mail no qual me informavam sobre esse reconhecimento – disse o missionário do Pime – que me lisonjeia e me alegra muito. Não conheci pessoalmente Pe. Andrea Santoro, mas ouvi muitas coisas bonitas sobre ele e sei o que fez de importante durante muitos anos na Turquia ao longo de seu ministério pastoral.”

“Para mim o prêmio é, sem dúvida, um desafio a seguir adiante. Meu esforço pela promoção do diálogo inter-religioso não cessará”, assegurou o missionário. “Pelo contrário, criamos recentemente no seio do movimento Silsilah um pequeno movimento, denominado ‘Emaús’, que tem a finalidade de intensificar nossa atividade e de alcançar as esferas sociais mais complexas”, acrescentou.

Ano especial para o diálogo inter-religioso nas Filipinas

“Além disso, estes dias, junto com a comissão episcopal para o diálogo inter-religioso, estamos trabalhando com afinco para preparar da melhor forma possível o Ano especial para o diálogo inter-religioso nas Filipinas, que será celebrado em 2020, ano que precede o aniversário dos 500 anos da presença cristã no país asiático”, disse ainda.

A cerimônia de entrega do prêmio ao Pe. D’Ambra terá lugar em Roma em 26 de outubro próximo, por ocasião das celebrações do Mês missionário extraordinário. Pe. Andrea Santoro estava rezando quando foi assassinado na igreja de Santa Maria, da qual era pároco. O autor do homicídio, Ohuzan Akdil, na época com dezesseis anos, foi condenado pelas autoridades turcas a 18 anos e 10 meses de prisão.

(L'Osservatore Romano)

05 agosto 2019, 12:25