Busca

Vatican News
Comissão Arns em foto de arquivo de fevereiro deste ano, quando da sua fundação Comissão Arns em foto de arquivo de fevereiro deste ano, quando da sua fundação 

Comissão Arns e Pastorais Sociais se reúnem para articular Mesa de Diálogo contra a Violência

O lançamento público em Brasília da Mesa Nacional de Diálogo contra a Violência foi uma das três propostas colocadas em pauta na reunião da última terça-feira (2) do Regional Sul 1 da CNBB. No encontro, o presidente da entidade, Pastorais Sociais e representantes da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos “Dom Paulo Evaristo Arns”, em atuação no país desde fevereiro.

Silvonei José, Andressa Collet – Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem e compartilhe

Um encontro na sede do Regional Sul 1 da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) reuniu o presidente da entidade e bispo diocesano de Mogi das Cruzes/SP, Dom Pedro Luiz Stringhini; além de representantes das Pastorais Sociais e dos Organismos da Comissão Pastoral para a Ação Social Transformadora e, em especial, fundadores e membros da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos “Dom Paulo Evaristo Arns”.

A defesa dos direitos humanos pelo coletivo voluntário

A Comissão Arns foi fundada em fevereiro deste ano por um grupo voluntário e suprapartidário constituído por 20 brasileiros com décadas de experiência na atuação em defesa dos direitos humanos e oriundos do mundo político, judiciário, acadêmico, além de jornalistas e militantes sociais de distintas gerações. Eles trabalham em rede com o intuito de detectar casos, dar suporte a denúncias públicas, encaminhar aos órgãos do Judiciário e organismos internacionais.

Em seu nome, a Comissão presta homenagem ao Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns (1921-2016), arcebispo emérito de São Paulo. Em 1972, Dom Paulo criou a Comissão Justiça e Paz de São Paulo, uma porta aberta no acolhimento das vítimas da repressão política e policial no país. Ao destacá-lo, a Comissão reconhece o exemplo de resistência, resiliência e, sobretudo, de esperança para os brasileiros em tempos difíceis. O presidente Stringhini aprofunda a atuação da Comissão:

“Tem como objetivo ficar atenta a tantas violações dos direitos humanos que acontecem todo dia e em todos os lugares que são, na maioria das vezes, institucionais porque, no fundo, é a violência do Estado contra os presos, os índios, contra as vítimas da mineração, contra os pobres em geral. Então, superação da violência, é esse o objetivo e também de criar uma cultura da paz. Que cada ser humano, de modo especial os cristãos sejam pessoas de fraternidade e de paz.”

A reunião de terça-feira deu abertura para a discussão de três propostas: o lançamento público da Mesa Nacional de Diálogo contra a Violência, em Brasília/DF; o Dia Nacional contra a Violência a ser celebrado durante a Semana da Pátria; além de uma outra data contra a violência a ser comemorada em cada região, em torno de 2 de novembro. Para as definições de construção da Mesa de Diálogo, bem como de um calendário de atividades, a Comissão Arns fará uma reunião na próxima quarta-feira (10) para dar continuidade ao debate iniciado nesta semana.

“Todos saímos satisfeitos e com a sensação de que esta articulação, diálogo e parceria deve continuar.”

(CNBB Regional Sul 1)

05 julho 2019, 18:29