Cerca

Vatican News
Patriarca de Babilônia dos Caldeus, no Iraque, Sua Beatitude Louis Raphaël I Sako Patriarca de Babilônia dos Caldeus, no Iraque, Sua Beatitude Louis Raphaël I Sako  (ANSA)

Cardeal Sako: mensagem aos muçulmanos ao fim do Ramadã

Diante dos sofrimentos vividos pelo povo iraquiano nos últimos anos – massacres, destruições e o êxodo forçado de boa parte da população do sul do Iraque –, o patriarca caldeu repropõe como única opção aceitável para o futuro a possibilidade de viver na paz a “fraternidade humana”, que reconhece iguais dignidade, direitos e deveres para todos

Cidade do Vaticano

A autêntica reconciliação, da qual o Iraque precisa urgentemente, se manifesta em colocar os contrastes de lado e perdoar-se um ao outro corajosamente. É o que reitera o patriarca católico de Babilônia dos Caldeus, no Iraque, cardeal Louis Raphaël I Sako, na mensagem dirigida aos muçulmanos, por ele definidos “nossos irmãos em humanidade”, por ocasião da Eid al Fitr, a festa que marca o final do mês sagrado islâmico do Ramadã, dedicado ao jejum.

Ouça e compartilhe!

Viver na paz a fraternidade humana

Diante dos sofrimentos vividos pelo povo iraquiano nos últimos anos – massacres, destruições e o êxodo forçado de boa parte da população do sul do Iraque –, o patriarca caldeu repropõe como única opção aceitável para o futuro a possibilidade de viver na paz a “fraternidade humana”, que reconhece iguais dignidade, direitos e deveres para todos.

A nação iraquiana é “patrimônio partilhado” por cidadãos pertencentes a cada grupo social e religioso. E hoje, mais do que nunca, a responsabilidade de garantir e favorecer a convivência entre os vários grupos deve inspirar os dirigentes e as instituições do País do Golfo, ressalta.

Retorno dos refugiados à pátria

Em sua mensagem aos muçulmanos o purpurado diz ser levado a partilhar com eles estes pensamentos e desejos – afirma – “porque confio que cada um de nós seja capaz de reconhecer que uma tal reforma deve vir de dentro e não deve ser confiada a outros agentes que atuam externamente, considerando que os iraquianos não têm mais a força de suportar outras guerras”.

Ao final da mensagem, o cardeal Sako pede a Deus que abençoe os iraquianos com a paz, a estabilidade e o feliz retorno de muitos refugiados a suas casas.

(Fides)

03 junho 2019, 16:25