Cerca

Vatican News
Dom Rui Valério e Dom Daniel Henriques /Foto: Arlindo Homem Dom Rui Valério e Dom Daniel Henriques /Foto: Arlindo Homem 

Patriarca de Lisboa ordenou dois novos bispos para Portugal

Celebração da ordenação de D. Rui Valério e D. Daniel Henriques decorreu no Mosteiro dos Jerónimos.

Domingos Pinto – Lisboa

D. Rui Valério, o novo bispo das Forças Armadas e de Segurança, e D. Daniel Henriques, o novo bispo auxiliar de Lisboa, foram ordenados no ministério episcopal este domingo, 25 de novembro, no Mosteiro dos Jerónimos, na capital portuguesa.

Uma celebração que foi presidida pelo cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, e que teve como bispos co-ordenantes D. Manuel Linda, bispo do Porto, e D. José Traquina, bispo de Santarém.

Como é habitual nestas celebrações, foram proclamados publicamente os mandatos apostólicos do Papa, pelo núncio apostólico em Portugal, D. Rino Passigato, que a respeito de D. Rui Valério, destacou a importância de prover ao “cuidado espiritual dos militares e agentes de segurança”.

Já o mandato de nomeação episcopal de D. Daniel Henriques sublinha as “necessidades da Igreja patriarcal de Lisboa” que levam à escolha de novo auxiliar, a pedido do cardeal-patriarca.

Depois e já na sua homilia, D. Manuel Clemente refletiu sobre a “realeza do serviço” de Jesus, na solenidade de Cristo-Rei do Universo.

Um reino que acontece em particular onde “a Igreja é pobre e perseguida”, sublinhou o Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa que lembrou ainda que “o Cristianismo é hoje a religião mais perseguida do mundo”.

Falando já no final da eucaristia, D. Rui Valério, que é missionário monfortino e era pároco na Póvoa de Santo Adrião, disse que assumir esta nova missão é como estar “de novo em casa”, porque já tinha servido as Forças Armadas como capelão, manifestando ainda satisfação pela presença do ministro da Defesa como sinal de “agradecimento e apreço” da ação da Igreja Católica nas Forças Armadas.

“A laicidade do Estado não inviabiliza nem atenta contra a recíproca cooperação”, explicou o prelado, que prometeu ser um “leal colaborador”, sempre disponível a trabalhar para o bem comum.

Por sua vez, D. Daniel Batalha, que era prior de Torres Vedras quando foi escolhido pelo Papa Francisco para bispo, recordou a “surpresa” com que recebeu a notícia da sua nomeação, manifestando “total comunhão e gratidão” ao Papa Francisco.

Ouça e compartilhe!

 

 

 

 

27 novembro 2018, 14:43