Versão Beta

Cerca

Vatican News
Tomba di Don Puglisi nella cattedrale di Palermo Túmulo do Beato Pino Puglisi na Catedral de Palermo 

Papa em Palermo para recordar padre Pino

O irmão do sacerdote assassinado pela máfia em 1993 fala com emoção da visita do Papa Francisco por ocasião do 25º aniversário do martírio . A alegria dos familiares: não é mais nosso é de todos!

Cidade do Vaticano

Os familiares do padre Pino Puglisi, falam com emoção da visita do Papa Francisco a Palermo neste sábado, 15 de setembro. Francesco Puglisi, o irmão menor do Beato Giuseppe Puglisi conta: “A visita do Papa Francisco aqui em Palermo, por ocasião do 25º aniversário da morte do meu irmão, é uma grande alegria para nossa família. Estamos muito orgulhosos e emocionados. Aguardamos esta visita que é quase inesperada”.

Ouça e compartilhe!

O beato Pino Puglisi foi assassinado pela máfia em 15 de setembro de 1993. É justamente para recordar esse sacerdote siciliano, o primeiro mártir da criminalidade organizada, que o Papa visitará a sua cidade.

Não é mais nosso, é de todos

“Pino era a minha família: irmão, tio de meus filhos, cunhado de minha esposa. Era um ponto de referência importante para todos nós. Quando foi morto, foi como se tivessem tirado uma parte de nós violentamente”. “Normalmente quando morre um familiar, os familiares acompanham o enterro e vão ao cemitério. No nosso caso, ao contrário, nos foi quase impedido ou foi muito difícil: como se não fosse mais nosso. E, de fato, agora nos damos conta de que nosso irmão Pino é de todos”.

Um santo em família

“Algumas vezes perguntam a mim ou ao meu irmão Gaetano, às nossas esposas ou filhos se nos damos conta que temos um santo em família: a resposta é: absolutamente não! Quando eu nasci, caçula de quatro filhos, meu irmão Pino já era meu ponto de referência, sempre o mesmo, coerente com o seu caráter: antes e depois de ser padre”. “Nós familiares, nunca vimos nenhuma mudança, para nós ele era sempre o mesmo. Que fosse um santo, só nos demos conta depois quando, infelizmente, fizemos comparações com outros padres e vimos que como ele, havia poucos”.

A capacidade de encontrar jovens

“Muitos se perguntam de onde vinha a sua capacidade de atrair jovens. Acredito que muito se deve à sua grande cultura: porque Pino estudava muito, lia muito. Dormia muito pouco e dedicava seu tempo livre ao estudo. Lia principalmente livros de psicologia, pedagogia, teologia: tudo o que pudesse ajudá-lo a dialogar não só com os jovens, mas com todos”. “Mas independente da sua preparação - explica Francesco Puglisi – a sua capacidade de atrair jovens vinha de seu caráter. Sabia ouvir a todos, qualidade rara nas pessoas”.

Sou apenas um pobre padre

“Meu irmão tinha sido ameaçado pela máfia, sem dúvida, mas em família não falava sobre isso ou minimizava o perigo. Quando ficávamos sabendo, pela imprensa, de alguma ameaça que tinha recebido, ele sempre dizia que não devíamos nos preocupar. Dizia-nos: ‘No fundo, o que podem me fazer? Sou apenas um pobre padre'. ‘No máximo podem me matar, e dizia isso quase sorrindo, quase brincando’ ”.

 

13 setembro 2018, 11:35