Versão Beta

Cerca

Vatican News

S. Maximiliano Kolbe: "Não há amor maior..."

A festividade litúrgica de São Maximiliano Kolbe decorre em 14 de agosto, dia em que ele foi executado pelos nazistas em Auschwitz, em 1941, com uma injeção letal, dias depois de se oferecer para ocupar o lugar de um preso no corredor da morte.

Robin Gomes - Cidade do Vaticano

Durante a Segunda Guerra Mundial, Auschwitz, na Polônia ocupada, ficou conhecido como o maior dos campos de concentração e extermínio nazistas alemães onde pelo menos 1,1 milhão de homens, mulheres e crianças morreram ou foram mortos. Cerca de 90% deles eram judeus.

No entanto, um padre católico ousou responder ao poder do mal nazista com o amor altruísta do Evangelho, tornando-se assim um mártir que viveu o amor total para com Deus e o homem. Ele é São Maximiliano Kolbe, um padre franciscano, uma das vítimas de Auschwitz.

Mártir da caridade

Após a invasão da Polônia pela Alemanha em 1939, frei Kolbe e seus companheiros abrigaram e deram assistência a cerca de 3.000 refugiados poloneses em seu convento, entre os quais 2.000 judeus. Os nazistas fecharam o convento em maio de 1941 e fr. Kolbe e quatro companheiros foram enviados para o campo de extermínio de Auschwitz, onde trabalharam com os outros prisioneiros.

Quando um prisioneiro escapou do campo, os nazistas escolhidos outros dez para serem mortos de fome, em represália pela fuga. Um dos 10 indicados para morrer, Franciszek Gajowniczek, começou a chorar pensando em sua esposa e filhos.

Incapaz de suportar isso, fr. Kolbe deu um passo em frente em silêncio, tirou o boné, parou diante do comandante e disse: 'Eu sou um padre católico. Deixe-me tomar o seu lugar. Eu sou velho. Ele tem esposa e filhos. Apontou com a mão para o condenado Franciszek Gajowniczek e repetiu: “Eu sou um padre católico da Polônia; eu gostaria de tomar o lugar dele, porque ele tem esposa e filhos”.

Seu pedido foi aceito!

Maximilian Kolbe, prisioneiro nº 16770, sofreu mais de 15 dias de tormento antes de sucumbir a uma injeção letal de ácido carbólico. Morreu às 12h30 do dia 14 de agosto de 1941, aos 47 anos, mártir da caridade.

O Bem-aventurado Papa Paulo VI declarou fr. Kolbe Beato em 17 de outubro de 1971 e São João Paulo II o canonizou em 10 de outubro de 1982.
 

14 agosto 2018, 14:52