Versão Beta

Cerca

Vatican News
Secretário da Congregação para a Evangelização dos Povos, Dom Protase Rugambwa com o Papa Francisco Secretário da Congregação para a Evangelização dos Povos, Dom Protase Rugambwa com o Papa Francisco  (Vatican Media)

Dom Rugambwa: "A nomeação de um Bispo é sinal do amor de Deus"

O arcebispo tanzaninano recordou os deveres e as obrigações do Bispo: pregar o Evangelho, celebrar os ritos sagrados, governar a Igreja local... Em particular, deve fazer-se próximo dos sofredores, dos pobres, dos pequenos.

Cidade do Vaticano

“A nomeação de um Bispo é um sinal do amor de Deus pelo seu povo. Para a Igreja, e em particular para a Diocese de Keetmanshoop, Deus realiza a promessa que fez a seu povo, Israel: dar-vos-ei pastores segundo o meu coração (Jer 3,15). Em sua grande solicitude, Deus vos deu um pastor… É um Bispo não somente da sua circunscrição eclesiástica, mas também da Igreja na Namíbia, bem como da Igreja universal, que trabalha de modo colegial com o Santo Padre, o sucessor de Pedro.”

Visita pastoral à Namíbia e Botsuana

São palavras pronunciadas pelo secretário da Congregação para a Evangelização dos Povos, Dom Protase Rugambwa, durante a solene liturgia que presidiu em Keetmanshoop, no sul da Namíbia, em 5 de maio, onde presidiu à ordenação episcopal do bispo eleito Willem Christiaans, no âmbito de sua visita pastoral à Namíbia e Botsuana (ambos os países no sul da África), realizada de 1º a 12 de maio.

Saudação do Papa transmitida pelo arcebispo

No início da homilia, o secretário do Dicastério missionário transmitiu a saudação do Santo Padre Francisco e do prefeito de Propaganda Fide, Cardeal Fernando Filoni, aos bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas, aos leigos, bem como às autoridades governamentais, aos líderes tradicionais, expressando particular apreço e gratidão aos sacerdotes, aos religiosos, aos catequistas, aos agentes pastorais e a todos os fiéis pelos “incansáveis esforços na realização da missão evangelizadora da Igreja, tanto em Keetmanshoop quanto em outros lugares”.

Retomando as leituras bíblicas pouco antes proclamadas, o Arcebispo Rugambwa dirigiu-se com as seguintes palavras ao Bispo eleito:

Amor a Cristo precede todo serviço em Seu nome

“Querido Pe. Willem, hoje Jesus está fazendo a ti a mesma pergunta feita a Pedro: amas-me? Temos todos a confiança de que a tua resposta é análoga à de Pedro: ‘Sim, Senhor, Tu sabes que te amo’, e suponho que provavelmente acrescentarás um pedido: Meu Senhor, ajuda-me a amar-te sempre mais e acima de tudo. Recorda-te sempre que o amor a Nosso Senhor precede todo e qualquer frutuoso serviço em Seu nome. Se o amas, aprenderás a expressar em tua vida e em teu ministério pastoral Seu mesmo amor e a Sua paixão pela salvação das almas. A eficácia e a fecundidade de teu ministério dependerão sempre da tua relação com Ele, a quem representas.”

Amor ao Senhor traduzido em amor a todos os cristãos

O amor pelo Senhor, prosseguiu o arcebispo tanzaniano, deverá ser traduzido “em amor concreto e incondicionado por todos os cristãos, objeto de teu cuidado pastoral”.

Portanto, “querido Pe. Willem, ama como pai e irmão todos aqueles que o Senhor hoje te confia”, em particular os sacerdotes e os diáconos, que partilham o ministério, a ser considerados filhos e amigos; os religiosos e as religiosas, a quem fazer sentir a atenção paterna e o apreço inestimável pela contribuição deles para a mesma missão, e os leigos, chamados a colaborar ativamente na atividade da Igreja.

Solicitude por todos, sem distinção de pessoas

“Deve haver um lugar em teu coração também para os não-católicos – aliás, para todos –, de modo que também sobre eles possa resplandecer a caridade de Cristo Jesus, de quem o Bispo é testemunha diante de todos os homens”, acrescentou.

“Procura ser um pai excelso no espírito de amor e solicitude por todo membro do rebanho. Manifesta a tua preocupação por todos, independentemente de sua idade, condição social ou nacionalidade, sejam estes nativos, estranhos ou estrangeiros”, exortou ainda.

Deveres e obrigações do Bispo

Em seguida, Dom Rugambwa recordou os deveres e as obrigações do Bispo: pregar o Evangelho, celebrar os ritos sagrados, governar a Igreja local. Seu dever é também enfrentar, com clareza e humildade, as questões que dizem respeito à justiça, à paz, à não-violência, às transformações sociais... Em particular, deve fazer-se próximo dos sofredores, dos pobres, dos pequenos.

Pastor do rebanho de Cristo

“Querido Pe. Willem, sê consciente do significado e da gravidade da vocação e da missão do Bispo. Ninguém pode pretender ser digno desta missão sem o auxílio de Deus. Portanto, mediante a imposição das mãos e a oração da consagração, pedimos a Deus que te transforme e te conduza plenamente a Ele por meio do Espírito Santo. Serás marcado com um caráter sagrado para ser o representante de Cristo, de modo que Ele mesmo possa ajudar-te a tornar-te, por seu intermédio e n’Ele, um bom pastor de Seu rebanho”, concluiu o secretário da Congregação para a Evangelização dos Povos.

(Agência Fides)

18 maio 2018, 10:22