Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Criança síria na celebração da Páscoa em uma igreja em Damasco Criança síria na celebração da Páscoa em uma igreja em Damasco  (ANSA)

AIS Síria: aumenta a ajuda aos cristãos obrigados a deixar o país

A Fundação pontifícia, principal realidade de caráter pastoral que atua no Oriente Médio, conta atualmente com 124 operações em favor dos cristãos da Síria.

Cidade do Vaticano

Enquanto os combates e bombardeamentos em Goutha e Afrin causam centenas de vítimas, e emocionam o mundo inteiro, continua e se reforça o trabalho silencioso da “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) ao lado dos cristãos sírios.

“Mesa de São João o Misericordioso”

 

A Fundação pontifícia, principal realidade de caráter pastoral que atua no Oriente Médio, conta atualmente com 124 operações em favor dos cristãos da Síria. Nos últimos dias, com o aumento da crise, a AIS aumentou seu apoio à “Mesa de São João o Misericordioso”, um refeitório gerido pela Igreja melquita em Sahle, no Líbano, que oferece comida a cerca de mil refugiados sírios por dia.

“O projeto iniciou em dezembro de 2005 com 500 refeições quentes, - explica o diretor da AIS, Alessandro Monteduro – mas o número de refugiados cristãos vindos da Síria foi sempre aumentando e hoje as exigências são mais do que o dobro”. Nestes longos anos de guerra, milhares de fiéis sírios encontraram refúgio em Zahled, onde está a maioria cristã, ao leste de Beirute, na espera de um dia poder voltar ao seu país.

Na “Mesa de São João o Misericordioso”, os refugiados cristãos não encontram apenas comida mas também apoio espiritual e conforto, graças à presença constante de um sacerdote e alguns voluntários. Ninguém é esquecido: para os idosos e os doentes que não conseguem chegar até o refeitório, os voluntários organizam um serviço “a domicílio”.

Isso é apenas um exemplo do amplo empenho da Fundação pontifícia para os cristãos da Síria desde o início do conflito em 2011.

Doações e projetos

 

“O valor das doações, mesmo sendo grande, mais de 20 milhões de euros, não cobre totalmente as despesas do nosso apoio – continua Monteduro – que é capaz de responder às mais diversas exigências. Desde roupas e agasalhos para o inverno às intenções das Missas para os sacerdotes”.

Atualmente os projetos sustentados pela AIS refletem o espírito de uma realidade que desde sempre deixa à cada uma das dioceses a tarefa de indicar as prioridades da própria ação em campo. “Assim como se reflete a nossa completa ‘cobertura’ em todo o território da Síria, e não somente nas áreas que estão sob os refletores da mídia”.

Desde a “Sopa solidária” oferecida pelo convento Ibrahim Al Khalil de Damasco, aos ranchos de sobrevivência doados a centenas de famílias cristãs em Lattakia. Da eletricidade para as famílias cristãs que ficaram em Aleppo, às ajudas para a educação e a assistência médica para os cristãos refugiados em Marmarita, no chamado Vale dos Cristãos, ao combustível doado às famílias de Nebek, situada na estrada entre Damasco e Homs.

Intervenção humanitária e pastoral

 

As intervenções humanitárias representam uma prioridade no atual cenário sírio, mas a AIS não esquece o elemento fundamental da própria missão: sustentar a pastoral da Igreja.

De fato, a Fundação financia a publicação e a difusão de catecismos e outros textos religiosos em toda a Síria, a formação de seminaristas, sacerdotes e religiosas, e várias colônias de férias organizadas pela Igreja, como o de Machta Al Helou promovida pela arquidiocese sírio-católica de Aleppo.

Também são numerosas as reconstruções, entre as quais a da Igreja de São Jorge em Sadad, a pequena cidade conhecida pelo cruente ataque anticristão ocorrido em 2013.  

 

 

Photogallery

Cristãos celebram a Páscoa na Síria
10 abril 2018, 13:39