Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Dom Manuel Clemente Dom Manuel Clemente 

Patriarca de Lisboa : Ouvir os jovens

Expetativas de D. Manuel Clemente à saída de Lisboa para o encontro dos bispos lusófonos em Cabo Verde.

Domingos Pinto – Lisboa

São sempre momentos muito ricos de partilha, de definição de objetivos que são globais, mas que também nos interessam diretamente, e até com esta facilidade da lusofonia”, disse esta 5ª feira, 26, D. Manuel Clemente, em entrevista exclusiva à VATICAN NEWS.

Declarações de Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa no aeroporto de Lisboa à partida para Cabo Verde onde participa a partir de hoje, 27, no encontro dos bispos lusófonos, desta vez centrado no tema ‘Os jovens na Igreja: presença efetiva e transformadora’.

“É sobretudo e basicamente uma altura para nós os ouvirmos e depois com eles fazermos um caminho evangélico, cristão e missionário, e proporcionar que cada um deles possa realizar a sua vocação”, sublinha D. Manuel Clemente que também olha com esperança para a CPLP.

“Uma comunidade que permite “compartilhar uma língua comum, ideias, vivências”, e que” vincula toda uma cultura”, acrescenta o Patriarca de Lisboa.

Já sobre a nova proposta sobre a mobilidade na CPLP que será apresentada na cimeira de julho próximo da organização em Cabo Verde, D. Manuel Clemente diz que “tudo o que facilite a circulação dos países de língua portuguesa, em princípio, é positivo”, mas lembra que este “é um fator entre fatores”.

O Presidente da CEP chama aqui a atenção para aspetos importantes como “o agrupamento familiar, a viabilidade económica em termos de trabalho, de emprego, de cultura e de saúde” para os cidadãos lusófonos.

Também o Bispo de S. Tomé e Príncipe, em entrevista exclusiva ao portal da Santa Sé, espera que se “deem passos” nesse sentido. Seria mesmo “um fator positivo” para o país, diz D. Manuel António Mendes dos Santos que alerta também para as dificuldades e constrangimentos de alguns países nesta matéria.

Já sobre o Encontro dos bispos lusófonos em Cabo Verde, o Bispo de S. Tomé e Príncipe diz que é uma oportunidade para aprofundar “a comunhão entre países que têm uma cultura comum, têm uma língua comum e uma história comum”.

Ouça a reportagem

 

28 abril 2018, 14:20