Versão Beta

Cerca

Vatican News
Basílica do Santo Sepulcro - Rito do Fogo Santo Basílica do Santo Sepulcro - Rito do Fogo Santo 

Rito do Fogo Sagrado prepara Páscoa das Igrejas Orientais na Basílica do Santo Sepulcro

As Igrejas Orientais que seguem o Calendário Juliano celebram a Páscoa neste domingo. Ontem em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, foi realizada a cerimônia do "Fogo Sagrado".

Beatrice Guarrera – Jerusalém

Em Jerusalém, é novamente Páscoa e a alegria do Ressuscitado pode ser ouvida também pelas canções em todas as línguas entoadas nas ruas da Cidade Velha de Jerusalém.

Segundo o Calendário Juliano, seguido pela maioria das Igrejas Orientais, hoje é domingo de Páscoa, mas ontem foi o dia mais esperado para os cristãos de Jerusalém e para os cristãos orientais de todo o mundo.

No Santo Sepulcro foi repetida a cerimônia do Fogo Sagrado, que cai todos os anos no sábado de Páscoa - em árabe sabt el nur - o "sábado de luz". Neste dia se espera a descida do céu do Fogo Sagrado que chega ao Sepulcro de Cristo.

O patriarca greco-ortodoxo de Jerusalém, Theophilos III, presidiu o rito juntamente com os líderes das Igrejas Armênia, Copta e Siríaca.

O rito tem sido realizado da mesma forma há pelo menos seis séculos e tem sido atestado desde a fundação da Igreja Constantina no quarto século.

O patriarca Theophilos III, passando entre a multidão, entra no Santo Sepulcro em procissão, fazendo seu ingresso pelo cnetro na Edícula, previamente selada com cera.

Lá, ele rezou sozinho, carregando em suas mãos uma chama alimentada durante todo o ano, que é apagada antes do rito, para ser reacendida pelo Fogo Sagrado.

Depois de alguns minutos, um grito de alegria anuncia a vinda do Fogo. Em poucos segundos, a Igreja escura do Santo Sepulcro é acesa pelos fiéis, que se apressam em acender as velas.

Segundo a tradição, o Fogo Sagrado não queima durante os primeiros minutos, assim, entre emoção e euforia, os fiéis passam as mãos e o rosto nas chamas.

A festa do Fogo Sagrado é uma celebração muito vivida em Jerusalém, como explicou Eli, um árabe cristão da Cidade Velha:

"Eu nasci e moro aqui em Jerusalém, na Cidade Velha. Eu venho de uma família metade ortodoxa e metade católica. Sempre celebramos as festas juntos, quer a dos católicos como a dos ortodoxos. Nós sentimos a festa Ortodoxa como uma celebração especial, porque você sente a Páscoa, você sente a Ressurreição de Jesus Cristo. Da Cidade Velha pegam este fogo e o levam para todo o mundo".

Durante a cerimônia, o sacristão franciscano de Santo Sepulcro estava presente na entrada do túmulo de Cristo, enquanto outros franciscanos da fraternidade, observavam da galeria superior.Fr. Giuseppe Maria Modesti, cantor do Santo Sepulcro, disse que significa para ele viver viver este rito:

"É sempre emocionante participar deste momento do Fogo Sagrado dos ortodoxos. Temos alguns testemunhos antigos que relatam este momento. É a terceira vez que participo. Certamente a fé das pessoas que participam comove, realmente é verdadeira. Você pode juntar-se a este momento em torno à definição que deu o patriarca greco-ortodoxo: "Da Edícula do Santo Sepulcro sai um Fogo que é Santo, porque ele vem do Santo Sepulcro".
 

08 abril 2018, 19:47